1 Lê-se e não se acredita: «presidente da IL estava desde janeiro à espera de um contacto de Rui Rio para falar de Lisboa, mas o contacto nunca aconteceu.»

Note-se que no mesmo período em que Rui Rio não teve disponibilidade para contactar os liberais de modo a formalizar junto deles o interesse do PSD no apoio da IL à candidatura de Carlos Moedas, desbaratou disponibilidade no apoio às mais destravadas propostas. Por exemplo, a 8 de Janeiro vimo-lo a declarar-se “disponível para adiar eleições” presidenciais; em meados de Fevereiro andou em palpos de aranha porque viu o PS mostrar-se disponível para alterar a legislação sobre as candidaturas independentes que com toda a disponibilidade PS e PSD tinham alterado em 2020. E agora, no início de Março, quando o PS foi confrontado com o chumbo por parte das autarquias à localização do novo aeroporto no Montijo, logo Rui Rio se veio mostrar disponível para “ajudar Governo a retirar poder de veto dos municípios ao aeroporto”. Não passa uma semana sem que Rui Rio se mostre disponível a ajudar o PS a ser menos ou mais qualquer coisa que só ele, Rio, vislumbra.

Estávamos já habituados a este modo único no mundo de fazer oposição por parte do líder do PSD, quando o lançamento da candidatura de Carlos Moedas veio mostrar que o caso Rui Rio pode ser bem pior. Depois de ter precipitado o anúncio da candidatura de Carlos Moedas em Lisboa, Rio logo a seguir lhe falhou no essencial, ou seja nas negociações com a IL. Com a candidatura há menos de uma semana no terreno, já é claro que ou Carlos Moedas se desembaraça de Rio ou se arrisca a que este se torne no maior problema da sua candidatura. (No meio de tanta petição por qualquer coisa e o seu contrário, creio que terá o maior cabimento fazer-se uma petição a pedir encarecidamente ao líder do PSD que visite a Venezuela. Talvez venha de lá esclarecido sobre as consequências da auto-destruição da oposição mas conhecendo-o é de temer que se convença precisamente do contrário.)

2 Diz o PÚBLICO que o PCP anda há cem anos “Em busca de uma sociedade que nunca existiu”. Mente o PÚBLICO: essa sociedade existiu, existe e caracterizou-se invariavelmente por milhões de vítimas, fomes, genocídio, torturas, campos de concentração… Do Afeganistão ao Vietnam não houve praticamente uma letra do alfabeto que não identificasse um país onde foi implantado o comunismo. E que por isso mesmo e como tal foi elogiado pelo PCP. O mesmo partido que o PÚBLICO diz andar há cem anos “Em busca de uma sociedade que nunca existiu”.
Porquê este rasurar da prática comunista? Porquê este negar da evidência? Porque esta dissociação entre o ideal comunista e a realidade dos regimes comunistas é essencial ao proselitismo que tudo cerca, das universidades às redacções. Os comunistas não são nem nunca foram viajantes românticos em busca duma sociedade perfeita. São gente que sabe o que quer e que não quis nem quer saber o que se fez  em nome dos seus ideais.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

3 Foi bonito ver Catarina Martins e Jerónimo de Sousa saindo pressurosamente do seu torpor para virem defender o Governo via ataques a Cavaco Silva após o antigo PR ter declarado que A democracia em Portugal está amordaçada… É em momentos como estes que se vê como os “queridos comunistas” são hoje indispensáveis à governação socialista, mesmo quando esta lhes dispensa os votos. Afinal, enquanto garantem a paz social ao PS, os comunistas do PCP e do BE reservam os slogans e as fúrias para aqueles que põem em causa o poder do PS. Ou que, como é o caso de Cavaco Silva, mantêm uma reserva de autoridade moral que lhes permite dizer o que pensam. Enquanto ouve as declarações de Catarina Martins e Jerónimo de Sousa sobre Cavaco Silva, António Costa não deixará de concluir que a compra do silêncio desta gente foi o seu melhor investimento.

PS. Entre anúncios, novas estratégias, desmentidos e reconfirmações perde-se o norte ao plano de vacinação e testagem à Covid 19. Fomos agora informados que Equipas móveis vão percorrer o país para testarem todas as escolas públicas.  Apenas as escolas públicas? Recordo que a 19 de Janeiro foi anunciado que a testagem ia começar nas escolas secundárias públicas e privadas dos concelhos de risco extremamente elevado.  A 26 de Fevereiro os testes de rastreio foram  alargados a todas as escolas do continente, independentemente do nível de ensino. Agora em Março as escolas privadas desapareceram dos comunicados. Aguardam-se explicações.