Rádio Observador

Presidente Trump

Não queriam que os EUA fossem como os outros? /premium

Autor
672

Por mais que custe a admitir, Trump é fundamentalmente o presidente de uma época em que os EUA voltaram a ser um país que faz o que os outros países fazem.

Às antigas potências da Europa ocidental, deu sempre jeito a protecção dos EUA, que as dispensou de se preocuparem com a sua própria defesa. Isso, porém, não impediu que ressentissem a “hegemonia” americana. Daí, a recorrente exigência de que os EUA se portassem como um país igual aos outros. Mas agora, que essas preces foram atendidas, parece que os europeus não gostam.

A história torna-se mais complexa quando inclui a ambivalência americana sobre a sua missão no mundo. Os EUA emergiram como primeira potência, não no fim da Segunda Guerra Mundial, mas da primeira. Só que em 1918, escusaram-se a pagar o preço de zelar pelo planeta. Não apenas pelos custos, mas porque recearam que o policiamento internacional subvertesse o seu regime de governo limitado e administração mínima. O máximo que se propuseram fazer, nos anos 20, foi ajudar a restabelecer o comércio livre internacional. Mas quando, no fim da década,  a crise lhes bateu à porta, não tiveram dúvidas em recolher-se, cancelando créditos e protegendo-se com barreiras alfandegárias (sobre tudo isto, ver o livro de Adam Tooze, The Deluge. The Great War and the Remaking of Global Order). São conhecidas as dificuldades de Roosevelt em romper esse “isolacionismo” entre 1939 e 1941. Em 1945, porém, com os tanques soviéticos na Alemanha e enormes partidos comunistas em França e em Itália, qualquer retirada americana teria significado a entrega da Europa a Estaline. Foi preciso ficar. As elites americanas aderiram então à ideia de um destino mundial, como guardas do “mundo livre”. Para muitos críticos dessa opção internacionalista, foi apenas o começo da transformação da velha república num império. Desde 1989, sem o comunismo, houve logo quem exigisse os “dividendos da paz”. Os europeus, muito ocupados a resmungar sobre o “mundo unipolar”, não deram por isso. Mas Bill Clinton foi o último internacionalista genuíno, convencido de que os EUA podiam precipitar o “fim da história”. Em 2001, George W. Bush começou por condenar as intervenções humanitárias, e só o 11 de Setembro o desviou do “neo-isolacionismo” que todos previram. Barack Obama, porém, já pôde aproveitar a extinção da crença na universalização da democracia para cruzar os braços sempre que possível, como na Síria.

A fixação doentia em Donald Trump impede-nos de ver o que se está a passar. O primeiro agravamento dos direitos alfandegários sobre aço e alumínio é de Bush, em 2002. A tentação de apaziguar a Rússia é antiga: Bush deixou Putin invadir a Georgia em 2008, e Obama entregou-lhe o que ele quis da Ucrânia em 2014.

Não, Trump não é o começo desta história. E também não será o seu fim. Trump tem as suas excentricidades. Mas é fundamentalmente o presidente de uma época em que os EUA voltaram a ser um país como os outros: um país que propõe “negócios”, e não alianças, e que exige aquilo que desde 1945 já ninguém esperava dos EUA — “reciprocidade”. Um país, em suma, que faz o que os outros fazem. Os europeus acusam Trump de complacência para com Putin, mas eles próprios financiam a autocracia russa através da sua dependência energética. Exaltam-se porque Trump protege o aço e o alumínio, mas não se envergonham do seu próprio proteccionismo agrícola, um dos maiores obstáculos ao comércio livre no mundo.

A Europa tem razão para estar inquieta. Porque tal como o seu papel internacional afectou o regime americano, a responsabilidade pela própria defesa afectará os regimes europeus. Durante décadas, os europeus puderam deixar o Estado social absorver os seus orçamentos, confiantes em que a despesa militar estava por conta dos americanos. Sem os EUA, vão ter de aprender a viver de outra maneira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
150

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)