O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, celebrou esta quarta-feira o facto de a revista norte-americana The Atlantic se ter visto obrigada a despedir cerca de 20% dos seus funcionários devido à crise provocada pela pandemia da Covid-19.

Ótimas notícias: a aborrecida, mas muito desagradável, revista The Atlantic está a colapsar rapidamente, a ir por água abaixo, e foi forçada a anunciar que vai despedir pelo menos 20% dos seus funcionários para aguentar no futuro. São tempos difíceis para estar no negócio das notícias falsas”, escreveu Trump no Twitter.

Fundada em 1857, a The Atlantic é uma das mais conceituadas revistas dos Estados Unidos. Na semana passada, foi anunciado que a revista, com 163 anos de publicação ininterrupta, teve de despedir 68 funcionários apesar de ter batido todos os recordes de leitura durante o período do confinamento.

Desde março, a revista ganhou 90 mil novos subscritores, mas o aumento do número de leitores não foi suficiente para garantir a estabilidade financeira da revista. “A economia dos media foi especialmente atingida” pela crise, disse o presidente da empresa que publica a revista, David Bradley, num comunicado interno em que justificou a decisão.

O despedimento de 68 pessoas (incluindo 22 elementos da redação, toda a equipa de vídeo e vários funcionários do departamento comercial) foi apenas uma das medidas adotadas pela The Atlantic para fazer frente à crise: os salários estão todos congelados, a revista não está a contratar ninguém nem a aceitar estagiários, e os executivos da empresa cortaram os próprios salários.

EUA. Desemprego atinge níveis da Grande Depressão de 1929

Desde o início do mandato, o Presidente norte-americano tem sido um feroz crítico da imprensa, tendo já chegado a proibir a presença de alguns órgãos de comunicação social nas conferências de imprensa da Casa Branca.

A afirmação de Donald Trump a celebrar o despedimento de 68 pessoas surge numa altura em que o desemprego atingiu valores recorde em toda a história norte-americana. Segundo dados da semana passada, são já 39 milhões os cidadãos dos EUA que estão desempregados. Numa semana, 2,4 milhões de pessoas perderam o emprego. A taxa de desemprego já ultrapassou os níveis da Grande Depressão, em 1929.