Rádio Observador

Greve

O mundo que António Costa criou /premium

Autor
1.596

Desde 2015 que este governo trata os funcionários como o factor decisivo das vitórias eleitorais. As greves são a maneira de os funcionários obrigarem Costa a pagar mais pelos seus votos.

Ao ano já só restam 20 dias, mas parece que são suficientes para encaixar as 47 greves de que os sindicatos da função pública deram aviso. Não haverá um único dia sem paralisações na administração e em empresas públicas: hospitais, prisões, tribunais, câmaras municipais, bombeiros, escolas, etc. É a segunda discussão do Orçamento de Estado: depois dos debates parlamentares, temos agora a “luta”, como gosta de dizer o PCP, grande maestro deste sindicalismo de Estado. No parlamento, segundo o governo, os deputados, se tivessem conseguido aprovar todas as suas propostas, teriam agravado a despesa em 1,9 mil milhões de euros. De que aumento será agora capaz o funcionalismo, utilizando os utentes dos serviços públicos como reféns? Por enquanto, já garantiu o acrescento do seu salário mínimo: para os outros trabalhadores é 580 euros (600 no ano que vem); para os funcionários, 635. Talvez tudo isto espante o cidadão mais desprevenido: como é que, ao fim de três anos de “reposições”, é precisamente a classe mais mimada pela maioria governamental quem mais protesta, mais exige – e mais continua a receber?

Segundo o ministro do Trabalho, tudo se deve às “expectativas de melhorias”. Este é o mundo que António Costa e os seus parceiros parlamentares, PCP e BE, criaram. Durante anos, ensinaram que o rendimento de cada grupo não depende da sua produtividade, mas da sua capacidade de pressão sobre o poder político. Porque é que foram cortados os salários e as pensões mais elevadas entre 2011 e 2015? Porque o país, falido, precisava de diminuir défices e provar a sua credibilidade? Nada disso: simplesmente, porque um governo assim o quis. E depois de 2015, por que razão foram feitas “reposições”? Porque o ajustamento e a conjuntura permitiram que, desde 2013, a economia crescesse e o país voltasse a financiar-se nos mercados? Nada disso: simplesmente, porque um governo assim o quis. O poder político é a chave de tudo: o grevista quer, o poder cede, e é Natal outra vez.

As greves são, portanto, o mecanismo normal para obter “melhorias” no mundo da geringonça. Um mundo onde o sector público é sagrado, e o privado é somente tolerado. Um mundo onde a criação de riqueza é punida através de impostos, e a “luta” é premiada através da despesa pública. E um mundo onde, naturalmente, sobressaem os funcionários e os empregados das empresas públicas. Nenhuma outra classe tem tanta força, a partir de hospitais, escolas ou empresas de transportes, para infligir incómodo e sofrimento. Quem mais, por exemplo, poderia ameaçar o país com mortes, como no caso da greve dos enfermeiros? E também nenhuma outra classe tem tanta consciência da sua influência, não apenas porque muitos políticos são originários do funcionalismo, mas porque a oligarquia nunca se cansa de lembrar que os funcionários são, em Portugal, o factor decisivo das vitórias eleitorais. Foi aliás como tal que, desde 2015, este governo tratou o funcionalismo. Estamos a seis meses de eleições europeias e a um ano de legislativas. Como esperar que a classe desperdiçasse esta oportunidade para aumentar a sua fatia do bolo (25% da despesa, até ver)? As greves são a maneira de os funcionários obrigarem António Costa a pagar mais pelos seus votos.

Não vale a pena insistir na insensibilidade social ou no egoísmo corporativo. Nada mudará com apelos ao bom senso ou aos bons sentimentos, mas unicamente quando se alterarem as condições que permitem o que os jornalistas chamam, curiosamente, “contestação”. No fundo, são os juros do BCE e o efeito de arrasto da economia europeia, ao disfarçarem o crescimento da dívida pública e o peso da carga fiscal, a verdadeira causa das greves. O mundo que António Costa criou não depende de nós, e esse é o seu principal problema: tal como a estátua de ferro no sonho do profeta, tem os pés de barro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

A racialização da política é isto /premium

Rui Ramos
128

As democracias têm de tratar todos os cidadãos como iguais, com os mesmos direitos e obrigações, e ajudar os mais pobres e menos qualificados, sem fazer depender isso de "origens" ou "cores".

Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Política

Portugal: um país anestesiado

José Pinto

A um país anestesiado basta acenar com o Simplex, versão revisitada. Ninguém vai questionar. A anestesia é de efeito prolongado. O problema é se o país entra em coma.

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)