A caminhada para o Mundial não foi fácil para a equipa da Oceânia que joga as fases de qualificação na zona asiática. Foram 22 jogos — um recorde — até garantir o bilhete para a Rússia. Apesar de só terem perdido um jogo na segunda fase de grupos, os quatro empates fizeram com que os socceroos terminassem em terceiro, a um ponto do Japão e com os mesmos 19 que a Arábia Saudita, ficando atrás na diferença de golos.

No play-off da zona asiática eliminaram a Síria e encontraram depois a seleção das Honduras no play-off intercontinental contra o quarto classificado da CONCACAF. O primeiro jogo terminou empatado a zero, mas no segundo, em Sidney, os australianos venceram por 3-1.

O até então selecionador, Ange Postecoglou, saiu em novembro e para o seu lugar chegou Bert van Marwijk, que tinha ajudado a qualificar a… Arábia Saudita. O holandês traz experiência — em 2010 conduziu a Holanda ao segundo lugar do Mundial — mas tem contrato apenas até ao final do torneio.  Com Van Marwijk é esperado um futebol mais estruturado e disciplinado, que tentará usar o talento no meio campo — como Aaron Mooy e Tom Rogic — para abrir as defesas adversárias e tentar passar a fase de grupo. Mas não será fácil. O primeiro jogo é logo com a França, e a Dinamarca e o Peru chegam ao Mundial no top 12 do ranking da FIFA.

A melhor campanha num Mundial aconteceu em 2006, quando a equipa chegou aos oitavos-de-final depois de passar em segundo num grupo que tinha o Brasil, a Croácia e o Japão. A eliminação aconteceu aos pés daquela que se viria a sagrar campeã naquele ano, a Itália.

Mathew Ryan; Joshua Ridson, Trent Sainsbury, Mathew Jurman e Aziz Behic; Mile Jedinak, Aaron Mooy e Tom Rogic; Robbie Kruse, Tomi Juric e Mathew Leckie

Bert van Marwik

Aaron Mooy

Convocados

Guarda-redes: Mathew Ryan (Brighton), Brad Jones (Feyenoord) e Danny Vukovic (Genk)

Defesas: Milos Degenek (Yokohama Marinos), James Meredith (Millwall), Mathew Jurman (Suwon Bluewings), Aziz Behic (Bursaspor), Joshua Ridson (Wanderers) e Trent Sainsbury (Grasshoppers)

Médios: Mark Milligan (Al-Ahli), Massimo Luongo (Queens Park Rangers), Aaron Mooy (Huddersfield), Mile Jedinak (Aston Villa), Jackson Irvine (Hull City) e Tom Rogic (Celtic)

Avançados: Tim Cahill (Millwall), Mathew Leckie (Hertha de Berlim), Tomi Juric (Lucerna), Robbie Kruse (Bochum), Andrew Nabbout (Urawa Reds Diamonds), Jamie Maclaren (Darmstadt), Daniel Arzani (Melbourne City) e Dimitri Petratos (Newcastle Jets)

Ranking FIFA: 36.º

Presenças em fases finais: 4

Última participação: 2014

Melhor resultado: Oitavos-de-final (2006)

Antevisão: “Apenas uma coisa interessa: sobreviver à fase de grupos. Não estou a pensar além disso. Não estou ainda sequer a pensar além do primeiro jogo, com a França. Este primeiro jogo é fundamental e toda a gente tem que se focar nisso”, disse o selecionar australiano, Bert van Marwik, à World Soccer.