Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Rangel diz que o caso com Manuel Alegre está “encerrado” e sem um pedido de desculpas por parte do PS português, decidiu recorrer ao Partido Socialista Europeu (PSE). O candidato da Aliança Portugal enviou uma carta a Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu e candidato à presidência da Comissão, e a Hannes Swoboda, presidente do PSE, pedindo que rejeitem a posição do PS nacional.

Em Coimbra, Paulo Rangel anunciou ter escrito às instâncias superiores do Partido Socialista Europeu “a lamentar profundamente que o PS deixe que um dirigente histórico trate a Aliança Portugal como uma associação com ligações ao nazismo e não tenha a hombridade de pedir desculpas e de se retratar”. Rangel referia-se à referência de Alegre dizendo que tal como a aliança tinha comparado o socialismo a um vírus, no passado, outros partidos compararam os judeus a um vírus. A carta foi também enviada a Maria de Belém Roseira, presidente do Partido Socialista.

Na carta, Paulo Rangel pede aos colegas socialistas do Parlamento Europeu que rejeitem de forma “veemente”, que na sua perspectiva “não são uma maneira digna de contribuir para o debate de uma campanha eleitoral em democracia”. O eurodeputado português disse não “poder tolerar tais acusações, que constituem um abuso inaceitável em democracia”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR