814kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

The Second Belt And Road Forum For International Cooperation - Day Two
i

Encontro dos dois presidentes em 2019, em Pequim

Getty Images

Encontro dos dois presidentes em 2019, em Pequim

Getty Images

No pior momento para a Rússia desde o início da guerra, Putin precisa de Xi Jinping. A aliança sem limites vai durar?

Último encontro foi em Pequim, em fevereiro, quando prometeram uma aliança "sem limites". Agora, Xi está prestes a chegar ao 3.º mandato e Putin perde terreno na Ucrânia. A parceria é à prova de bala?

    Índice

    Índice

O mundo era um sítio diferente da última vez que os presidentes russo e chinês se encontraram cara a cara. A 4 de fevereiro de 2022, 20 dias antes de a Ucrânia ser invadida por Moscovo, Vladimir Putin encontrava-se com Xi Jinping em Pequim. O motivo era a abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno, boicotados por vários governos ocidentais. O forte do dia era o encontro privado entre os presidentes. Desse aperto de mão, mais um a somar a vários, saiu um compromisso: uma promessa de “aliança sem limites”. Uma promessa que será posta à prova. 

Agora, a meio de setembro de 2022, Putin e Xi reencontram-se, naquela que é a primeira saída do líder chinês de território nacional desde que o vírus da Covid-19 apareceu. Se a pandemia teve peso nas curvas e contra curvas da economia global, a guerra na Ucrânia — que leva mais de 200 dias e já gerou uma crise energética, alimentar — é hoje um dos maiores obstáculos ao crescimento económico a nível planetário. E isso não é fácil de ser ignorado pela China, país que pretende ser uma super-potência do comércio.

Putin e Xi Jinping vão encontrar-se no Uzbequistão na próxima semana

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O reencontro acontece em Samarkand, no Uzbequistão, durante uma reunião de dois dias da Organização para Cooperação de Xangai. A guerra na Ucrânia vai estar na agenda de Putin e Xi, sete meses depois de terem concordado aprofundar a cooperação bilateral nas áreas política e económica (e também na segurança). Nesse dia, as críticas à NATO foram ferozes: num comunicado conjunto, os dois líderes exigiram à Aliança Atlântica que largasse a “ideologia de Guerra Fria”.

Russian President Vladimir Putin visits China Russian President Vladimir Putin receives Chinese President Xi Jinping at the Kremlin

Ao longo dos anos, os líderes visitaram-se, em deslocações oficiais, por diversas vezes. China, 2014. Rússia, 2019.

Getty Images

Avanços ucranianos fizeram Putin perder força

O que mudou nestes 223 dias? No momento do encontro, já havia sinais de que a invasão da Ucrânia poderia mesmo acontecer — chegou a admitir-se que foi combinado entre os dois líderes que a iniciativa de Moscovo só acontecesse depois de concluídos os Jogos de Inverno —, mas nada levava a crer que a Rússia não fizesse valer o seu poderio militar, fazendo cair o governo de Volodymyr Zelensky. Pior. Nem Putin nem Xi imaginariam que o conflito chegaria à atual fase, em que os ucranianos recuperam terreno e há notícias de retirada de tropas russas.

Quatro mil quilómetros quadrados do território recuperado já foram estabilizados, diz Zelensky. Em Hrakove, pensões voltaram a ser pagas

Se Vladimir Putin está no pior sítio possível desde o início da guerra, Xi Jinping, por outro lado, vive um momento de reforço do seu poder dentro de portas. A 16 de outubro, o Partido Comunista da China deverá reconduzir o atual Presidente a um terceiro mandato, algo que era proibido pela Constituição. Apesar disso, a economia chinesa está a estagnar, muito longe dos esperados 5,5% de crescimento, valor que já era considerado baixo para os padrões do país. Apoiar uma guerra que custa crescimento económico à China é a última coisa de que Xi Jinping precisa. Mas ter o apoio do parceiro chinês é fundamental para Putin.

China “não é a melhor amiga” da Rússia

O encontro desta quinta-feira foi combinado muito antes das mais recentes ofensivas ucranianas, recorda o analista de Assuntos Internacionais Mikhail Troitskiy, sediado em Moscovo. Por isso, traça uma linha entre o antes e o depois desses acontecimentos.

“Acredito que Xi estivesse bastante preocupado com o panorama para a sua economia, quando está a tentar um terceiro mandato como Presidente”, diz o analista ao Observador. “Acredito que o Presidente chinês estava interessado em garantir que não existissem novas perturbações na economia global e que o seu panorama se tornasse pior do que aquilo que já é”, refere Mikhail Troitskiy. O analista sublinha que a economia chinesa já está a abrandar e, se o cenário se mantiver, torna-se impossível à China apanhar os EUA.

