Rádio Observador

Serviço Nacional de Saúde

SNS, Público ou Privado?

Autor

Só com uma generalização obrigatória do modelo da ADSE poderemos colocar todo o sistema de saúde ao serviço de todos os portugueses e investir no SNS para aquilo em que ele for mesmo insubstituível.

A propósito do SNS, tem havido, praticamente desde a sua criação, uma grande discussão em torno das opções públicas ou privadas (onde incluo o sector social, privado não lucrativo) como prestadoras de serviços de saúde pagos pelo Estado. Optou-se, na sua génese, por um modelo baseado no NHS do Reino Unido, o que poderá ter sido o mais adequado para as condições existentes nos anos 70 do século XX. Era tudo mais barato (mesmo comparando valores ajustados à inflação), havia uma estrutura de “postos das caixas” de previdência que era fácil converter, não faltavam médicos e o sector privado era minúsculo, quase só estruturado em consultórios e pequenas clínicas. Mas o mundo evoluiu. A procura de cuidados aumentou, a população envelheceu, a tecnologia encareceu, as doenças atuais são muito mais crónicas do que rapidamente mortais.

Hoje, face à dimensão desejável da procura de cuidados e à oferta existente, a verdade é que o SNS nunca, leram bem, NUNCA poderá responder sozinho a todas as necessidades de saúde da população. Imaginou-se um cenário de SNS global que a realidade demonstrou ser impossível.

A ânsia de querer fazer tudo só com o SNS, ignorando a crescente diminuição da sua capacidade, tornou-se na grande alimentadora da parte privada do sistema de saúde, a grande inflacionadora de preços, a génese de todas as insatisfações. O SNS não pôde acompanhar as necessidades da população e foi alimentando o sector privado com um manancial de descontentes e impacientes, progressivamente mais doentes, muitas vezes desesperados e sem condições de regatearem preços. A atividade assistencial do setor privado e os preços que nele se praticam são, em grande medida, o resultado das falhas do SNS. Nos tempos que correm, ignorar as alternativas que os privados oferecem e querer eliminar a sua atividade por via do crescimento da oferta pública, à outrance, é insensato e está condenado ao fracasso. O setor não Estatal do sistema de saúde é, mais do que nunca, indispensável para que se continue a ter acesso universal, geral e tendencialmente gratuito no ponto de contacto.

O Estado tem a obrigação de ter um SNS, mas a obrigação maior, a de garantir o direito à proteção da saúde, deve ser feito com recursos a todos os meios disponíveis que os cidadãos, através de taxas e impostos, possam pagar. Não se pode confundir a obrigação de garantir o direito à proteção da saúde através de um SNS, com a obrigação de só garantir esse direito através do SNS. É cristalinamente simples.

O setor público não tem de servir para sustentar o setor privado. Verdade. Mas isso é muito diferente de dizer que o Estado e os cidadãos não podem servir-se do setor privado se essa for a melhor forma de garantir acesso em tempo útil a serviços de saúde com qualidade. O setor privado não pode existir apenas para servir uma elite. A função social das empresas da saúde, para lá da comercial, tem de as obrigar a abrir portas a todos, com o devido ressarcimento dos serviços prestados.

A falta de resposta do setor público em tempo útil defrauda as expetativas dos beneficiários do SNS e viola a letra da Constituição da República. Estas lacunas de resposta não podem ser resolvidas com o imaginário de um mega SNS, universal, geral e de borla, que cresça até não haver falta de mais nada. Nem se vai resolver com recurso “temporário”, seja de que forma for, a prestadores privados (incluindo o social). O problema do SNS, no seu todo, não se resolverá com a gestão privada de unidades públicas. Nem, tão pouco, será resolvido pela expansão ilimitada de PPP (que foram boas porque os contratos são leoninos a favor do Estado e insustentáveis a médico prazo para os operadores privados que os aceitaram, convencidos que vinha aí a grande revolução privatizadora que lhes foi prometida por um PS de antanho). Nem se sustentará só com as Misericórdias, Deus as proteja, que ainda vão assegurando o essencial dos cuidados continuados. Nem, como se vê diariamente, com hospitais e clínicas privadas a que só alguns têm acesso, com preços altíssimos que compensam convenções em saldo, ocasionalmente arregimentadas para ajudar a limpar listas de espera. Não, não será com um sistema compartimentado em facções antagónicas, que os Portugueses verão o seu acesso a cuidados de saúde assegurado.

O Estado já não tem dinheiro para modernizar, expandir e manter um SNS que seja o único prestador universal, dotado apenas com pessoal proibido de trabalhar fora dele, funcionando como monopólio e monopsónio. Isso nunca vai existir.

