Liberdade de Expressão

Não foram as ameaças. Foi o medo

Autor
3.983

Qual o poder da tribo ululante que impediu a conferência de Jaime Nogueira Pinto na hora de se decidirem avaliações, projectos de investigação e contratações?

Não foram as ameaças a impedir a conferência de Jaime Nogueira Pinto. Foi o medo. Foi a conivência. Foi o reconhecimento da superioridade da extrema-esquerda. Caso Jaime Nogueira Pinto tivesse sido ameaçado por ultras de direita, neste momento a sua conferência não só teria lugar como até aconteceria num espaço mais solene. Diversos colegas, os dirigentes das juventudes partidárias, catedráticos de outras faculdades e os eleitos das associações de estudantes marcariam presença nessa conferência transformada em acto de desagravo e de força, do lado da liberdade. Todos fariam declarações inflamadas para os jornalistas que as repetiriam enfaticamente. Obviamente aqueles que tinham procurado impedir a conferência meteriam a violinha no saco e apareceriam a dizer que tudo aquilo não passara de um enorme mal-entendido.

Mas, como Jaime Nogueira Pinto foi ameaçado pela extrema-esquerda, nada disso acontece. Antes pelo contrário, a anulação da sua conferência é apresentada como um gesto de bom senso perante as tais ameaças e, o que não é dito mas está implícito, também perante as ideias de Jaime Nogueira Pinto e de quem o convidou, ideias essas que têm o condão de irritar aquelas almas inflamadas mas bem intencionadas. Aliás, se nós formos bonzinhos, fofinhos, queriduchos eles não se irritam. São até bons rapazes. Vejam como eles se portam bem nas conferências do professor Boaventura!

Mas o facto de a conferência não ter lugar, não quer dizer que não aconteça nada. Antes pelo contrário, estão a acontecer inúmeras coisas e nenhuma delas é boa. Para começar, os intolerantes que conseguiram que a conferência fosse anulada alargaram não só o seu poder, mas também o seu âmbito de actuação: a acusação de fascismo, colonialismo, machismo… ou o que lhes der na telha, cairá cada vez mais sobre os mais inesperados alvos. Por exemplo, sobre professores da casa, sobre outros potenciais convidados (naturalmente, para lhes evitar as invectivas, os painéis de debate estreitar-se-ão, não vá outra vez ouvir-se falar mal da FCSH – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas) e sobre o próprio quotidiano da faculdade. Seria interessante, por exemplo, perceber qual o poder desta tribo ululante na hora de se decidirem avaliações, projectos de investigação e contratações.

Na verdade, nada disto é novo – a atracção pelo totalitarismo é quase uma tradição nas universidades no mundo ocidental – e funciona sempre da mesma forma: primeiro a pretensa RGA (quanto alunos estiveram presentes? Quantos votaram?) onde se toma uma decisão. Em seguida a tentativa por parte dos responsáveis da instituição de mostrar bom senso perante o que é apresentado como um conflito entre radicais. Por fim, daqui por uns anos, ainda teremos de ouvir umas recordações patético-românticas dos que agora na Avenida de Berna se calam perante estes factos contra os quais, dirão, eles estiveram contra, obviamente. Mas, acrescentarão com ar blasé, não se podia fazer nada. Podia. E devia.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Salazar /premium

Helena Matos
1.910

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

Politicamente Correto

Os sem palavras /premium

Helena Matos
1.747

Nada é dito directamente: os trabalhadores são colaboradores e os deficientes pessoas portadoras de deficiência. Somos os perifrásticos. E o PSD enquanto "não esquerda" é a perífrase por excelência.

Censura

Os caça-fantasmas /premium

Helena Matos
3.515

Portugal não tem fascistas que cheguem para encher uma pequena praça ou até a Rua da Betesga mas tem cada vez mais dependentes do fascismo. São eles os caça-fascistas, a versão lusa dos caça-fantasmas

Global Shapers

Nas mãos da inteligência, salvo seja

João Romão

A inteligência artificial atingiu os seus objetivos, mas não da forma que os seus criadores anteviam (ou desejariam). Queremos dar-lhe este poder a temas como, por exemplo, a liberdade de expressão?

Partidos e Movimentos

Uma alternativa à Geringonça

Carlos Guimarães Pinto

As hipóteses eleitorais da Iniciativa Liberal são as de um partido novo sem figuras do sistema politico-mediático nem apoio de um grupo de comunicação como sucede com Santana/Impresa e Ventura/Cofina.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)