António Costa

O lápis azul de um Governo que se esgotou /premium

Autor
302

É deveras estranho que um partido que está confortavelmente no poder, a oito meses de umas eleições legislativas que deverá ganhar de forma folgada, não seja capaz de ousar e de surpreender.

1. Lentamente, mas de forma segura, o PS António Costa vai aumentando a sua influência sobre o aparelho do Estado e sobre a sociedade civil. Com o Presidente Marcelo concentradíssimo nas suas taxas de popularidade, os socialistas vão atacando tudo o que mexe que não seja do seu agrado. Ora atacando a independência das entidades reguladoras, ora controlando órgãos incómodos como o Conselho de Finanças Públicas, ou preparando a nomeação de um fiel compagnon de route ou até mesmo de uma camarada do PS para o Banco de Portugal.

Uma boa prova dessa atração por um regresso ao passado do tenebroso consulado José Sócrates é o veto que o Governo fez à presença de Álvaro Santos Pereira em Portugal para apresentar, enquanto diretor da OCDE responsável por essa área, o relatório sobre a economia nacional.

Esse veto é, aliás, uma típica manobra socrática:

  • Pela intolerância. Vetar alguém, e logo um português que é titular de um alto cargo internacional, só porque não é da cor política do Governo e porque fala de temas incómodos como a corrupção, revela intolerância.
  • Pelo autoritarismo. É uma espécie de quero, posso e mando de António Costa. Já que o tema da corrupção foi escolhido pela OCDE ao arrepio da vontade do Governo, há esta manifestação de força para que sirva de exemplo para o futuro.
  • Pela censura. Se Sócrates tinha um especial gosto em controlar a comunicação social, escolhendo direções editoriais, financiando administrações de jornais e interferindo ativamente nas respetivas linhas editoriais, António Costa começa pelos relatórios das instituições internacionais. É um caminho que, no futuro, poderá ter intersecções com aquele que foi feito por José Sócrates.

É caso para perguntar: se fazem isto em minoria e em aliança com a extrema-esquerda, o que fariam com maioria absoluta — ou em aliança com Rui Rio?

2. É difícil imaginar um erro tão crasso deste Governo como esta manobra de censura do relatório da OCDE sobre o tema da corrupção. Compreende-se que o PS não queira ouvir falar do assunto mas pressionar publicamente a OCDE, como o ministro Santos Silva fez no início de janeiro ou como o seu colega Pedro Siza Vieira repetiu mais recentemente, prejudica politicamente o Governo. Sem que nenhum partido político possa dizer que está imune ao fenómeno da corrupção, o PS é, porventura, o partido que tem mais a perder com a entrada do tema da corrupção na agenda da Opinião Pública Quanto mais se falar de corrupção, mais se falará de José Sócrates e de Armando Vara, logo mais se falará dos Governos do PS.

Certo é que os socialistas não podem fazer de conta que a acusação devastadora de corrupção feita ao ex-primeiro-ministro do seu partido não existe, que o encarceramento de um ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos e ex-ministro do PS não se verificou, que os buracos na Caixa se devem única e exclusivamente à incompetência dos gestores ou que a prisão do ex-ministro Isaltino Morais (PSD) por fraude fiscal qualificada e a prisão iminente de um ex-líder parlamentar do PSD (Duarte Lima) sejam matérias de uma série brasileira de ficção da Netflix. Ou como se os imensos casos de investigações a titulares de cargos políticos nos últimos fosse uma teoria da conspiração saída da cabeça do ‘vice-primeiro-ministro’ Rui Rio.

Realmente, o ministro Pedro Siza Vieira tem razão: é chato quando comparam Portugal com o Iraque e a Nigéria. Mesmo que isso nunca tenha sido escrito no relatório da OCDE, vale a pena enfatizar a criatividade literária (ramo ficção de cordel) de Siza Vieira para percebemos como este Governo funciona em termos de comunicação: com recurso frequente à omissão e ao engano, constrói uma espécie de realidade paralela.

3. Se a censura ao relatório da OCDE se concretizou sem surpresas, o mesmo aconteceu com a remodelação anunciada este domingo. Trata-se de uma remodelação que revela bem como o Governo está esgotado. Além de escolher jovens turcos que lhe devem o poder político que têm (Pedro Nuno Santos e Duarte Cordeiro) e técnicos que conhece da Câmara de Lisboa (Nelson de Souza), o primeiro-ministro tem também bastante atenção à família Vieira da Silva, tal como já tinha tido ao casal Ana Paula Vitorino e Eduardo Cabrita.

É deveras estranho que um partido que está confortavelmente no poder, a oito meses de umas eleições legislativas que deverá ganhar de forma folgada, não seja capaz de se reinventar, de ousar e de surpreender. Pior: que não tenha uma base de recrutamento que vá além do aparelho partidário e do círculo social do seu líder.

Este é mais um indício que vêm aí tempos difíceis. Com a economia a desacelerar claramente, como poderá António Costa ter capacidade para enfrentar tempos económicos mais difíceis quando perdeu quatro anos a distribuir rendimentos sem mudar nada de estrutural no país? Quantos anos vamos perder até vermos o óbvio sobre este Governo?

Uma última palavra para o Conselho de Família em que se transformaram as reuniões do Conselho de Ministros. É claro que, com o PS no poder, nada disto é problemático para a maioria dos analistas políticos. É que a incapacidade de contratar fora do aparelho partidário ou do círculo pessoal só se verifica, obviamente, com os incompetentes da Direita. Já o nepotismo não é uma questão de incompetência — é mesmo uma condição natural da Direita à qual a Esquerda é imune por obra do Espírito Santo.

Escrevia eu há umas semanas que a falta de pluralismo é um dos grandes problemas sociedade portuguesa — e é. Mas tenho de acrescentar os double standards (vulgo dois pesos e duas medidas) sobre as exigências divergentes que se fazem à esquerda e à direita. Imagine-se, por exemplo, que Bagão Félix (ministro da Segurança Social como Viera da Silva) ‘levava’ a sua filha para o Governo de Durão Barroso — ou que Teresa Leal Coelho era nomeada por Passos Coelho como ministra do seu Governo, ao mesmo tempo que o seu marido Francisco Menezes era ministro dos Negócios Estrangeiros? O que não diriam os bem pensantes da esquerda nacional?

Algo que me diz que “nepotismo” era capaz de ser a acusação mais suave.

Texto alterado às 10h09m

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: lrosa@observador.pt
Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
1.060

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Demografia

Envelhecimento e crescimento económico /premium

Manuel Villaverde Cabral

Nada é mais importante para países como Portugal do que o imparável envelhecimento da população e as suas consequências a todos os níveis da sociedade, da saúde ao potencial de crescimento económico.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)