Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Esta semana o Presidente Biden deu uma reviravolta na posição dos Estados Unidos relativamente aos impostos sobre gigantes digitais, apresentando propostas para as negociações a decorrer na OCDE sobre a reforma do sistema fiscal internacional. Segundo a imprensa internacional, a proposta americana tem dois elementos. Primeiro, que as multinacionais com volumes de negócios superiores a 20 mil milhões de euros possam ser taxadas nos países onde vendem serviços. Segundo, a proposta inclui um imposto mínimo mundial. A Secretária de Estado Janet Yellen tem vindo a insistir que os outros países avançados introduzam um imposto mínimo de 21%, muito acima dos 12,5% que têm sido debatidos na OCDE, e que é a taxa vigente na Irlanda atualmente.

Com esta proposta, o Presidente Biden espera convencer outros Estados, nomeadamente europeus, a desistirem de taxar as multinacionais tecnológicas unilateralmente, como fizeram a França, o Reino Unido e a Itália por exemplo. Por outro lado, alarga as empresas afetadas às não digitais, incluindo as grandes exportadoras como a Volkswagen.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.