Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O padre Luís Miguel da Costa, suspeito de ter enviado mensagens de teor sexual a um menor, em Viseu, foi suspenso de funções pela Universidade Católica, onde foi docente e era capelão. Também a Ordem de Malta, uma ordem religiosa leiga da Igreja Católica, e a Ordem Constantiniana de São Jorge – Real Comissão de Portugal, onde era capelão, seguiram o mesmo caminho. A notícia é avançada pelo Jornal de Notícias, esta sexta-feira.

Ao jornal, Aires do Couto, presidente do Centro Regional de Viseu da Universidade Católica, diz que a decisão de afastar o padre já aconteceu em agosto, altura em que lhe foram retiradas as funções que exercia na diocese pelo bispo D. António Luciano. Na Ordem de Malta, que recusa comentar o caso, a decisão aconteceu assim que o caso foi conhecido.

Tribunal eclesiástico para padre suspeito de enviar mensagens sexuais a menor em Viseu

Em abril, o padre tornou-se suspeito de ter enviado mensagens de teor sexual a um menor de 14 anos que conheceu num almoço-convívio, durante o qual terá também tentado apalpar e beijar o rapaz. O menor acabaria por denunciar os avanços do pároco ao pai, que fez queixa à Justiça e à Comissão Diocesana de Proteção de Menores. A diocese de Viseu, segundo noticiou o Público, está a preparar a constituição de um tribunal eclesiástico para julgar o caso. Luís Miguel da Costa nega as acusações.

Padre de Viseu suspeito de enviar mensagens de teor sexual a menor de idade diz que é inocente