Fernando Medina

Socialista Fernando Medina contra descida do ISP e do IVA na eletricidade

997

Fernando Medina afirmou esta terça-feira estar contra reduções no ISP e no IVA da eletricidade. "Não me parecem boas medidas, que vão no sentido correto", afirmou o dirigente socialista.

O autarca comparou uma possível descida do ISP à descida do IVA nos ginásios, no OE de 2008

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Fernando Medina, dirigente socialista e presidente da Câmara Municipal de Lisboa, considerou que as reduções do Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos (ISP) e do IVA na eletricidade — defendidas, respetivamente, pelo CDS/PP e pelo Bloco de Esquerda — não devem constar do Orçamento de Estado para 2019, por achar que são medidas que “não apoiam aquilo que é importante que o país faça”.

Não me parecem boas medidas que vão no sentido correto. São medidas que podem parecer populares e simpáticas. Quem não o quer fazer? Mas convém que as medidas tenham um sentido estratégico e um sentido futuro. Ora, nenhuma dessas medidas tem.

O autarca falava esta terça-feira no seu habitual espaço de comentário na TVI 24. Para Medina, a redução destes impostos são “temas que têm vindo a arrastar-se nos últimos meses” e que não apoiam “a melhoria da eficiência energética, o apoio à neutralidade carbónica e o apoio à redução das emissões”. “Essas medidas vão precisamente no sentido contrário”, afirmou. Para o político socialista, a redução do ISP também não se traduz na redução do preço final dos combustíveis.

Em que medida é que o ISP não era reabsorvido na subida de outros preços? Tenho dúvidas que a diminuição deste imposto traga benefícios”, afirmou o autarca.

“Das várias prioridades que o país tem era capaz de encontrar bastantes melhores usos alternativos”, afirmou ainda Fernando Medina. “Descontando as especificidades do nosso sistema eletroprodutor, é verdade que, para o nosso nível de rendimento, teremos sempre uma [fatura da] eletricidade com significado, porque estamos sujeitos ao custo do petróleo. E ele é igual para nós como é para um finlandês. Claro que o nível de vida de um finlandês é muito superior ao do português”, admitiu, no entanto, o autarca socialista.

As propostas para a descida do ISP têm sido avançadas pelos partidos à direita do PS na Assembleia da República, em principal pelo CDS/PP. Inicialmente, o BE e o PCP apoiavam a descida, mas mudaram a posição na votação na especialidade. Já a descida do IVA na eletricidade, que está na taxa máxima de 23% e que pode baixar para 13% ou para 6%, tem sido motivada principalmente pelo BE, pela voz da coordenadora do partido Catarina Martins.

“É muito difícil explicar como é que o IVA de um bem essencial como a eletricidade está na taxa máxima”, dizia em julho a coordenadora do Bloco de Esquerda. A posição do governo quanto ao ISP tem sido a recusar a descida, devido ao “impacto significativo” que teria nas contas públicas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Eleições Europeias

Europeias: a excepção portuguesa

Jaime Nogueira Pinto

Em Portugal, por agora, o voto ficou – e, ao que tudo indica, ficará – mais ou menos onde estava. Mesmo se o longínquo fantasma do “regime fascista” já viu melhores dias, ainda é agitado e funciona.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)