NOVA SBE: Management Hot Topics

Veredicto? Incompetentes /premium

Autor

O momento de moldar o futuro do trabalho será por agora. Porque é agora que a tecnologia está mesmo a mudar o mundo e já conhecemos todas (ou quase) as tecnologias que irão ser determinantes.

Em Janeiro de 2018 escrevi, a propósito do “Future of Jobs Report” (2016) do World Economic Forum, que os skills mais ambicionados pelas empresas assentavam em, por ordem decrescente de importância: (1) Complex Problem Solving; (2) Critical Thinking; (3) Criativity; (4) People Management; (5) Coordinating with others; (6) Emotional Intelligence; (7) Judgement and Decision Making; (8) Service Orientation; (9) Negotiation; (10) Cognitive Flexibility.

A propensão para enfatizar competências mais emocionais e soft skills era então evidente.

No final de Setembro de 2018 saiu o “The Future of Jobs Report” de 2018 do mesmo World Economic Forum. Há claras novidades na tabela dos dez mais. Por ordem decrescente aparecem agora como 10 primeiros os seguintes: 1) Analytical Thinking and Innovation; 2) Active Learning and Learning Strategies; 3) Creativity, Originality and Initiative; 4) Technology Design and Programing; 5) Critical Thinking and Analysis; 6) Complex Problem Solving; 7) Leadership and Social Influence; 8) Emotional Intelligence; 9) Reasoning, Problem Solving and Ideation; 10) Systems Analysis and Evaluation.

A propensão para redescobrir competências mais duras, como o pensamento analítico, a programação ou a análise de sistemas é um regresso ao passado já distante.

A questão que emerge é: porquê? Não deixo de notar alguma perplexidade, mas também desconhecimento, e de deixar alguns tópicos para que o leitor os possa pensar e/ou avaliar o alinhamento dos mesmos com as suas próprias práticas (e investimento no conhecimento) e a forma como vê e pensa o mundo.

Não deixa de ser evidente que uma tão grande variação, e sobretudo uma descontinuidade com o passado e as evoluções mais recentes, se torne talvez difícil de justificar.

Concomitantemente, e para introduzir alguma entropia mais, o novo relatório diz que estão a cair em desuso  algumas das competências (talvez) ditas mais clássicas mas, ainda assim (pelo menos algumas), essenciais para construir as primeiras: a) A Habilidade Manual, a Endurance e a Precisão; 2) As Capacidades de Memória, Verbais, Auditivas e Espaciais; 3) A Gestão de Recursos Financeiros e Materiais; 4) A Manutenção de Tecnologia e sua Instalação; 5) A Leitura, a Escrita, a Matemática e a Escuta Ativa; 6) A Gestão de Pessoas; 7) O Controlo de Qualidade e os Conhecimentos de Segurança; 8) A Coordenação e a Gestão do Tempo; 9) As Capacidades Visuais, Auditivas e Discursivas; 10) O Controlo, Monitorização e Uso da Tecnologia.

Desta forma, e sem sequer entrar na metodologia que está por detrás destes estudos e que merecem todo o respeito e credibilidade, assim como sem os refutar, algumas constatações são talvez possíveis. Não me atrevo a chamar-lhes conclusões.

  • Parece evidente que o peso e a consideração que vinham merecendo as soft skills perdeu importância e houve uma disrupção com o passado mais recente. Esta é uma conclusão fácil e por demais evidente.
  • Em paralelo, o relatório mais atual diz perderem importância algumas das competências que são determinantes para construir aquelas que figuram no top 10 e que com elas apresentam forte correlação. Se é difícil perceber a ascensão do pensamento analítico sem a prática do pensamento abstrato proporcionado pela matemática (em queda) é também complexo perceber que algumas competências determinantes para gerir e liderar pessoas (escuta ativa, gestão de pessoas, competências verbais) possam estar em queda quando parece cada vez mais decisivo desenvolver essas competências para gerir/liderar outros.
  • Do mesmo relatório e noutra secção aparecem os pesos do trabalho humano versus o trabalho via automação. Interessante verificar que a tecnologia virá impor-se à ação humana de forma rápida, talvez mais rápida do que alguns poderiam esperar, sendo que a partir de 2025 valerá mais de metade do trabalho. Referindo os números, a automação é, em 2018, de 29% contra 71% de intervenção humana prevendo-se, para 2022, 42% de automação contra 58% de intervenção humana e, finalmente, para 2025 a automação passará a 52% contra 48% de intervenção humana.
  • O frémito do digital (no matter what), muito por via do desconhecimento e da ansiedade que comporta efetivamente, por si só e no negócio, começa a ser sintomático até nos resultados destes estudos e, neste contexto, bem evidenciado pelas rápidas flutuações na tabela dos tops.
  • Torna-se interessante perceber que à medida que a automação ganha ao lado humano comecem a descer de importância as componentes comportamentais para emergirem as analíticas (certamente consequência da necessidade tremenda de competências de análise de dados e similares). Paradoxal, mais ainda, porque o que sobra ao lado humano, e não à automação, são importantes componentes humanas de carácter brando…se não atentarmos apenas às competências para lidar com a tecnologia, analisar dados e programar.
    A interpretação da subida das componentes analíticas terá, assim, tudo a ver com a necessidade de trabalho nas áreas da análise de dados, que é pungente. Algum desnorte, quase certamente, quanto ao que será o futuro e, em particular, o futuro da tecnologia também dita estes resultados.
  • À medida que os avanços tecnológicos mudam rapidamente a fronteira entre as tarefas de trabalho realizadas por seres humanos e aquelas realizadas por máquinas e algoritmos, os mercados de trabalho globais provavelmente irão passar por grandes transformações. Essas transformações, se sabiamente geridas, podem levar a uma nova era no trabalho e, pela positiva, a bons trabalhos (empregos?) e a maior qualidade de vida para todos. Ao contrário, se mal geridas podem potenciar o risco de aprofundamento dos gaps em skills, levar a maior desigualdade e a polarização mais ampla. De muitas formas, o momento de moldar o futuro do trabalho será por agora. Porque é agora que a tecnologia está mesmo a mudar o mundo e já conhecemos todas (ou quase) as tecnologias que irão ser determinantes, pelo menos num futuro próximo.
  • Fixem-se, no final, as profissões em crescendo e que encherão os olhos (e os bolsos!) de muitos num futuro próximo. Importantes para a geração que agora estuda ou que vai completar, e/ou complementar, os seus estudos: 1) Data Analytics Scientists, 2) Artificial Intelligence and Machine Learning Scientists; 3) General and Operations Managers.

E o leitor, sente-se competente ou incompetente à data de hoje face a este híbrido de competências e ao top 10 agora emergente? Se a resposta for a segunda, estamos alinhados.

Professor Catedrático; Director Académico – Formação de Executivos; NOVA SBE – Nova School of Business and Economics

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Poluição

Planeta ou Plástico? Porque temos de escolher

José Crespo de Carvalho

Da produção mundial total, 380 milhões de toneladas por ano, metade é de plástico "single-use", nem sempre fácil de banir. Mas são necessários esforços redobrados para que isso mesmo venha a acontecer

NOVA SBE: Management Hot Topics

Ele há mínimos /premium

José Crespo de Carvalho

Ah, finalmente, não me tratem por Sr. José. É mau demais. Só por José (ninguém se ofenderia, por favor) ou, se querem colocar o Sr, então que seja com o apelido. Sr. Crespo de Carvalho ou Sr. Carvalho

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)