Da conferência de imprensa conjunta entre o novo ministro das finanças grego, Yanis Varoufakis, e o presidente do eurogrupo Jeroen Disjsselbloem, retive uma imagem extraordinária:

Quando Varoufakis termina a sua intervenção e com um gesto de mão passa a palavra a Disjsselboem, este pede um momento para acabar de escutar a interpretação. Nessa exacta altura, o sorriso polido e protocolar de Varoufakis transforma-se em algo completamente diferente. Proponho aos leitores que revisitem esse momento aqui. O ministro grego faz um gesto largo – como quem diz “ah, ele ainda não ouviu tudo” -, sorri de modo enigmático, entre o divertido e o traquinas (perdoem-me a expressão) e morde o dedo anelar da mão direita. Acto contínuo Disjsselbloem levanta-se, dando a conferência por terminada; Varoufakis imita-o e enfia a mão esquerda no bolso, seguindo-se uma breve troca de palavras enquanto os dois concluem um aperto de mãos “en passant”, espécie de serviços mínimos de cumprimento de despedida.

A imprensa internacional referiu abundantemente o que foi dito: afirmou Varoufakis que o país não vai continuar a negociar com a “troika”, apenas o fazendo com as instituições europeias. No momento da espécie de cumprimento, de acordo com várias interpretações, Disksselbloem terá sussurrado a Varoufakis “you just killed the troika” – “você acabou de matar a troika”- , ao que Varoufakis retorquiu com um “wow!”.

Foi um extraordinário momento de colisão entre a “realpolitik” e a realidade, no olho do furacão de uma situação paradoxal e perigosa. Mas o que verdadeiramente me leva a voltar a escrever sobre a Grécia (tanto dito, há agora que aguardar com paciência o que os próximos dias trarão), é o fascinante sorriso de Varoufakis. Olhem para ele com atenção, caros leitores. O que estaria a pensar o ilustre Professor de Economia, marxista assumido, naquele momento giocondico da conferência de imprensa?

Seria “desenrasca-te lá desta” ou “tramei-te, nem sabes o que dizer”, ou então “ah, queres ganhar tempo para pensar, pois pensa”; ou ainda “julgam que são mais espertos do que os gregos, ninguém é mais esperto do que os gregos”. Ou nem sequer terá pensado nada disso, limitando-se a aguardar sem estados de alma a reacção daquele que acabava de surpreender com uma frase inesperada. E é importante esta hipótese, sabendo-se que os dois homens vinham de uma reunião de duas horas onde, aparentemente, houve um bom entendimento e uma conversa frutuosa (nas palavras do holandês, é verdade); mas se Varoufakis tivesse dito ao interlocutor o que disse na conferência de imprensa, não teria havido razões para surpresa, nem o gozo mal contido por parte do grego.

O que permite concluir que não terá dito nada e guardado “a bomba” para a parte final da conferência pública. Do que decorre a ideia (simples e profundamente complexa nas suas consequências) de premeditação – e de uma estratégia de provocação baseada na convicção de que a Europa (e os restantes credores) acabarão por ceder. O novo governo grego parece acreditar que a União Europeia continua a não querer arriscar um grexit (a saída do país do euro), no que aliás é apoiada pelos Estados Unidos (ou será o contrário?), sendo este aspecto importantíssimo.

Pode a Grécia jogar ao gato e ao rato com os credores, União Europeia e FMI? Pode, mas não tem muito tempo: Varoufakis já afirmou que o país não quer o remanescente da ajuda do programa de ajustamento, 7 mil milhões de €;  no verão será necessário um refinanciamento da dívida de 10 mil milhões necessário; e falta ainda saber como serão pagos os custos acrescidos decorrentes das medidas já anunciadas. As próximas semanas e decerto até ao final de Fevereiro, serão decisivas. Entretanto, as taxas de juro das dívidas, as agências de notação e os mercados agitam-se e sinalizam a gravidade da situação. Péssima noticia para a Grécia é o facto desses mesmos mercados já parecerem ter interiorizado a ideia de que o país é um caso singular, o único ainda sob resgate, ao contrário de Portugal, Espanha e Irlanda. Se o gato europeu se fartar, a Grécia ficará sozinha face a todos os outros predadores.

Repito-me: um boa atitude do governo grego talvez permitisse encontrar uma solução, até a ideia da conferência europeia da dívida começava a ser encarada com benevolência. O sorriso de Gioconda de Varoufakis aponta numa direcção oposta. É certo que, depois dessa atitude provocadora, já o novo primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, veio por água na fervura. Será a estratégia do polícia bom e do polícia mau? Sinceramente não sei, mas qualquer que seja… é má. Vejamos as alternativas:

 A) O governo tem um plano para uma reestruturação da dívida nos termos que interessam ao país. A atitude adoptada parece ser a pior possível para conseguir esse objectivo. B) O governo acha que vai continuar a jogar ao gato e ao rato até que, a dias de uma falência real, a União cede e faz tudo o que a Grécia pretende, reestruturando a dívida (ou aceitando a sua denúncia unilateral) e mantendo a ajuda financeira. C) O governo declara não respeitar o serviço da dívida e deixa de pagar juros. Cobre as despesas correntes com essa poupança e passa a viver na fronteira da falência soberana, abandonando o euro e provavelmente a União, à mercê dos mercados, sem qualquer recurso possível a crédito internacional. D) Ou encontra um novo financiador. Será a Rússia? Como diriam os velhos americanos, “Remember Álamo” – que neste caso é Chipre. Para além da Rússia estar sem dinheiro, alguém vê Putin a emprestar dinheiro sem garantias sólidas? Garantias que a Grécia, naturalmente, não pode dar?

Porque sorri Gioconda? Ninguém sabe e até hoje esse é um dos mais enigmáticos sorrisos de sempre. Varoufakis, grego e não italiano, do alto de uma sabedoria cujos pilares assentam em dois milénios e meio de pensamento e cultura, sorri como quem sabe, mesmo que não saiba nada, ou saiba apenas que nada é o que parece até se tornar no que inevitavelmente tem de ser. E por isso sorri, de mão no bolso.

* Professor do Instituto de Estudos Políticos da Universidade Católica Portuguesa