A diretora de Serviços de Informação e Análise da Direção-Geral da Saúde (DGS), Graça Lima, abandonou o cargo, após ter estado de baixa médica. A saída de Graça Lima acontece com poucos dias de intervalo em relação à saída de outra figura-chave, a epidemiologista Rita Sá Machado. A DGS diz já ter encontrado substitutos.

A DGS confirmou ao Observador que o pedido de cessação de funções de Graça Lima produziu efeitos desde o passado dia 23 de Junho, um dia antes da mais polémica das reuniões do Infarmed, quando alguns especialistas terão contrariado a tese de que o aumento de casos na Grande Lisboa se justificava com o facto de terem aumentado os testes.

Especialistas contrariaram teses de Costa e Marcelo sobre testes e jovens e já falam em “segunda onda”

O cargo da diretora de Serviços de Informação vai por enquanto ser ocupado por Inês Santos Estevinho Fronteira, de acordo com o despacho publicado esta quinta-feira em Diário da República, não tendo o despacho para abertura do respetivo concurso sido ainda publicado. Inês Fonteira esteve já em representação da DGS na reunião do Infarmed de quinta-feira.

Mas esta não é a única baixa na DGS. A 1 de julho, o Observador tinha noticiado também a saída da chefe de Divisão de Epidemiologia e Estatística daquele organismo, Rita Sá Machado, que abandonou funções para integrar a equipa da Missão Permanente de Portugal junto dos Organismos e Organizações Internacionais das Nações Unidas, em Genebra. Na altura, a Direção Geral da Saúde explicou ao Observador que a saída estava programada.

Chefe dos epidemiologistas e estatística abandona DGS. Entidade garante que saída foi “programada”

Luís Carlos Silva Guedes é, por enquanto, o substituto encontrado para o lugar de chefe de Divisão de Epidemiologia e Estatística da DGS, conforme foi publicado na quarta-feira em Diário da República, sendo que já foi aberto um concurso destinado a assegurar uma nomeação permanente para aquele lugar.

No espaço de uma semana, a DGS ficou sem duas profissionais na área da informação e estatística, aquela que é uma das áreas mais importantes na disseminação da informação sobre a propagação do novo coronavírus, numa altura em que se tem constatado algumas discrepâncias nos dados dos boletins diários sobre a evolução da pandemia.