Rádio Observador

Extremismo

Os fascistas da saúde /premium

Autor
2.671

O Bloco e o PCP (e o PAN para lá caminha) são os fascistas da saúde em Portugal. Têm dois objectivos: terminar com a iniciativa privada na saúde, e acabar com a liberdade de escolha dos cidadãos.

Os “fascistas da saúde” é uma expressão usada pelo mais brilhante pensador conservador contemporâneo, Roger Scruton. No contexto português a expressão deve ser adaptada à realidade nacional. O Bloco de Esquerda e o PCP (e o PAN para lá caminha) são os fascistas da saúde em Portugal. Têm dois objectivos: terminar com a iniciativa privada na saúde, e acabar com a liberdade de escolha dos cidadãos portugueses. A maior mentira da democracia portuguesa é a ideia de que as extremas esquerdas são a favor da liberdade. Nunca foram, não são, nem nunca serão. Têm um projecto totalitário de controlo da sociedade portuguesa. São os verdadeiros fascistas portugueses.

Embora os objectivos continuem a ser os de sempre – domínio totalitário – a táctica mudou. Procuram usar a política de causas, que cresce desde o início do século XXI, para atingir os seus objectivos (o PAN que se cuide porque a expansão bloquista para colonizar o partido de André Silva vai intensificar-se). Dito de outro modo, o domínio totalitário não se atinge através de uma revolução, como aconteceu no século XX, mas cresce e consolida-se através das políticas de causas. A saúde é um dos principais alvos.

A estratégia totalitária começou com o ataque às parcerias público privadas na saúde. A de Braga já acabou. Ontem o governo anunciou que não vai renovar a de Vila Franca de Xira. Os próximos alvos serão Loures e Cascais. Há quem aponte, com inteira razão, que em geral as parcerias público privadas funcionam melhor que os hospitais públicos. Mas esse é precisamente o problema. A demonstração de qualidade torna ainda mais necessário acabar com as parcerias público privadas. O sucesso e a qualidade ameaçam a estratégia dos fascistas da saúde: acabar com a participação dos grupos privados na saúde. Para isso inventam-se casos como os supostos problemas do Hospital de Vila Franca de Xira e abafam-se os problemas que ocorrem diariamente nos hospitais públicos.

O governo socialista aceita a estratégia das extremas esquerdas e ataca os poucos hospitais onde ainda há investimento. Quanto aos hospitais públicos, continuam a sofrer de falta de investimento. Este governo reforma destruindo, e destrói desinvestindo.

Os ataques às parcerias público privadas são apenas o primeiro passo da estratégia fascista. A seguir, o BE e o PCP atacarão a saúde privada. Se pudessem – e não sabemos se um dia não podem mesmo – acabavam com todo o investimento privado na saúde, destruindo os grupos de saúde. O Grupo José de Mello Saúde, o Grupo Hospitais da Luz, o Grupo Lusíadas e o Grupo Hospitais de Trofa que se cuidem. Eles são os alvos da ofensiva totalitária na saúde.

As vozes moderadas e sociais-democratas do PS devem travar esta ofensiva radical dos seus camaradas de geringonça. O SNS existe para servir os portugueses e não os objectivos ideológicos das extremas esquerdas. Os ataques ao investimento privado significam uma ameaça à saúde dos portugueses. A maioria dos portugueses quer bons cuidados de saúde. Não quer um poder totalitário que acabe com a sua liberdade de escolha.

O fascismo da saúde não se limita ao ataque ao investimento privado. Também se manifesta no modo como as esquerdas totalitárias querem controlar os hábitos das pessoas, desde a alimentação até actividades como a caça e as touradas. Repetem-se as declarações sobre a necessidade de controlar os hábitos alimentares com o argumento de que o tratamento das doenças custa dinheiro ao Estado. Mas não são só declarações. Cada vez há mais iniciativas legislativas a proibirem certos ingredientes. Veja-se o exemplo da carne da vaca. Juntam-se a defesa dos animais, a condenação da carne vermelha e até a afirmação de que a produção bovina prejudica o clima. Ou seja, estamos a assistir à utilização de políticas públicas para limitar a escolha e a liberdade individuais.

Vivemos numa sociedade onde há grupos que defendem a vida dos animais, mas aceitam a eutanásia. Defendem o uso das drogas leves, mas condenam o consumo da carne de vaca. Deste modo, vão gradualmente impondo um modo de vida a todos nós. Durante as eleições europeias falou-se muito das democracias iliberais e como o poder das maiorias pode ameaçar a democracia. Mas os perigos para a democracia não se limitam às ameaças ao estado de direito ou à liberdade de imprensa. Os ataques ao investimento privado e à liberdade de escolha individual também ameaçam a democracia liberal.

Em Portugal o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista são as grandes ameaças à democracia e à liberdade. A nossa imprensa indigna-se, e bem, com Orban e com Le Pen. Mas ignora as ameaças lideradas por Jerónimo Martins e Catarina Martins (na verdade Francisco Louçã). São os nossos fascistas, os nossos Orbans e as nossas Le Pens. Começaram na saúde mas, se puderem, será apenas o início.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

Liberdade para bons vs liberdade para os maus

Vicente Ferreira da Silva
159

Nazistas, fascistas, marxistas e trotskistas acontece serem todos inimigos da liberdade e da democracia. Hitler e Mussolini tinham mais em comum com Marx e Trotsky do que com qualquer pensador liberal

Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)