Nas imagens que nos chegam hoje de Beirute ecoa também a guerra civil que assolou a país durante 15 anos. Durante os anos oitenta a maior parte de Beirute era uma ruína, resultado da guerra entre os grupos étnicos e religiosos. A guerra acabou em 1990 através do acordo de Taif, que manteve a divisão de cargos políticos entre membros das comunidades religiosas e étnicas libaneses. A precária convivência no Líbano é gerida pelos representantes dos diferentes grupos, uma elite cuja insulação da competição política resulta num sistema corrupto e ineficiente. A profunda crise económica provocada pela pandemia pôs a nu esta realidade, que nos últimos meses é desafiada por uma mobilização civil que põe em causa a precária estabilidade do país.

O nacionalismo sectário – onde etnia e religião se fundem e reforçam – está cada vez mais na moda. De Erdogan, na Turquia, e Modi, na Índia, passando pela Polónia e acabando em Bolsonaro, no Brasil, os exemplos multiplicam-se para mostrar que o século XXI não é apenas o do regresso do nacionalismo à política mundial, mas que este nacionalismo já não é secularista, mas, antes, se alimenta da identidade religiosa – Islâmica, Cristã ou Hindu – para justificar a autocratização destes países.

O anúncio do presidente turco Recep Tayyip Erdogan, em finais de julho, de que a Hagia Sofia em Istambul – a antiga igreja, depois mesquita e depois museu – seria transformada novamente em mesquita, é o símbolo perfeito desta tendência mundial. A condenação internacional que este anúncio provocou, longe de incómodo, é bem-vindo por Erdogan. Tal como outros líderes nacionalistas, ele fortalece-se através do constante conflito com inimigos domésticos e estrangeiros. Erdogan apresentou a reconversão da Hagia Sofia não apenas como um ato de piedade ou retificação de uma injustiça histórica, mas como a defesa da soberania turca. Para Erdogan, o nacionalismo islâmico serve, sobretudo, a sua intenção de se estabelecer como líder incontestado, não só da Turquia como da região.

Também Naarendra Modi inaugura com grande fanfarra, nesta quarta feira, a construção do templo Hindu em Ayodhya, um lugar marcado pela luta sectária entre Muçulmanos e Hindus desde a fundação do Estado indiano. Tal como Erdogan tenta substituir a base secularista da República turca de 1923 por uma identidade islâmica, Modi foi eleito em 2014 com a tarefa de criar uma nova nação unificada baseada no Hinduísmo. A democracia indiana, moldada pelo Partido do Congresso desde 1948, tentou criar uma Índia multi-étnica e multi-religiosa. Modi vem denunciar o falhanço deste modelo e afirmar a necessidade de criar uma nação homogénea e um Estado forte, necessários para tornar a Índia numa potência regional, capaz de resistir à ascensão da China.

Em plena crise económica criada pela pandemia, ambos os líderes continuam as suas estratégias de mobilização do Islão e do Hinduísmo para reafirmar o seu poder. A visão das ruas destruídas de Beirute deveria relembrar-lhes que o nacionalismo sectário é fonte de instabilidade e de guerra.

Madalena Meyer Resende (no twitter: @ResendeMeyer) é um dos comentadores residentes do Café Europa na Rádio Observador, juntamente com Henrique Burnay, João Diogo Barbosa e Bruno Cardoso Reis. O programa vai para o ar todas as segundas-feiras às 14h00 e às 22h00. 

As opiniões aqui expressas apenas vinculam o seu autor.

Pode ouvir o último Café Europa aqui