Liberdade de Expressão

Não foram as ameaças. Foi o medo

Autor
3.983

Qual o poder da tribo ululante que impediu a conferência de Jaime Nogueira Pinto na hora de se decidirem avaliações, projectos de investigação e contratações?

Não foram as ameaças a impedir a conferência de Jaime Nogueira Pinto. Foi o medo. Foi a conivência. Foi o reconhecimento da superioridade da extrema-esquerda. Caso Jaime Nogueira Pinto tivesse sido ameaçado por ultras de direita, neste momento a sua conferência não só teria lugar como até aconteceria num espaço mais solene. Diversos colegas, os dirigentes das juventudes partidárias, catedráticos de outras faculdades e os eleitos das associações de estudantes marcariam presença nessa conferência transformada em acto de desagravo e de força, do lado da liberdade. Todos fariam declarações inflamadas para os jornalistas que as repetiriam enfaticamente. Obviamente aqueles que tinham procurado impedir a conferência meteriam a violinha no saco e apareceriam a dizer que tudo aquilo não passara de um enorme mal-entendido.

Mas, como Jaime Nogueira Pinto foi ameaçado pela extrema-esquerda, nada disso acontece. Antes pelo contrário, a anulação da sua conferência é apresentada como um gesto de bom senso perante as tais ameaças e, o que não é dito mas está implícito, também perante as ideias de Jaime Nogueira Pinto e de quem o convidou, ideias essas que têm o condão de irritar aquelas almas inflamadas mas bem intencionadas. Aliás, se nós formos bonzinhos, fofinhos, queriduchos eles não se irritam. São até bons rapazes. Vejam como eles se portam bem nas conferências do professor Boaventura!

Mas o facto de a conferência não ter lugar, não quer dizer que não aconteça nada. Antes pelo contrário, estão a acontecer inúmeras coisas e nenhuma delas é boa. Para começar, os intolerantes que conseguiram que a conferência fosse anulada alargaram não só o seu poder, mas também o seu âmbito de actuação: a acusação de fascismo, colonialismo, machismo… ou o que lhes der na telha, cairá cada vez mais sobre os mais inesperados alvos. Por exemplo, sobre professores da casa, sobre outros potenciais convidados (naturalmente, para lhes evitar as invectivas, os painéis de debate estreitar-se-ão, não vá outra vez ouvir-se falar mal da FCSH – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas) e sobre o próprio quotidiano da faculdade. Seria interessante, por exemplo, perceber qual o poder desta tribo ululante na hora de se decidirem avaliações, projectos de investigação e contratações.

Na verdade, nada disto é novo – a atracção pelo totalitarismo é quase uma tradição nas universidades no mundo ocidental – e funciona sempre da mesma forma: primeiro a pretensa RGA (quanto alunos estiveram presentes? Quantos votaram?) onde se toma uma decisão. Em seguida a tentativa por parte dos responsáveis da instituição de mostrar bom senso perante o que é apresentado como um conflito entre radicais. Por fim, daqui por uns anos, ainda teremos de ouvir umas recordações patético-românticas dos que agora na Avenida de Berna se calam perante estes factos contra os quais, dirão, eles estiveram contra, obviamente. Mas, acrescentarão com ar blasé, não se podia fazer nada. Podia. E devia.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
1.197

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Crónica

Os amigos /premium

Helena Matos
780

Os amigos uns dos outros. Os amigos de Peniche. Os amigos dos animais. Os amigos do alheio. O amigo de todos... Com amigos assim não precisamos de inimigos. 

Liberdades

Também tu, Universidade de Harvard?

Luís Ribeiro
190

Viver na espuma dos acontecimentos, sem aprofundar as consequências, leva a isto: cai um preconceito, mas é logo substituído por outro. O preconceito racial é substituído pelo preconceito do #MeToo.

Estados Unidos da América

Lá como cá /premium

Pedro Barros Ferreira

Podiam aprender que a “verdade” absoluta que é fornecida pela CNN tem outros ângulos. Mas nada disso interessa quando já se elegeu o inimigo. E se o inimigo se presta a figuras ridículas, melhor ainda

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

10 de junho

A função social da esquerda /premium

Rui Ramos

Talvez a direita, noutros tempos, tenha tido o papel de nos lembrar que não somos todos iguais. As reacções ao discurso de João Miguel Tavares sugerem que essa função social é hoje da esquerda.

PAN

A culpa como arma final /premium

André Abrantes Amaral

Antes o pecador ia para o Inferno; agora destrói a Terra. A Igreja falava em nome de Deus; o PAN fala em nome do planeta. Onde foi buscar tal ideia é o que a democracia tem tido dificuldade em perguntar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)