Rádio Observador

Serviço Nacional de Saúde

Ó minha senhora, vá parir para outra freguesia! /premium

Autor
2.105

Passará a ser proibido ter relações sexuais com intuito de procriação entre os dias 21 de Setembro e 21 de Dezembro. Assim garante-se que as férias dos profissionais das maternidades não maçam ninguém

Será provavelmente a frase mais ouvida neste verão por todo o país. E embora soe a remoque é na verdade um óptimo conselho: “É melhor ir dar à luz para outro lado que a maternidade aqui está fechada para férias”. Com a expectável balbúrdia que o fecho rotativo das maternidades irá causar nestes meses, creio que se impunha a criação de maternidades de serviço, à semelhança do que já acontece com as farmácias de serviço. Assim que rebentassem as águas a grávida via na internet que maternidade estava de serviço; chegada ao local a parturiente escarranchava-se contra a montra, o obstetra abria aquela portinhola que costuma haver na vitrina para atender fora de horas e efectuava o parto através do postigo. Resolvido o assunto o doutor devolvia a criança à mãe pelo mesmo guichê e recolhiam todos aos seus lares.

Enquanto não é implementada esta solução vai andar para aí tudo o que é grávida a meter para dentro até os centros hospitalares reabrirem em condições. Problema que, de futuro, se resolverá facilmente. Basta que, no âmbito da disciplina de educação sexual, se comece desde já a ensinar à petizada que, além de deverem ter cautela com as doenças sexualmente transmissíveis, é proibido por lei manter relações sexuais com intuito de procriação entre os dias 21 de Setembro e 21 de Dezembro de cada ano. E pronto, daqui em diante garante-se que as férias dos profissionais das maternidades não maçam ninguém. Além de ficar aberta a porta para, caso os médicos, enfermeiros e governo queiram dar uma prova de civismo, se agendar com a devida antecedência as greves do sector acrescentando os dias nove meses anteriores a esses às datas supracitadas.

Ainda assim, nem tudo são más notícias para as exasperadas grávidas estivais. Vejam o copo meio cheio, minhas senhoras – se ainda não o arremessaram a quem insiste em fazer piadas sobre este tema. O lado bom de vivermos num país tão pobrezinho onde nem parir se consegue é que ninguém quer vir para cá. Já sabíamos que era o que acontecia, por exemplo, com os refugiados de guerra sírios, mas agora ficámos a saber que é também o que sucede com o aquecimento global. Portugal nem o aquecimento global consegue atrair! Tanto assim é que por estes dias vai estar um braseiro por essa Europa fora enquanto por cá está bem fresquinho. Que grávida negará que este frescor é uma verdadeira benção?

Além de que não há pressa nenhuma em nascer. É que se antigamente os miúdos iam a pé para o registo, hoje, com o tempo que demora a tirar o Cartão do Cidadão, os miúdos vão no “ovinho” mas saem já a pé do registo. A Secretária de Estado da Justiça, Anabela Pedroso, justifica os atrasos no atendimento para tratar do Cartão do Cidadão com o facto dos utentes irem, “sistematicamente”, para a porta dos serviços “antes da abertura do atendimento ao público”. Realmente, onde já se viu? Ir mesmo para a porta da repartição onde se pretende resolver o assunto, ainda por cima a tempo e horas para garantir ser atendido? É má vontade da parte do cidadão. É muito provável que o cidadão se tenha fartado de ouvir que tem por hábito guardar tudo para o último dia e agora, acintosamente, queira tratar de tudo à primeira hora.

Ainda de acordo com a referida governante, estes atrasos no atendimento são um “fenómeno próprio e específico da procura”. O que é curioso é que esta reacção da Secretária de Estado é também ela um fenómeno próprio e específico da procura. Mas neste caso da procura de desculpas esfarrapadas para justificar um serviço péssimo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Cavaco não tem saco para falar do saco /premium

Tiago Dores

Cavaco sempre foi um homem das contas. Menos das contas relativas ao financiamento da sua campanha para as Eleições Presidenciais de 2011. Dessas não fazia ideia rigorosamente nenhuma, como é óbvio.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)