O valor dos levantamentos nacionais em caixas multibanco aumentou 24% e o valor das compras em terminais de pagamento automático subiu 26% em maio face a abril, tendo as colocações de emprego crescido e os novos desempregados recuado.

Segundo os indicadores de impacto socioeconómico da pandemia de Covid-19 divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), em maio de 2020 o valor dos levantamentos nacionais em caixas multibanco por habitante foi de 176 euros a nível nacional, o que representou um aumento de 24% face ao mês anterior e uma diminuição de 26% relativamente ao período homólogo.

Já o valor das compras nacionais, em Portugal, através de terminais de pagamento automático por habitante foi de 264 euros em maio, representando um aumento de 26% face ao mês anterior e uma diminuição de 21% relativamente ao período homólogo.

De acordo com o INE, o aumento registado em maio face a abril no valor de levantamentos nacionais em caixas multibanco verificou-se nas sete regiões NUTS II, destacando-se a Região Autónoma da Madeira com o maior aumento: um crescimento de 30%.

“Apesar desta melhoria face ao mês anterior – nota -, quando comparado com os valores de maio de 2019, verifica-se uma diminuição no valor de levantamentos nacionais em caixas multibanco por habitante em todas as regiões NUTS II do país, destacando-se, com diminuições superiores à média nacional, a Área Metropolitana de Lisboa (-33%), a Região Autónoma dos Açores (-27%) e o Algarve (-26%)”.

Ainda assim, o instituto assinala que “a redução verificada em maio face ao período homólogo foi inferior à assinalada em abril em todas as regiões”.

No que se refere à evolução das compras nacionais através de terminais de pagamento automático por habitante ao nível regional, seguiu em maio “uma tendência semelhante à verificada para os levantamentos, observando-se um aumento face ao mês anterior e uma diminuição face ao período homólogo que foi comum às sete regiões NUTS II do país”.

“Tal como nos levantamentos, também no caso das compras a redução verificada em maio face ao período homólogo foi inferior à assinalada em abril em todas as regiões”, refere o INE, destacando a Área Metropolitana de Lisboa (-31%) e o Algarve (- 23%) pelas variações homólogas superiores à referência nacional.

Os dados disponíveis apontam ainda que, em maio de 2020, em 76% dos municípios portugueses (234 num total de 308) o valor de compras nacionais através de terminais de pagamento automático foi inferior ao valor homólogo.

Deste conjunto, destacam-se 54 municípios, localizados maioritariamente nas áreas metropolitana de Lisboa (oito num total de 18) e do Porto (cinco em 17), no Algarve (sete em 16) e no Baixo Alentejo (cinco em 13), por registarem um rácio inferior ao verificado no país.

Em abril de 2020, o valor das compras nacionais através de pagamento automático havia sido inferior ao valor homólogo em 289 municípios.

Numa análise do impacto da pandemia ao nível do emprego, o INE reporta em maio de 2020, em todas regiões NUTS II do Continente, um aumento das colocações de emprego e uma diminuição dos novos desempregados inscritos face a abril.

Segundo avança, em maio efetuaram-se em Portugal continental 0,7 novas colocações de emprego com candidatos apresentados pelos centros de emprego por mil habitantes em idade ativa (15-64 anos) destacando-se, com valores inferiores à referência do Continente, o Algarve (0,2), a Área Metropolitana de Lisboa (0,3) e o Norte (0,6).

No mesmo período registou-se um aumento deste indicador face ao mês anterior e uma diminuição face ao período homólogo nas cinco regiões NUTS II do Continente, destacando-se o Algarve com uma queda de 88% face ao mesmo mês no ano anterior.

“Neste contexto, importa assinalar que a redução de novas colocações de emprego em maio, face ao período homólogo, foi inferior ao que havia sido assinalado em abril, em todas as regiões”, refere o INE.

Quanto aos desempregados, em maio de 2020 registaram-se no Continente 7,1 novos desempregados inscritos em centros de emprego por mil habitantes entre os 15 e 64 anos, correspondendo a uma diminuição de 42% face ao mês anterior e a um aumento de 24% relativamente ao período homólogo.

Ao nível regional, destacavam-se o Algarve (10,3) e a Área Metropolitana de Lisboa (8,3) com valores acima da referência do Continente.

No mês em análise, o INE aponta nas cinco regiões NUTS II do Continente uma diminuição do número de desempregados por mil habitantes em idade ativa face a abril de 2020 e um aumento face ao mesmo mês do ano anterior, destacando-se com as maiores variações homólogas o Algarve (+99%) e a Área Metropolitana de Lisboa (+43%).

Assinala, contudo, que o aumento do número de desempregados registados em maio face ao período homólogo foi inferior ao verificado em abril, em todas as regiões.

Em 165 dos 278 municípios do Continente o número de desempregados inscritos em centros de emprego ao longo do mês de maio de 2020 foi superior ao mesmo fluxo no período homólogo.

Deste conjunto, destacam-se 20 municípios, localizados maioritariamente na região do Algarve (seis num total de 16), por apresentarem, em maio de 2020, um fluxo de desempregados mais de duas vezes superior ao registado no mesmo mês do ano anterior.

Em abril de 2020, o número de desempregados inscritos havia sido superior ao mesmo fluxo no período homólogo em 204 municípios.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 517 mil mortos e infetou mais de 10,76 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.