Carros incendiados, montras partidas e caixotes do lixo danificados. Quase 200 feridos e outros tantos detidos. Os confrontos entre manifestantes anti-globalização e as autoridades policiais, que já começaram na quinta-feira, parece não ter fim nas ruas de Hamburgo, na Alemanha, num dia em que decorre a Cimeira do G20. A escalada de violência já levou a polícia a pedir mais reforços, quando se esperam até 100 mil pessoas na manifestação convocada para sábado.

Nas ruas de Hamburgo estão já mais de 21 mil efetivos policiais, com um suporte de 25 helicópteros, 185 cães, 70 cavalos, 3.000 veículos e 40 canhões de água. Aliás, ao longo desta sexta-feira a polícia utilizou os canhões de água para dispersar manifestantes.

Segundo o jornal The Guardian, a grande maioria dos feridos são polícias. O jornal cita ainda os organizadores da marcha de protesto “Bem-vindos ao Inferno” para dizer que 14 participantes acabaram por ser levados para o hospital, três dos quais em estado grave e um em estado muito crítico.

A chanceler alemã, Angela Merkel, já comentou as cenas de violência: “Tenho toda a compreensão para manifestações pacíficas, mas manifestações violentas colocam vidas humanas em perigo”.