Rádio Observador

Presidente da República

Um regime que não acredita em si próprio /premium

Autor
276

Segundo o presidente da república, a oposição é fraca e o governo tão fraco como a oposição. Vamos preocupar-nos, ou só queremos ouvir o que o presidente diz a Cristina Ferreira?

A maneira como o regime trata o presidente da república é curiosamente extravagante. Pelos comentários oficiais, parece que o presidente pouco mais faz do que telefonar para programas da manhã. É a esses divertimentos que os oligarcas gostam de reagir, umas vezes divertidos, outras chocados. Mas quando o presidente toca em coisas sérias, a regra é fazerem de conta que não ouviram. Foi o que se constatou com a última entrevista presidencial, à Lusa. E no entanto, a entrevista justifica alguma anotação.

Que disse o presidente? Explicitamente, lamentou a fraqueza da oposição. Implicitamente, ao reparar que “uma oposição fraca dá um governo fraco”, chamou a atenção para a fraqueza do governo. Mas se a oposição e o governo são fracos, existiriam na sociedade portuguesa, segundo o presidente, “movimentos de opinião mediaticamente muito fortes”, que já “não têm que ver com os debates partidários”, e que começariam a configurar uma “oposição inorgânica” — por enquanto “pequenina”.

Creio que nenhum presidente, tirando talvez o general Eanes nos momentos menos auspiciosos da transição democrática, foi alguma vez tão severo com o regime. Temos não só um regime fraco, mas um regime que, na sua fraqueza, poderá ter de lidar com opiniões fortes.

A maior parte da classe dirigente portuguesa nunca acreditou muito na possibilidade de fazer uma democracia com a população menos instruída da Europa ocidental. A solução foi integrar a população no Estado, e integrar o Estado na UE. A governação em Portugal passou a consistir nisto: aproveitar as boas conjunturas, propiciadas pela integração europeia, a fim de obter, por via do imposto e da dívida, os meios necessários para distribuir subsídios e regalias — e assim, através da dependência, domesticar o povo. Daí que um governo com uma conjuntura próspera tenha sido até agora considerado eleitoralmente invencível. É por isso que Rui Rio é presidente do PSD: porque, em Janeiro de 2018, as elites do partido apenas precisavam de arranjar alguém para perder com António Costa. E é também por isso que Rui Rio tem a estratégia que tem: não podendo ganhar a Costa, julga que lhe resta, para sobreviver, juntar-se a ele.

A fraqueza da oposição não é surpresa. A novidade, quando a economia cresce, é a fraqueza do governo. Mas também não é muito difícil de perceber. Os oligarcas ainda não recuperaram, nem da bancarrota de 2011, quando o euro não os poupou ao FMI, nem do trauma eleitoral de 2015, quando PS, PCP e BE perderam umas eleições que a ciência do regime dizia que deviam ganhar. A “geringonça” nunca reflectiu mais do que a perplexidade dos derrotados. A política que seguiram desde então foi, na sua manha e timidez, determinada por isso: aproveitar a primavera financeira do BCE, a fim de consolidar as necessárias clientelas eleitorais. O PSD, como se tem visto pela vontade de arranjar um lugar à mesa de Costa, não parece ter melhor ideia.

Numa sociedade civil débil e com instituições sem independência, tudo isso costumava chegar. Agora, porém, há incerteza. O regime parece acreditar cada vez menos em si próprio. Uma das maiores dívidas públicas do mundo e uma das economias que menos cresce na Europa  não permitem as larguezas do passado. O conjuntura externa não dá garantias de durar. A oligarquia duvida e receia. Faz o que sempre fez, porque não sabe fazer outra coisa. As chamadas “reformas estruturais”, que sempre competiram à direita, não foram feitas depois de o PSD e o CDS, a partir de 2002, se terem tornado prisioneiros das ressacas de austeridade da governação socialista. À sua volta, mesmo sem “populismos”, o regime pressente uma polarização de opiniões, por enquanto “pequenina”, mas que o pode ultrapassar. Na citada entrevista, o presidente da república decidiu registar a devida preocupação. Mas parece que a oligarquia só quer ouvir as suas chamadas para Cristina Ferreira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Racismo

A máquina de inventar racistas /premium

Rui Ramos
3.536

O pior que nos poderia acontecer era deixarmos de ser portugueses, para passarmos a ser “brancos”, “negros”, ou “ciganos”. Não contem comigo para macaquear o pior que tem a sociedade americana.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)