Em outubro de 2017, quando faltavam dois minutos para o final do jogo, Panamá e Costa Rica empatavam a zero. O Panamá precisava de vencer o jogo para fazer história: seria a primeira vez que a seleção do país se qualificava para uma fase final de um Campeonato do Mundo. Román Torres quis ser o homem a escrever o nome a tinta permanente no futebol do país. Marcou, a seleção de Hernán Darío Gómez venceu e os Estados Unidos ficaram de fora do Mundial.

E é precisamente Román Torres que mais preocupa os panamenses. O médio lesionou-se e passou a segunda parte da temporada sem jogar, chegando à Rússia com pouco ritmo e fora de forma. Michael Amir Murillo, de apenas 22 anos, ocupará o seu lugar como cérebro da equipa e vai com certeza aproveitar o Mundial para se mostrar aos clubes europeus que já o procuram.

Blas Pérez, o veterano capitão de 37 anos, é contudo o corpo e a alma do Panamá. Ficou na seleção tempo suficiente para cumprir o sonho de jogar um Campeonato do Mundo e é ele que lidera as parcas ambições da equipa.

Penedo; Murillo, Escobar, Torres, Ovalle; Bárcenas, Gómez, Godoy, Ávila; Torres, Pérez.

Hernán Darío Gómez (colombiano)

Blas Pérez (Municipal)

Convocados

Guarda-redes: Jaime Penedo (Dínamo Bucareste), José Calderón (Marathón) e Alex Rodríguez (San Francisco);

Defesas: Adolfo Machado (Houston Dynamo), Michael Amir Murillo (New York Red Bulls), Felipe Baloy (Municipal), Harold Cummings (San Jose Earthquakes), Fidel Escobar (Sporting San Miguelito/New York Red Bulls), Román Torres (Seattle Sounders), Éric Davis (Dunajská Streda) e Luis Ovalle (Olimpia);

Médios: Gabriel Gómez (Atlético Bucaramanga), Aníbal Godoy (San Jose Earthquakes), Ricardo Ávila (KAA Gent II), José Luis Rodríguez (Gent II), Armando Cooper (Universidad de Chile), Valentín Pimentel (Plaza Amador), Édgar Bárcenas (RNK Split/Cafetaleros);

Avançados: Blas Pérez (Municipal), Luis Tejada (Sport Boys), Gabriel Torres (Atlético Huila), Abdiel Arroyo (Alajuelense) e Ismael Díaz (Deportivo B).

Ranking FIFA: 55.º

Presenças em fases finais: 1.ª participação

Antevisão: “Tendo em conta que este Campeonato do Mundo se joga na Europa, acho que tem de ser um país europeu. Dos países sul-americanos, só o Brasil é que foi campeão na Europa. Por isso, diria que Alemanha, Brasil e Espanha são os sérios candidatos, mas Argentina, Bélgica, Inglaterra, França e até Inglaterra têm boas hipóteses para chegar longe”, Hernán Darío Gómez, à World Soccer.