Fernando Medina, dirigente socialista e presidente da Câmara Municipal de Lisboa, considerou que as reduções do Imposto Sobre os Produtos Petrolíferos (ISP) e do IVA na eletricidade — defendidas, respetivamente, pelo CDS/PP e pelo Bloco de Esquerda — não devem constar do Orçamento de Estado para 2019, por achar que são medidas que “não apoiam aquilo que é importante que o país faça”.

Não me parecem boas medidas que vão no sentido correto. São medidas que podem parecer populares e simpáticas. Quem não o quer fazer? Mas convém que as medidas tenham um sentido estratégico e um sentido futuro. Ora, nenhuma dessas medidas tem.

O autarca falava esta terça-feira no seu habitual espaço de comentário na TVI 24. Para Medina, a redução destes impostos são “temas que têm vindo a arrastar-se nos últimos meses” e que não apoiam “a melhoria da eficiência energética, o apoio à neutralidade carbónica e o apoio à redução das emissões”. “Essas medidas vão precisamente no sentido contrário”, afirmou. Para o político socialista, a redução do ISP também não se traduz na redução do preço final dos combustíveis.

Em que medida é que o ISP não era reabsorvido na subida de outros preços? Tenho dúvidas que a diminuição deste imposto traga benefícios”, afirmou o autarca.

“Das várias prioridades que o país tem era capaz de encontrar bastantes melhores usos alternativos”, afirmou ainda Fernando Medina. “Descontando as especificidades do nosso sistema eletroprodutor, é verdade que, para o nosso nível de rendimento, teremos sempre uma [fatura da] eletricidade com significado, porque estamos sujeitos ao custo do petróleo. E ele é igual para nós como é para um finlandês. Claro que o nível de vida de um finlandês é muito superior ao do português”, admitiu, no entanto, o autarca socialista.

Descida do preço dos combustíveis chumbada depois de mudança de voto à esquerda

As propostas para a descida do ISP têm sido avançadas pelos partidos à direita do PS na Assembleia da República, em principal pelo CDS/PP. Inicialmente, o BE e o PCP apoiavam a descida, mas mudaram a posição na votação na especialidade. Já a descida do IVA na eletricidade, que está na taxa máxima de 23% e que pode baixar para 13% ou para 6%, tem sido motivada principalmente pelo BE, pela voz da coordenadora do partido Catarina Martins.

Estado perde 474 milhões de euros com fim do adicional ao ISP proposto pelo CDS

“É muito difícil explicar como é que o IVA de um bem essencial como a eletricidade está na taxa máxima”, dizia em julho a coordenadora do Bloco de Esquerda. A posição do governo quanto ao ISP tem sido a recusar a descida, devido ao “impacto significativo” que teria nas contas públicas.