Presidente Trump

Trumpistas precisam-se. Admissão imediata

Autor
595

É ridículo comparar Trump a Hitler. Hitler não começou por mudar políticas, mas por mudar o regime, fechar o parlamento, proibir os partidos – e nunca teve problemas com juízes.

Desculpem voltar a Trump. Mas há tanta gente desesperada por inventar um “trumpismo” português, que não é ainda possível deixar o tema. Que se pretende com a importação de Trump? Mais uma vez, trata-se de atingir a direita democrática e liberal, muito temida pelas oligarquias instaladas como eventual agente de reformas. Durante anos, teve de fazer de delegada nacional do “neo-liberalismo selvagem”. Agora, querem impor-lhe a franchising do “trumpismo”. O truque é sempre o mesmo: primeiro, arranja-se um espantalho; depois, identifica-se a direita com esse espantalho; a seguir, acusa-se a esquerda liberal de partilhar as “políticas da direita” — e o cerco está feito.

Para resolver incoerências, os caçadores de trumpistas recorrem a um raciocínio de tipo Monty Python: “Tirando a água potável, as estradas, as pontes, etc., o que é que os romanos alguma vez fizeram por nós?” Neste caso, é assim: tirando a ideia de governo limitado, os mercados livres, os compromissos internacionais, etc., em que é que a direita democrática e liberal se distingue de Trump? De facto, tirando essas coisas todas, em que é que a direita democrática e liberal se distingue da esquerda radical, ou do que quer que seja? É tudo a mesma coisa, quando anulamos, como se fossem pormenores secundários, os princípios fundamentais de uma posição política.

Faz tanto sentido atribuir Trump à direita, pela qual foi candidato, como à esquerda, da qual foi eleitor e financiador até 2008. Trump pretende transcender as divisões políticas. É a marca de água do populismo. Mas se isso faz com que seja possível arrumá-lo na classe de Le Pen, nem por isso Trump deixa de ser um fenómeno especificamente americano. Para o compreender, convém levar a sério o seu slogan “a América em primeiro lugar”. No livro Great again, agora traduzido (Editorial Presença), Trump exibe a cada página a sua paixão pela tradição democrática dos EUA. O que mais o diferencia de outros presidentes é que ele imagina a democracia americana como se pudesse e devesse existir separada do resto do mundo. Pouco lhe interessa que os outros países sejam ou não livres, sejam ou não prósperos. De facto, os EUA já foram como Trump parece sonhar, aliás sob a direcção do Partido Democrata: uma combinação de governo intervencionista, proteccionismo alfandegário, e fronteiras fechadas. Mas a década de 1930 não foi a melhor época dos EUA, nem do mundo.

Posto isto, evitemos a histeria anti-trumpista, feita em grande parte de mentiras, como até o Guardian reconhecia ontem. O governo de Trump está a reverter políticas, não está a liquidar instituições. É um processo sujeito a todos os freios e contrapesos do regime americano, como se viu nas restrições à imigração. É por isso ridículo comparar Trump a Hitler. Hitler não começou por mudar políticas. Começou por mudar o regime, fechar o parlamento, proibir os partidos, sujeitar o país às suas milícias armadas – e nunca teve problemas com juízes. Podemos criticar as políticas de Trump, e o seu estilo e carácter. Mas Trump não é Hitler, e portanto dispensemos histerias de guerra total.

O mundo não está dividido entre Trump e os seus inimigos. Esse é o último argumento dos caçadores de trumpistas: estaríamos a aproximar-nos de um confronto final, em que só se poderia estar de um lado ou do outro. É uma maneira de pensar apocalíptica, típica daqueles para quem o pluralismo político tem de ser ultrapassado através de uma última grande batalha, em que o bem aniquilará o mal. Os democratas liberais — não só à direita, mas à esquerda – precisam de resistir a este delírio de guerra civil, a esta militarização do pensamento, a esta anulação da complexidade, em que seríamos obrigados a tomar, não as posições que correspondem aos nossos valores, mas os postos de combate de uma fantasia niilista.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Porque é que Rui Rio ganhou e vai perder /premium

Rui Ramos
307

Porque é que Rui Rio vai perder? Por este pormenor: a manobra de António Costa resultou de uma bipolarização do debate político, notória desde a Guerra do Iraque (2003) e a Grande Recessão (2008).

Rui Rio

A crise do PSD é a crise de todo o regime /premium

Rui Ramos
263

Rio não se distingue dos seus rivais no PSD por quaisquer ideias, mas por uma estratégia – ou melhor, por uma manha. Esta é clara: hostilização àquilo que ele trata como “direita”, e aproximação ao PS

PSD

O nome do vazio /premium

Rui Ramos
414

Se houver mesmo um desafio a Rio, não é para o poupar a derrotas, mas para mudar uma estratégia que pode comprometer o PSD como grande partido. Rio é hoje apenas o nome do vazio que ele próprio criou.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)