20 anos depois do Mundial de França, Marrocos está presente na fase final de um Campeonato do Mundo. No leme está Hervé Renard, treinador francês especialista em seleções africanas: entre 2008 e 2018, passou pela Zâmbia por duas ocasiões, Angola, Costa do Marfim e agora Marrocos.

Hakim Ziyech, médio marroquino, é indispensável no Ajax e um dos mais talentosos jogadores da atualidade a desempenhar a posição que Rui Costa disse ter desaparecido, em entrevista ao jornal A Bola, em maio – a de número 10. É o nome mais interessante numa convocatória onde salta à vista o capitão Benatia, titular na Juventus, e Carcela, ex-Benfica.

O guarda-redes predileto, Munir, foi titular no Numancia apenas por uma vez esta temporada e estará algo fora de forma. Num ano em que podia exponenciar o potencial e tornar-se uma das “equipas a observar”, Marrocos calhou com Portugal e Espanha no grupo B e tem dificuldades acrescidas na passagem aos oitavos de final.

Munir; Dirar, Benatia, Saïss, Hakimi; Boussoufa, El Ahmadi, Amrabat, Belhanda, Ziyech; Boutaïb.

Hervé Renard (francês)

Medhi Benatia (Juventus)

https://www.youtube.com/watch?v=aoWveN-9YlI

Convocados

Guarda-redes: Munir El Haddadi (Numancia), Bono (Girona) e Ahmed Reda Tagnaouti (IR Tanger).

Defesas: Mehdi Benatia (Juventus), Romain Saïss (Wolverhampton), Manuel da Costa (Başakşehir), Nabil Dirar (Fenerbahçe), Achraf Hakimi (Real Madrid) e Hamza Mendyl (Lille).

Médios: Mbark Boussoufa (Al Jazira), Karim El Ahmadi (Feyenoord), Youssef Aït Bennasser (Caen), Sofyan Amrabat (Feyenoord), Younès Belhanda (Galatasaray), Fayçal Fajr (Getafe) e Amine Harit (Schalke 04).

Avançados: Khalid Boutaïb (Malatyaspor), Aziz Bouhaddouz (St. Pauli), Ayoub El Kaabi (RS Berkane), Nordin Amrabat (Leganés), Hakim Ziyech (Ajax), Mehdi Carcela (Standard Liège) e Youssef En-Nesyri (Málaga).

Ranking FIFA: 41.º

Presenças em fases finais: 5

Última participação: 1998

Melhor resultado: Oitavos de final em 1986

Antevisão: “Obviamente não somos favoritos, mas quando temos a chance de nos qualificarmos para o Campeonato do Mundo eu digo sempre que não vamos lá pedir autógrafos ou tirar selfies. Temos de ir lá com a noção de que podemos fazer história”, disse Hervé Renard, à World Soccer.