Juan Antonio Pizzi, ex-selecionador do Chile e antigo jogador do FC Porto, assumiu o comando técnico da Arábia Saudita em novembro de 2017 para substituir Edgardo Bauza (que esteve no cargo apenas durante dois meses). Com Pizzi, a equipa ganhou uma nova capacidade de segurar a bola e gerir a posse, sem se lançar para o contra-ataque imediatamente, como era habitual.

Al-Dawsari, Al-Shehri e Al-Muwallad são os únicos jogadores a atuar no estrangeiro (estão os três emprestados por equipas sauditas a clubes espanhóis) e é sobre eles que recaem as maiores expectativas. Talentosos, rápidos e atrevidos: são material para colocar à prova qualquer linha defensiva.

A principal ausência é a do avançado Nawaf Al-Abed, que passou grande parte da temporada lesionado e não convenceu o selecionador nos 22 minutos que jogou na derrota por 3-0 frente ao Peru no passado domingo. Numa seleção em que 10 dos jogadores são do Al-Hilal que agora vai ser treinado por Jorge Jesus, o avançado Al-Sahlawi é a principal referência ofensiva, tendo marcado 23 vezes em 24 internacionalizações.

Al-Mosailem; Al-Shahrani, Omar Hawsawi, Motaz Hawsawi, Al-Harbi; Al-Faraj, Al-Jassim, Otayf; Al-Shehri, Al-Muwallad e Al-Sahlawi.

Juan Antonio Pizzi (argentino)

Mohammad Al-Sahlawi (Al-Nassr)

Convocados

Guarda-redes: Mohammed Al-Owais (Al-Ahli), Abdullah Al-Mayouf (Al-Hilal) e Yasser Al-Mosailem (Al-Ahli).

Defesas: Osama Hawsawi (Al-Hilal), Omar Hawsawi (Al-Nassr), Motaz Hawsawi (Al-Ahli), Ali Al-Bulayhi (Al-Hilal), Yasser Al-Shahrani (Al-Hilal), Mansoor Al-Harbi (Al-Ahli) e Mohammed Al-Burayk (Al-Hilal).

Médios: Abdullah Otayf (Al-Hilal), Salman Al-Faraj (Al-Hilal), Abdulmalek Al-Khaibari (Al-Hilal), Abdullah Al-Khaibri (Al-Hilal), Mohamed Kanno (Al-Hilal), Hussain Al-Mogahwi (Al-Ahli), Taisir Al-Jassim (Al-Ahli), Hattan Bahebri (Al Shabab), Salem Al-Dawsari (Al-Hilal/Villarreal), Yahya Al-Shehri (Al-Nassr/Leganés) e Fahad Al-Muwallad (Al-Ittihad/Levante).

Avançados: Mohammad Al-Sahlawi (Al-Nassr) e Muhannad Assiri (Al-Ahli).

Ranking FIFA: 67.º

Presenças em fases finais: 5

Última participação: 2006

Melhor resultado: Oitavos de final em 1994

Antevisão: “Não termos competido nos últimos dois Mundiais não ajudou; nesse tempo as outras equipas melhoraram. Mas já mostrámos que podemos competir com o Japão, Austrália e Irão, e houve pouca diferença entre as equipas. Isto dá-nos uma razão para estar esperançosos”, Juan Antonio Pizzi, à World Soccer.