Sejamos sérios. Terá de ser criado um seguro público, pago por TODOS os adultos, supletivo dos impostos e sem lugar a opt out, com valor ajustado ao rendimento individual ou a condições de saúde específicas (reduzindo o prémio para incapacitados e não com ajustamento actuarial como fazem os seguros privados), vitalício (sem prémio crescente), que possa garantir (de acordo com regras predefinidas e controladas) o acesso à parte não Estatal do sistema de saúde, devidamente certificada, com contratualização adequada e transparente ou em regime de livre escolha com comparticipações pré-definidas. Existem vários modelos possíveis que merecem estudo e simulação. Pode haver um sistema de top up de despesas, um número pré-definido de atos pagáveis em cada ano, um gatekeeping nos cuidados primários, a aplicação apenas quando os tempos de espera ultrapassarem um patamar pré-definido (seguramente muito inferior aos longuíssimos tempos máximos de resposta garantida, previstos em legislação e que não são cumpridos apesar de clinicamente absurdos pela demora que é considerável aceitável). Há muitas experiências internacionais que podem ser replicadas, como é o caso da Holanda, dos Países Nórdicos, da Bélgica, da Alemanha ou da França. Em Portugal, no estado em que está a assistência pública, ninguém poderá ficar isento de contribuir para o seguro público, mesmo que tenha adquirido um seguro privado. O seguro privado, mesmo que tenha vantagens momentaneamente aparentes, nunca poderá garantir os níveis de cobertura e duração que um seguro público – semelhante à ADSE que teria de se converter para este modelo mais expandido – terá de garantir.

Com este sistema, a verdadeira reforma, os preços dos cuidados privados seriam deflacionados – ajustados a uma tabela universal adequada ao poder de compra nacional –, o SNS poderia especializar-se, localizar-se especificamente, dimensionar-se em função das necessidades e da procura, e o caráter universal e geral seria mantido, com uma verdadeira gratuitidade tendencial no ponto de contacto. Só com a libertação do SNS para aquilo que só ele pode e deve fazer, o serviço público de saúde recuperará capacidade de intervenção em tempo útil e haverá meios para financiar a sua atualização estrutural e processual. Os fundos para investimento no SNS deverão vir do OE, mas também dos excedentes que o seguro público de saúde tiver no fim de cada período de exercício.

Só com uma generalização obrigatória do modelo da ADSE – já não acredito que possa ser só voluntária e em alternativa a seguros privados –, poderemos colocar todo o sistema de saúde ao serviço de todos os portugueses, investir no SNS para aquilo em que ele for insubstituível e, mais tarde, começar a reduzir IRS para aqueles que agora pagam demais. Justiça social não é só colocar uns a pagar pelos outros todos. Justiça social é dividir responsabilidades fiscais de forma equilibrada e proporcionada. Não é o que acontece em Portugal. Aumentar a despesa pública em saúde, por via da dotação do OE, é imperativo e inevitável. Mas não vai chegar, a não ser que os valores de cobrança de impostos, IRS, IRC e IVA, entrem em valores absurdos que apenas conduzirão ao empobrecimento definitivo dos “ricos”, aqueles a quem não se pode esmifrar muito mais.

Os nossos políticos, em vez de andarem a fazer política pequena, sempre com medo de assustar os eleitores, devem admitir que o que pagamos em impostos não dá para manter o SNS de que precisamos (tal como a Constituição obriga e não deve ser alterada). A evolução do sistema prestador misto que temos, com SNS complementado por seguros privados e subsistemas públicos, para um quadro de financiamento misto, em que haja lugar a pagamento universal de seguro público– podem chamar-lhe mais uma taxa -, só não é uma ideia de “esquerda” porque os partidos da dita estão fixados na visão monolítica do Arnautismo que já teve o seu tempo, fez o seu caminho e fê-lo bem feito. Foi bom enquanto durou.

Já não chega clamar por melhor gestão, mais acompanhamento ou racionalidade nas escolhas. Tudo isto é importante, mas já não chega. A garantia do direito à proteção da saúde precisa de mais dinheiro. Alguns portugueses terão de pagar mais pela saúde e outros, desejavelmente, menos. O importante é que todos, independentemente do que tiverem antecipadamente pago, possam ser assistidos quando precisarem de ser assistidos, da forma adequada. O recente relatório do Tribunal de Contas é claro. Pode-se poupar, pode-se adiar, pode-se enganar e até prometer. A verdade é que a dívida da saúde cresce e não vai parar de crescer. Pelo menos até repormos um saldo fisiológico aceitável e formos capazes de ter uma verdadeira longevidade saudável, com menor carga de doença. A dívida aumentará, tal como as listas de espera e os atrasos no acesso a cuidados adequados, enquanto não houver a possibilidade do Estado e privados partilharem riscos e responsabilidades.

O SNS, ao ponto a que chegou, não pode dar mais. O resto, mais Lei de Bases, menos Bases de Lei, é entreter o povo e não querer falar a verdade.

Ex-ministro da Saúde

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviços públicos

O melhor dislate do ano

Fernando Leal da Costa

Que mania, a dos nossos concidadãos, que insistem em usar os serviços que lhes disseram ser públicos. E, logo que precisam, vão todos ao mesmo tempo. É muito irritante.

Serviço Nacional de Saúde

Perguntas incómodas

Fernando Leal da Costa

Eram 116 as razões para fechar a MAC, hoje ainda mais evidentes pois a necessidade de rodar urgências seria evitada se o número de maternidades de Lisboa fosse o adequado ao número de partos na região

Medicamentos

Sobre as Matildes

Fernando Leal da Costa
138

Queixamo-nos de que pagamos demasiados impostos. Há quem prometa baixá-los, quem exija cortá-los, mas ninguém nos explica como sustentar o SNS onde os medicamentos tenderão a ficar cada vez mais caros

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)