Homossexualidade

Ser homossexual é uma escolha?

Autor
318

Entender o ponto de vista dos homossexuais é importante, pois os especialistas convergem em que as pessoas não escolhem sentir-se atraídas por ninguém, acontece simplesmente sentirem essa atracção.

O tiroteio de Orlando e todos os ataques homofóbicos divulgados pelos media ou perpetrados no anonimato de escolas e ruas, bairros e organizações, através de actos sádicos e cobardes de bullying, obrigam a pôr em perspectiva muita coisa e a clarificar equívocos que permanecem sobre a atracção e o amor entre pessoas do mesmo sexo.

Aceitamos mais facilmente comportamentos intoleráveis de pessoas heterossexuais, do que a homossexualidade dos homossexuais.

Um tipo pode ser um tarado do pior, ou um grande perverso, mas se é heterossexual a coisa pode passar mais despercebida. Sabemos da existência de muitos heterossexuais ditos normais, alguns até casados e pais de família, que revelam taras clínicas e comportamentos patológicos brutalmente castigadores no campo sexual. Ou seja, ofendem toda a moral, afectando gravemente as pessoas com quem se relacionam, mas se tiverem uma vida aparentemente normal não chegam a ser rotulados.

Já com os homossexuais o caso muda de figura e podem até ser pacatos cidadãos e viver relações estáveis, que não escapam ao estigma, às piadas mais ou menos assassinas, à condenação geral. Muitos ainda são discriminados, e embora todos saibamos que muitos também já não são vítimas de qualquer tipo de discriminação (e alguns até já beneficiam de discriminação positiva por via de lobbies influentes e poderosos), vale a pena olhar para aquilo que nos faz condenar alguém só por ser homossexual.

A homossexualidade não é um tema moderno e é impossível ignorar o conflito interior vivido pela esmagadora maioria de homossexuais quando descobrem em si a autenticidade destes sentimentos. No momento, ou no tempo em que cada um descobre que sente atracção por pessoas do mesmo sexo, o que prevalece inicialmente são os sentimentos de culpa, a perplexidade, a dúvida, a negação, o medo e até uma certa confusão. Tudo isto se pode eternizar durante anos, e até décadas, pois este tempo de conflito interior também depende muito da idade da descoberta, do tipo de família, dos amigos e do enquadramento social de cada um.

Existem muitos livros publicados sobre estas matérias, cheios de testemunhos pessoais, mas também com enunciados científicos. Isto, claro, para não falar dos tratados morais e outros que tais. Hoje interessa-me mais a dúvida, mais as perguntas, do que as respostas. Continuo na linha interrogativa de Halík, sobre a qual escrevi a crónica anterior, portanto.

Olhar para toda esta questão do ponto de vista dos homossexuais é importante. Ajuda a compreender muita coisa, pois todos os especialistas convergem no mesmo ponto de partida: as pessoas não escolhem sentir-se atraídas por ninguém, acontece simplesmente sentirem essa atracção. E isto serve, naturalmente para hetero e homossexuais.

Muitos homossexuais são confrontados com a pergunta: ser homossexual é uma escolha? Alguns deles confessam ser uma dúvida intolerável, que os choca, pois revela sempre ignorância sobre esta realidade.

Acontece que a ignorância é geral, pois as sondagens que continuam a ser publicadas por revistas tão insuspeitas como a Newsweek, para dar apenas um exemplo mais universal, revelam elevadas percentagens da população mundial que acreditam que sim, que é uma opção. E mais, acreditam que é curável através de terapias, da força de vontade e, para os mais crentes, através da força da oração.

Não sou quem possa vir para aqui dizer se é tratável ou não. Não faço a menor ideia do que sente alguém que experimenta a realidade da atracção por pessoas do mesmo sexo, mas tenho amigos e conhecidos que atravessam essa mesma realidade e custa-me a crer que seja curável. Até porque alguns deles tentaram ‘curar’ e viver uma vida ‘normal’ cavando ainda mais fundos os abismos interiores provocados pelos seus dilemas existenciais e amorosos.

Interesso-me pelo tema precisamente por estarmos todos muito próximos de pessoas de todas as idades e gerações que sofrem por serem homossexuais. Sofrem e muito. E é a pensar nestas pessoas que leio, converso, debato e escrevo sobre a questão. E, por isso, deixo aqui fragmentos de diálogos publicados em livros como Is It A Choice?, de Eric Marcus , e de Free Your Mind, de Ellen Bass e Kate Kaufman, ambos editados pela Harper Collins ().

