Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foi, até agora, o maior fenómeno da pandemia em Portugal: o direto “Como é que o Bicho Mexe”, de Bruno Nogueira, começou como um desabafo do humorista e argumentista (e cantor e ator e mais ainda) entre dias de isolamento, para se transformar no mais famoso talk show da não-televisão portuguesa e na mais concorrida companhia contra o isolamento. Duas horas de conversa sem filtros, sempre com convidados, uns mais regulares que outros. Com milhares de visualizações e já no último episódio, o programa de Bruno Nogueira teve esta sexta-feira várias surpresas. E chegou a ter mais de 170 mil pessoas a ver em simultâneo.

Cristiano Ronaldo entrou em direto a partir de sua casa, em Turim, e as visualizações chegaram às 100 mil. A partir daqui a audiência foi sempre a aumentar conforme Bruno Nogueira, ao volante de um carro com o convidado Nuno Markl ao lado, a servir de motorista, circulou por várias ruas da grande Lisboa, entre aplausos e buzinas, como que acompanhado por uma escolta. A viagem terminou no Coliseu dos Recreios, onde vários amigos o esperavam, como o cantor Salvador Sobral ou o atleta Nelson Évora. Isto antes de um grande final no palco da sala lisboeta.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.