A Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) quer reforçar ferramentas para proteger bens comuns como a Amazónia, o mar, a grande barreira de coral ou a floresta tropical africana que são partilhados por toda a humanidade, disse esta sexta-feira a secretária-geral.

As ferramentas existem, como a Convenção do Património Mundial ou a rede de zonas de biosfera da UNESCO […] Mas é preciso reforçar essas ferramentas e pressionar os Estados a ratificá-las, alargá-las e aumentar as superfícies protegidas, reforçando também os meios de vigilância”, disse Audrey Azoulay, secretária-geral da UNESCO, em declarações à Agência France-Presse à margem de uma conferência na Colômbia sobre a Amazónia.

Este encontro entre seis países da América do Sul, que acontece na Colômbia, deve lançar esta sexta-feira um apelo à comunidade internacional para melhor conservar e proteger a Amazónia, após os incêndios que a têm devastado no último mês.

“A noção de bem comum, que são essenciais para a transmissão às gerações futuras, diz respeito ao mundo inteiro e está na origem da Convenção do Património Mundial nos anos 1970, ilustrando sítios como a Amazónia, mas também a grande barreira de coral, a floresta tropical africana e o património do mar”, acrescentou Audrey Azoulay.

A Amazónia abrange 12 reservas de biosfera identificadas pela UNESCO, que incluem seis milhões de hectares de floresta, sendo que apenas 1% da superfície total está inscrita como património mundial.