À pergunta “Porque é que há cada vez mais homossexuais?”, Marcus responde o que todos sabemos, mas nem sempre recordamos: “Sempre existiram homossexuais, mas muitos foram obrigados a disfarçar e a mentir durante a vida inteira. A grande diferença, hoje, é que muitos podem viver uma vida mais normal e contar com a compreensão da família, dos amigos e da comunidade”.

Parece evidente e soa a verdade de La Palisse, mas o sofrimento de muitos homossexuais começa e acentua-se justamente na família, nos amigos e na comunidade. Sobretudo em comunidades pequenas, nos meios rurais e de província.

“As pessoas nascem homossexuais?” Eis outra pergunta frequente nesta espécie de FAQ (frequent answers and questions) sobre o tema. “Esta pergunta remete para 1800, quando Magnus Hirschfeld, fundador do primeiro movimento a favor dos direitos dos homossexuais, na Alemanha, declarou que acreditava na origem biológica da homossexualidade. Neste momento os cientistas tentam perceber a importância da genética, mas também ainda não chegaram a conclusões definitivas, sendo, por isso, possível acreditar que se pode nascer gay. Ou não.”

Entre as perguntas mais frequentes há uma outra que acaba por ser sempre expressa: “Os pais podem, sem querer, um educar um filho para ser homosexual?” A esta inquietação Marcus responde de forma categórica: “Ninguém tem essa capacidade.” E diz mais: “Freud deu essa explicação e em certos meios prevalece a crença errada de que um homossexual pode ser o resultado de uma mãe poderosa e um pai passivo ou ausente. Em minha opinião nada disto é verdade pois está provado que estes mesmos pais podem ter vários filhos e apenas um dele ser homossexual”.

Seja como for, termino como iniciei. Acontecimentos como Orlando têm que nos interpelar a níveis muito profundos e para além do medo que instala em certas comunidades, em certas latitudes.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desporto

Ganchinho no seu Everest

Laurinda Alves
716

Há e haverá sempre tempo para parar e ver outros protagonistas, outros vencedores. Nesta lógica e com este sentido hoje escrevo sobre o Diogo Ganchinho e os atletas que estiveram em Baku.

Robótica

Sophia & Sophia

Laurinda Alves
251

O futuro pode ser um tempo em que haverá mais humanoides como Sophia, mas o que esse cenário me diz é o mesmo que dizia a Sophia poeta: a nós, seres humanos, cabe-nos ser cada vez mais humanos.

Função Pública

Importa-se de explicar?

Laurinda Alves
3.244

Esbarramos vezes demais na inconcebível antipatia de profissionais cuja função é o atendimento público e nunca deixo de me espantar com esta atitude. Ou antes, com esta falta de profissionalismo.

Extrema Esquerda

Esquerda, direita, “gays” e jornalismo

Miguel Pinheiro
838

Para Rosas, Adolfo não é homossexual – é “gay”. E não é gay – “diz” que é gay. Mais: não é “moderno” – é “ai que moderno”. E não é só “ai que moderno” – é “ai que moderno” com as mãozinhas no ar.

Igreja Católica

O deputado e o Cardeal

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.174

Em Portugal, não é precisa nenhuma coragem para se ‘assumir’. Mas é necessário muito valor para alguém se afirmar católico, sobretudo se for fiel ao magistério e à tradição da Igreja.

António Costa

Costa e a rábula do bom aluno

Helena Cristina Coelho

Se o plano do Governo ao acenar com estas (não tão novas) propostas de impostos europeus é cair nas boas graças da liderança europeia, está na direção certa. Só lhe falta o título de "bom aluno".

Páscoa

A Boa Nova, os boatos e as ‘fake news’

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

O Evangelho é, etimologicamente, a boa nova, mas não faltam pessoas que pensam que é um boato sem fundamento ou, pior ainda, mais uma ‘fake news’.

Política

Humilhadas e ofendidas

Alberto Gonçalves
151

O problema põe-se ao contrário: a maioria das senhoras (e dos cavalheiros, calculo) é competente o bastante para evitar a política e deixá-la ao cuidado dos que, independentemente do sexo, não são.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site