Rádio Observador

França

Merci, Mr. Macron /premium

Autor
370

É o desempregrado que tem pensar em primeiro lugar o que pretende fazer da sua vida. Vivê-la por si ou à conta de outrem? O que Macron disse não é simpático, pode não garantir votos, mas é sério.

O verniz estalou em França quando Emmanuel Macron, perante um jovem desempregado de 25 anos que se queixava de não arranjar emprego na sua área, a da horticultura, lhe respondeu que se estivesse pronto e motivado, na hotelaria, nos cafés e restaurantes não haveria um estabelecimento que lhe recusasse trabalho. Foi a indignação total, à esquerda e à direita, principalmente entre a extrema-esquerda e a extrema-direita que uma vez mais comprovaram o quanto se assemelham e que se digladiam pelo mesmo eleitorado. Em uníssono acusaram Macron de desrespeitar os desempregados e de desconhecer a realidade.

Mas o presidente francês disse mais que afirmar ser fácil arranjar trabalho. Macron declarou que quando alguém não consegue emprego no ofício que pretende é porque essa ocupação não é útil à sociedade, ao país. Dito de uma forma mais dura: ao mercado; de uma maneira mais suave: às pessoas. Se não arranjamos emprego no ofício que gostamos, para o qual nos preparámos, é porque para a maioria das pessoas esse ofício não tem interesse. Foi essencialmente isto que Macron disse ao jovem desempregado nos jardins do Eliseu.

Perante esta realidade existem três soluções. Uma: atribui-se um subsídio ao desempregado que é compensado por a sociedade não precisar do seu ofício. Duas: obrigam-se as empresas a contratar quem queira trabalhar em sectores que não representam mais-valia. Três: convence-se quem está desempregado a procurar outro emprego. Nas duas primeiras soluções a responsabilidade por aquele jovem desempregado não arranjar trabalho na área que gosta, ou para a qual se preparou, é repartida e diluída pelos contribuintes e pelas empresas (e por todos os que não serão depois contratados porque as empresas não têm condições para o fazer). Diluída a responsabilidade esta não se imputa  a ninguém e aquele desempregado será sempre um eleitor fiel. Na terceira solução, a responsabilidade é posta em cima do interessado. É este quem tem pensar em primeiro lugar o que pretende fazer da sua vida. Vivê-la por si ou à conta de outrem? É o tal ‘não perguntes o que o teu país pode fazer por ti, mas o que tu podes fazer pelo teu país’ numa perspectiva não romântica, mas dura. Real. Palpável. O que Macron disse não é simpático, pode não garantir votos, mas é sério.

Advogado

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

O que é que fizeram à direita? /premium

André Abrantes Amaral
223

O PSD que vai a votos a 6 de Outubro não é o que governou entre 2011 e 2015. É o PSD de Rui Rio, de Pacheco Pereira e de Ferreira Leite. É o PSD dos que concertadamente comentam realidades virtuais.

Brexit

Um elogio ao parlamentarismo britânico /premium

André Abrantes Amaral

O referendo, com o seu carácter limitativo da discussão em causa, não permite um debate verdadeiro com negociação e cedência. Passada a tempestade, a democracia parlamentar britânica sairá reforçada.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)