A Espanha tem, claramente, uns dos plantéis mais fortes do Campeonato do Mundo. Claro que a qualidade em bruto nem sempre se transforma em resultados materiais – tal como vimos no Brasil, onde ficou pela fase de grupos, e em França, onde caiu nos oitavos de final com a Itália.

Desde o Euro 2016, a principal diferença é uma: Vicente del Bosque reformou-se e deu lugar a Julen Lopetegui, antigo treinador do FC Porto. Lopetegui, sem grandes alterações táticas nem uma especial qualidade no banco de suplentes, beneficiou da ascensão de jogadores como Isco, Asensio, Lucas Vázquez ou Iago Aspas. Depois de uma surpreendente transferência para o Real Madrid, a Real Federação de Futebol Espanhola decidiu dispensar Lopetegui e escolheu Fernando Hierro, até aqui diretor desportivo da seleção e antigo jogador do Real Madrid, para comandar a equipa na Rússia.

O sistema tikitaka, grande responsável pelas conquistas do Euro 2008 e do Mundial 2010, estará certamente presente, ainda que acelerado pelos mais jovens. O meio-campo espanhol é particularmente impressionante, mesmo sem Xavi: Busquets, David Silva, Thiago Alcântara, Isco e Iniesta estão no top 5 dos melhores jogadores do mundo nas suas posições.

Numa seleção espanhola claramente balançada para a baliza do adversário, regista-se a ausência de um matador, já que Morata ficou fora dos 23 e Diego Costa tem mostrado dificuldades em ligar-se ao meio-campo nos últimos jogos. A incerteza é Dani Carvajal: tal como aconteceu em 2016, o lateral do Real Madrid lesionou-se na final da Liga dos Campeões e ainda não é clara a forma física em que estará na Rússia.

Mas é um teste a Lopetegui antes de se tornar treinador do Real.

De Gea; Carvajal, Sergio Ramos, Piqué, Jordi Alba; Busquets, Iniesta, Thiago Alcântara, David Silva, Isco; Diego Costa.

Fernando Hierro (espanhol)

Andrés Iniesta (Barcelona)

https://www.youtube.com/watch?v=86MpZTqoWZk

Convocados

Guarda-redes: David de Gea (Manchester United), Pepe Reina (Nápoles) e Kepa Arrizabalaga (Atl. Bilbao).

Defesas: Dani Carvajal (Real Madrid), Álvaro Odriozola (Real Sociedad), Gerard Piqué (Barcelona), Sergio Ramos (Real Madrid), Nacho (Real Madrid), César Azpilicueta (Chelsea), Jordi Alba (Barcelona) e Nacho Monreal (Arsenal).

Médios: Sergio Busquets (Barcelona), Saúl Ñíguez (Atl. Madrid), Koke (Atl. Madrid), Thiago Alcântara (Bayern Munique), Andrés Iniesta (Barcelona) e David Silva (Manchester City).

Avançados: Isco (Real Madrid), Marco Asensio (Real Madrid), Lucas Vázquez (Real Madrid), Iago Aspas (Celta de Vigo), Rodrigo (Valência) e Diego Costa (Atl. Madrid).

Ranking FIFA: 10.º

Presenças em fases finais: 14

Última participação: 2014

Melhor resultado: Campeão em 2010

Antevisão: “Claro que sabemos como é que o nosso caminho pode ser, mas só nos preocupamos com aquilo que temos de fazer de certeza – cada jogo exige o nosso máximo. A qualificação não vale nada, só interessa o que se faz dentro de campo”, disse Julen Lopetegui, à World Soccer.