A qualificação para o Mundial foi tudo menos fácil para a seleção argentina. Apesar de ter terminado em terceiro, a equipa ficou apenas dois pontos à frente do Chile, que ficou em sexto e não se apurou. No último jogo as coisas não podiam ter começado pior: aos 37 segundos já perdia com o Equador.

Mas depois apareceu Messi, que com um hat-trick garantiu a viagem da seleção até à Rússia. De resto, parece que o número três andou de mãos dadas com a Argentina nesta fase de qualificação. Três golos de Messi no último jogo, terceiro lugar… e três treinadores durante o apuramento. Começou Tata Martino, seguiu-se Edgardo Bauza e foi Jorge Sampaoli quem terminou. E que por lá continua. O treinador vai disputar o segundo Mundial da carreira, depois de em 2014 ter levado o Chile aos oitavos-de-final.

Messi é a estrela, e Sampaoli reconhece a influência do jogador do Barcelona: “Se o Leo estiver bem, a equipa estará mais sobre o seu controlo do que sobre o meu”. Mas a frente de ataque é toda ela cheia de talento, como o comprovam Di María, Dybala, Higuaín ou Agüero. O maior problema pode estar, contudo, na defesa.

Nos nomes do ataque podia também estar Lanzini, mas o jogador do West Ham sofreu uma rutura no ligamento cruzado anterior do joelho direito a oito dias da estreia no grupo D, contra Islândia. Para o seu lugar foi chamado Enzo Pérez, médio que já passou pelo Benfica e que joga atualmente no River Plate. O jogador viu assim as portas abertas para regresar a um Mundial, depois de ter estado em 2014 no Brasil.

Willy Caballero; Gabriel Mercado, Federico Fazio, Nicolás Otamendi e Nicolás Tagliafico; Lucas Biglia e Giovani Lo Celso; Eduardo Salvio, Lionel Messi, Ángel Di María e Sergio Agüero

Jorge Sampaoli

Lionel Messi

https://www.youtube.com/watch?v=ZjC903OGbt0

Convocados

Guarda-redes: Willy Caballero (Chelsea), Nahuel Guzmán (Tigres) e Franco Armani (River Plate)

Defesas: Nicolás Otamendi (Manchester City), Federico Fazio (Roma), Marcos Rojo (Manchester United), Nicolás Tagliafico (Ajax), Gabriel Mercado (Sevilha), Javier Mascherano (Hebei Fortune) e Cristian Ansaldi (Torino/Inter)

Médios: Éver Banega (Sevilha), Lucas Biglia (Milan), Giovani Lo Celso (Paris Saint-Germain), Enzo Pérez (River Plate), Maximiliano Meza (Independiente), Marco Acuña (Sporting) e Eduardo Salvio (Benfica)

Avançados: Lionel Messi (Barcelona), Ángel Di María (Paris Saint-Germain), Gonzalo Higuaín (Juventus), Cristian Pavón (Boca Juniors), Sergio Agüero (Manchester City) e Paulo Dybala (Juventus)

Ranking FIFA: 5.º

Presenças em fases finais: 16

Última participação: 2014

Melhor resultado: Campeão (1978, 1986)

Antevisão: “Ainda não estivemos muito tempo juntos, por isso temos que trabalhar com a base da equipa. Atrás, estávamos inicialmente a trabalhar [uma tática] com uma linha de três, mas agora estamos a tentar jogar com dois centrais e dois laterais. Isso vai dar-nos mais flexibilidade. Contudo,ainda temos trabalho a fazer para garantir  que não damos espaço na linha defensiva. O Leo [Messi] está bastante comprometido com o Mundial e colabora muito”, disse Jorge Sampaoli.