Alexei Navalny, líder da oposição russa e ativista anti-corrupção, foi envenenado. A notícia é avançada pelo The Washington Post, que cita o comunicado do hospital universitário Charité, em Berlim, que confirmou o diagnóstico através de laboratórios independentes. De acordo com o hospital, não foi ainda identificado exatamente o tipo de veneno utilizado. No entanto, acredita-se que seja um inibidor da colinesterase, uma enzima necessária para o funcionamento do sistema nervoso.

Quem é Alexei Navalny, o opositor que Putin quer fora do caminho

Perante estas conclusões, a chanceler alemã já exigiu que as autoridades russas investiguem urgentemente o crime até ao último detalhe, dado o papel proeminente desempenhado por Navalny na oposição política no país. Os responsáveis devem ser identificados e responsabilizados na justiça, acrescentou Angela Merkel, num comunicado conjunto com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Heiko Maas.

O ativista sentiu-se mal na quinta-feira durante um voo de regresso de Tomsk, na Sibéria, para Moscovo. Navalny, que se encontra em coma após esta suspeita de envenenamento, está em Berlim desde 22 agosto, depois de ter viajado para este país para receber cuidados médicos.

Navalny foi transportado por uma ambulância do exército alemão para o hospital universitário. O hospital Charité afirma que, de momento, “não há perigo agudo para a vida” de Nalvany. Contudo, “o desfecho da doença ainda é incerto” e as sequelas a longo prazo, “principalmente no domínio do sistema nervoso, ainda não podem ser descartadas nesta fase”, acrescentou a unidade hospitalar, após a realização de vários testes ao opositor russo. O ativista está a ser tratado com atropina, um medicamento usado para tratar certos tipos envenamentos.

Alexei Navalny já está em Berlim. Médicos alemães alertam que diagnóstico “levará tempo”

Inicialmente, os médicos de Omsk, cidade russa na Sibéria onde Navalny estava internado, descartaram a hipótese de envenenamento. “O diagnóstico de envenenamento foi um dos primeiros a ser sugerido, inclusive por paramédicos”, explicou Anatoly Kalinichenko, médico-chefe adjunto do Hospital de Emergência de Omsk aos jornalistas na segunda-feira. “Por isso o paciente foi levado ao departamento de toxicologia. Se tivéssemos encontrado alguma confirmação de envenenamento, as coisas teriam sido muito mais fáceis para nós. Ainda assim, recebemos respostas definitivas de dois laboratórios, que disseram não ter detetado nenhuma substância química ou tóxica que pudessem descrever como venenos ou produtos envenenadores”, adiantou.

Ao todo, Navalny, que tem 44 anos, foi preso 13 vezes na Rússia. Em 2018, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem decidiu que a detenção de 2012 a 2014 violou os seus direitos e fez parte de um esforço político do regime de Vladimir Putin, o Presidente russo, “para controlar a oposição”.

*Artigo atualizado às 19h54 com mais informação sobre o tipo de veneno.