Em Janeiro de 2018 escrevi, a propósito do “Future of Jobs Report” (2016) do World Economic Forum, que os skills mais ambicionados pelas empresas assentavam em, por ordem decrescente de importância: (1) Complex Problem Solving; (2) Critical Thinking; (3) Criativity; (4) People Management; (5) Coordinating with others; (6) Emotional Intelligence; (7) Judgement and Decision Making; (8) Service Orientation; (9) Negotiation; (10) Cognitive Flexibility.

A propensão para enfatizar competências mais emocionais e soft skills era então evidente.

No final de Setembro de 2018 saiu o “The Future of Jobs Report” de 2018 do mesmo World Economic Forum. Há claras novidades na tabela dos dez mais. Por ordem decrescente aparecem agora como 10 primeiros os seguintes: 1) Analytical Thinking and Innovation; 2) Active Learning and Learning Strategies; 3) Creativity, Originality and Initiative; 4) Technology Design and Programing; 5) Critical Thinking and Analysis; 6) Complex Problem Solving; 7) Leadership and Social Influence; 8) Emotional Intelligence; 9) Reasoning, Problem Solving and Ideation; 10) Systems Analysis and Evaluation.

A propensão para redescobrir competências mais duras, como o pensamento analítico, a programação ou a análise de sistemas é um regresso ao passado já distante.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.