2015 foi um ano de mudança na seleção da Dinamarca. O histórico selecionador Morten Olsen abandonou o comando da equipa ao fim de 15 anos, depois de ter falhado dois apuramentos consecutivos para grandes competições — Mundial 2014 e Euro 2016. Para o seu lugar chegou o norueguês Åge Hareide, que pôs a equipa a jogar um futebol mais direto, agressivo e com maior rapidez

Como seria de esperar, a equipa é construída à volta de um homem: Christian Eriksen. O médio do Tottenham é a estrela da seleção nórdica e o selecionador quer que o talentoso jogador tenha o máximo rendimento possível. Para isso, há uma coisa importante: liberdade. “Quando vejo um grande jogador, dou-lhe toda a liberdade do mundo para usar o seu talento”, disse Åge Hareide ao jornal dinamarquês Jyllands-Posten.

O que é certo é que Eriksen elevou o nível nos últimos temos ao serviço da seleção. Durante a fase de qualificação marcou 11 golos, incluindo os três contra a República da Irlanda na segunda mão do play-off, que a Dinamarca venceu por 5-1.

Mas não é só de Eriksen que se faz esta seleção. O poder físico de jogadores como Simon Kjaer, Mathias Jørgensen, Thomas Delaney e Yussuf Poulsen. E claro, há também Pione Sisto, extremo do Celta de Vigo.

Kasper Schmeichel; Henrik Dalsgaard, Simon Kjaer, Andreas Christensen e Jens Stryger Larsen; Thomas Delaney, Christian Eriksen e Lasse Schöne; Yussuf Poulsen, Pione Sisto e Nicolai Jørgensen

Åge Hareide

Christian Eriksen

Convocados

Guarda-redes: Kasper Schmeichel (Leicester), Jonas Lössl (Huddersflied) e Frederik Rönnow (Brøndby)

Defesas: Simon Kjaer (Sevilha), Andreas Christensen (Chelsea), Mathias Jørgensen (Huddersfield), Jannik Vestergaard (Borussia Mönchengladbach), Henrik Dalsgaard (Brentford), Jens Stryger Larsen (Udinese) e Jonas Knudsen (Ipswich)

Médios: William Kvist (Copenhaga), Thomas Delaney (Werder Bremen), Christian Eriksen (Tottenham), Lasse Schöne (Ajax), Lukas Lerager (Bordéus) e Michael Krohn-Dehli (Deportivo da Corunha)

Avançados: Martin Braithwaite (Bordéus/ Middlesbrough), Andreas Cornelius (Atalanta), Yussuf Poulsen (RB Leipzig), Nicolai Jørgensen (Feyenoord), Kasper Dolberg (Ajax), Viktor Fischer (Copenhaga) e Pione Sisto (Celta de Vigo)

Ranking FIFA: 12.º

Presenças em fases finais: 4

Última participação: 2010

Melhor resultado: Quartos-de-final (1998)

Antevisão: “Felizmente, vamos ver outra vez futebol atacante [neste Mundial]. Não vimos isso no último Europeu. Quando não é preciso ganhar para passar à fase a eliminar alguma coisa está mal com o sistema. Tem que se encontrar um sistema que recompense as vitórias e os golos marcados. Ganhar devia ser mais valorizado do que empatar”, disse Åge Hareide à World Soccer.