Rádio Observador

25 de Abril

Não há 25 de Abril de 1974 sem 25 de Novembro de 1975 /premium

Autor
12.365

Continuarei à espera da reabilitação do 25 de Novembro de 1975 para puder assinalar verdadeiramente o 25 de Abril de 1974. É que foi Novembro que impediu que se fechasse a porta aberta em Abril.

A partir de agora não irei festejar o 25 de Abril. Não se trata de uma alteração da minha posição face a esse acontecimento histórico, nem de uma decisão definitiva, mas só voltarei a fazê-lo quando o 25 de Novembro tiver a mesma importância no calendário português.

Este ano, nesse dia, irei participar numa palestra sobre Liberdade, a realizar em Paredes de Coura, e insistirei na ideia de que a democracia, o respeito pelos direitos humanos, a opção europeia devem tanto ao 25 de Novembro de 1975 como ao 25 de Abril de 1974.

Por isso não compreendo como é que os socialistas e outras forças democráticas possam desfilar ao lado daqueles que quiseram fazer transformar Abril numa revolução burguesa que deveria ser apenas uma fase de transição para a revolução comunista. Surpreende-me quando alguns historiadores afirmam que o Partido Comunista Português não tencionava tomar o poder no Verão de 1975. Um partido revolucionário serve para quê? Exactamente para tomar o poder. Isso está escrito nas obras dos clássicos do marxismo-leninismo em todas as suas variantes: trotskismo, estalinismo, maoísmo, etc.

Não entendo como é que capitães de Abril que travaram a derrapagem totalitária em 25 de Novembro possam caminhar ao lado daqueles que preparavam tribunais revolucionários para os julgar ou simplesmente já os tinham incluído nas listas dos “contra-revolucionários a neutralizar”.

Que crime cometeram os militares e políticos que organizaram o 25 de Novembro de 1975 para terem vergonha de festejarem essa data como assinalam o 25 de Abril? Evitaram que a sociedade portuguesa, que acabava de se ver livre do jugo totalitário de extrema-direita, caminhasse para uma ditadura de extrema-esquerda talvez mais sanguinária.  Acham pouco?

Se acham pouco, acrescento que o 25 de Novembro permitiu a realização da opção europeia por Portugal e pelos portugueses. Podemos enumerar numerosíssimos erros cometidos nesta caminhada, podemos dizer raios e coriscos da União Europeia, mas é mentira, demagogia negar os êxitos alcançados graças a este passo dos portugueses. Quais seriam as alternativas? O afastamento da Europa democrática e a construção de um “arco-íris” que nos iria ligar ao “futuro radioso” que já brilhava no outro extremo do Velho Continente?

Considero que este “esquecimento” do 25 de Novembro de 1975 é uma das causas da ainda existência de partidos de extrema-esquerda na Assembleia da República. São eles que continuam a escrever a História de Portugal à sua maneira, que nos continuam diariamente a ensinar o que é bom e o que é mau.

Claro que isso não isenta de responsabilidades os dirigentes políticos do campo democrático, pois, além de não condenarem de uma vez por todas as ideias radicais e sanguinárias – sim!, porque há dirigentes da extrema-esquerda que ainda têm dúvidas quanto a saber se na Coreia do Norte existe ou não democracia –, pactuam com elas em jogos políticos obscuros. Além disso, o centro-esquerda e o centro-direita deixaram chegar o sistema político a tal estado de degradação que, além do populismo de extrema-esquerda, nos vemos em risco de presenciar ao aparecimento de populismos de sinal político contrário, mas que, no fundo, também não conduz a nada de bom.

A experiência europeia e mundial mostra que a falta de ideias inovadoras, de políticos capazes de as lançarem e realizarem levam os eleitores a optar por aquilo a que chamaria “voto do desespero”. A Ucrânia é o exemplo mais recente disso. Mas, antes da eleição de Volodimr Zelensky, já tivemos os casos de Trump, Bolsonaro, etc.,etc.

Não me apressando a julgar um político eleito Presidente com mais de 70% dos votos dos ucranianos, nem a rotulá-lo de “palhaço”, “marioneta dos oligarcas”, etc., concluo sem grande margem de erro que os cidadãos da Ucrânia votaram contra a corrupção, o nepotismo, a demagogia e falsas promessas de uma vida melhor. É de sublinhar que esta maioria votou não no programa de Zelinsky, porque ele ainda continua a ser desconhecido, mas no personagem principal por ele desempenhado no filme “Servo (criado) do Povo”. Até agora, o guião coincidiu com a realidade e seria muito melhor se o actor conseguisse levar a história até ao mesmo fim feliz.

O apelido Zelinsky tem a raiz na palavra “verde” e muito irá depender dos políticos que irão formar a sua equipa e o irão ajudar a amadurecer como estadista, mas a aposta do povo ucraniano é de alto risco. Se Zelinsky falhar, poderá estar em perigo o futuro da Ucrânia como Estado uno e independente. Não será difícil adivinhar o que irá acontecer depois.

Este caso deveria ser mais um sério aviso também para os políticos portugueses: não brinquem com os cidadãos, não façam deles idiotas úteis. As eleições europeias estão à porta e para as parlamentares faltam apenas alguns meses. Receio muito que venhamos a ter surpresas muito desagradáveis.

Continuarei à espera da reabilitação do 25 de Novembro de 1975 para puder assinalar verdadeiramente o 25 de Abril de 1974. Novembro impediu que se fechasse a porta aberta em Abril.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
249

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Rússia

Chega de brincar à democracia! /premium

José Milhazes
360

A polícia e os tribunais russos viram o que ninguém viu e vários manifestantes e candidatos a deputados foram acusados e serão julgados por "organização de desordens em massa", podendo ficar presos.

25 de Abril

O milagre dos cravos /premium

Helena Matos
2.006

Basta colocar um cravo ao peito para os vigaristas passarem a incompreendidos; os ditadores a democratas e os actuais ministros a oposição. Já o BE esquece as PPP com Salazar e Bolsonaro.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)