Eleições Legislativas

PSD envia carta com 29 dúvidas ao PS

149

Ao todo são 29 as perguntas que o PSD tem a colocar ao PS sobre o programa dos economistas. Os sociais-democratas desafiam ainda os socialistas a sujeitarem o documento à avaliação da UTAO.

Pedro Nunes/LUSA

Não é uma dúvida por página, mas quase. O último número político que anima este ano eleitoral aconteceu esta segunda-feira à noite: o PSD decidiu enviar ao PS uma carta com 29 dúvidas sobre o documento dos economistas e a desafiar formalmente António Costa a submeter a proposta a uma avaliação pela Unidade Técnica de Apoio Orçamental e pelo Conselho de Finanças Públicas.

A carta tem a assinatura do vice-presidente do PSD, Marco António Costa, e seguiu da Lapa para o Largo do Rato neste início de semana, dois dias depois de PSD e CDS formalizarem a aliança para as eleições legislativas. Na missiva, que foi tornada pública às redações, o PSD faz um conjunto de 29 perguntas, muitas das primeiras sobre diferenças na utilização de dados estatísticos de base que servem de referência à medidas dos economistas, mas a maior parte sobre o impacto orçamental das medidas propostas. Aqui ficam 10 das 29 dúvidas:

  1. Como vai evoluir o saldo estrutural, uma vez que “não há qualquer referência no documento à trajetória de evolução do saldo estrutural”?;
  2. “Qual é exatamente a proposta de reavaliação do fator de sustentabilidade nas pensões?”;
  3. “Na página 44, tomam-se como referência contribuições para a SS de outubro de 2013. A quantificação dos impactos da redução da TSU é feita com base em dados de há um ano e meio? Sendo as contribuições hoje superiores, isso não implicará um impacto orçamental superior da medida?”
  4. “De quanto é o impacto estimado de perda de receita de uma eliminação da sobretaxa de IRS em 2016 e 2017?”
  5. “Sobre o financiamento da redução da TSU para os trabalhadores com redução da pensão futura, o que está subjacente à análise é um plafonamento das pensões? O objetivo é estimular consumo presente em troca de perda de rendimento futuro?”
  6. “Tendo presentes as iniciativas de combate à fraude e evasão fiscais já em vigor, com resultados comprovados, quanto se espera de benefício adicional decorrente da redução do IVA da restauração de 23% para 13% e através de que novas medidas?”
  7. “Qual é o impacto orçamental do agravamento da taxa de IMI, da não eliminação do IMT e das deduções do montante pago a título de IMT em casos específicos?”
  8. “Qual o impacto orçamental do conjunto de medidas propostas na área da educação?”
  9. “Qual o custo considerado para a reversão dos cortes salariais no setor público nos anos de 2016 e 2017?”
  10. “Dada a forte componente importada do consumo e do investimento, como se explica o pouco impacto nas importações e, consequentemente, no saldo da balança corrente?”

O PSD já tinha avançado com o desafio ao PS para que os socialistas submetessem a proposta ao escrutínio da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) e do Conselho das Finanças Públicas e volta a fazê-lo, desta vez formalmente, justificando a ideia com a necessidade de os portugueses fazerem “as suas escolhas na base de informação objetiva e tendo em conta o quadro de resultados e de consequências económicas, financeiras e sociais correspondentes no curto, médio e longo prazos”. “Isso permitirá elevar a qualidade do debate político e reforçar o exercício de escolha democrática em torno de projetos políticos alternativos”, diz.

O Conselho das Finanças Públicas é um organismo independente nascido durante esta legislatura, mas a UTAO é uma entidade com tutela pública. A UTAO depende da Assembleia da República e presta apoio aos deputados na análise dos documentos oficiais do Governo como os Orçamentos, execução orçamental ou ainda Programas de Estabilidade. Apesar das dúvidas formais, os economistas do PS aceitam o exame.

Além do escrutínio por estas duas entidades, os sociais-democratas pedem que o PS lhes envie um “quadro” com os “limites nominais de despesa por programa orçamental para o ano de 2016” e com o “teto global para os anos seguintes do exercício até 2019”. Escreve Marco António que deste modo “haveria uma garantia reforçada de que as propostas já apresentadas, bem como as novas a incluir no programa eleitoral, não colocariam em causa as regras europeias e as metas fixadas. Por outro lado, tornar-se-ia ainda mais fácil garantir uma base de comparabilidade com o Programa de Estabilidade que o governo aprovou e que a maioria apoiou no parlamento”.

Documentos

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Cá a direita vale menos do que na Venezuela? /premium

Miguel Pinheiro
271

Se o PSD é um partido de esquerda, então a direita em Portugal está reduzida ao CDS. Ou seja, vale 7%. Ou menos. Como nem na Venezuela a direita é tão tristemente exígua, alguém anda enganado.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)