Ouça aqui o episódio do podcast “A História do Dia” sobre a contestação interna a Vladimir Putin. 

Pode ser o início do fim para Vladimir Putin?

“Por um lado, a China está interessada em manter os EUA em xeque, e estão preocupados com a Ucrânia e a guerra com a Rússia. Mas os chineses também terão feito os seus cálculos e aperceberam-se do impacto negativo que esta guerra está a ter na economia global e no próprio cálculo económico chinês”, acrescenta Troitskiy. Por isso, não acredita que Xi Jinping vá incentivar Putin a continuar com a disputa.

Já Kerry Brown, professor de estudos chineses no King’s College London, lembra a importância da manutenção do regime de Putin para Xi Jinping. “Obviamente que a China não quer que a Rússia desmorone e, num mundo ideal, escolheria uma liderança estável de Putin sobre qualquer outra coisa”, afirmou à CNN Internacional. Mas há um senão: “A Ucrânia é um problema indesejável que Pequim preferiria ver desaparecer. É claro que a China não confia na NATO, nem no Ocidente, mas isso não significa que seja a melhor amiga da Rússia. Esta instabilidade não ajuda a China de nenhuma maneira óbvia.”

Russian President Vladimir Putin Visit In China Russian President Vladimir Putin receives Chinese President Xi Jinping in Moscow

China, 2014. Rússia, 2017.

Getty Images

Incentivar à reconciliação? China poderá ir por esse caminho

Mikhail Troitskiy fala de uma outra possibilidade. “Diria que a China poderá ter um papel reconciliador e encorajar Putin, de alguma maneira, a terminar a campanha russa e a resolver a questão de outras formas, porque esta é muito destabilizadora para a economia global”, considera o analista de Assuntos Internacionais. “Agora, depois da ofensiva ucraniana, penso que estes argumentos só se tornaram mais fortes”, defende, “até porque o Ocidente pode aparecer triunfante mediante o sucesso, mesmo que parcial, da Ucrânia na guerra. E isso torna a posição da China mais fraca”.

Um grande sucesso na política norte-americana de ajuda à Ucrânia, acredita Mikhail Troitskiy, iria afetar negativamente a posição chinesa, se eles estiverem preocupados em manter um equilíbrio de poder. “Por isso, penso que Xi não irá encorajar Putin a continuar pelo mesmo caminho, mas antes procurar soluções ao invés de manter as hostilidades”, refere o analista ao Observador.

Liz Wishnick, investigadora sénior no Centro de Análises Navais, e em licença da Montclair State University, traçou outro cenário quando falou com o Observador. “Esta será a 39.ª reunião de Xi com Putin, portanto, mesmo que a Rússia esteja a enfrentar dificuldades no campo de batalha, é improvável que o líder chinês modere seu apoio.”

A investigadora acredita que “Xi está pessoalmente investido na parceria com a Rússia e não pode ser visto a admitir um revés na política externa antes do 20.º Congresso do Partido Comunista Chinês”, que acontece no próximo mês. “Dito isto, é improvável que Xi forneça mais do que apoio retórico a Putin, provavelmente fará mais críticas à NATO, aos EUA e às sanções. Xi pode dizer algo positivo sobre um a proposta de um gasoduto da Rússia via Mongólia para a China, mas há muitos obstáculos a serem superados, entre os quais as sanções. E haverá as habituais declarações sobre as perspetivas brilhantes para a parceria sino-russa.”

Xi Jinping já teve esse poder de persuasão sobre Putin

Conseguiria o Presidente chinês fazer Vladimir Putin mudar de estratégia? Mikhail Troitskiy acredita que Xi poderá ter esse poder de persuasão, desde que algumas condições se mantenham. “Poderá ter enquanto a China se mantiver como um dos principais compradores do petróleo russo, e também de algum gás natural, mantendo-se neutra, não introduzindo sanções contra a Rússia”, sublinha. Por outro lado, a postura da China é muito importante para a Rússia fazer valer a sua posição, podendo apontá-la como país parceiro, ou como outro Estado que também condena as políticas do Ocidente.

“A opinião da China importa, claro, mas enquanto não houver uma aliança formal, e a China fizer apenas recomendações, a Rússia pode ignorá-las. A China só se torna importante quando é vocal e clara. E a China não tem tradição de tomar posições fortes a não ser sobre Taiwan”, argumenta o analista.

No entanto, recorda que a China tem um antecedente neste género de situações, já que terá tido um papel fundamental na decisão russa de retirar tropas do Cazaquistão, em janeiro deste ano — “É senso comum que, se a China não tivesse pedido à Rússia que se retirasse, as forças russas teriam ficado. É um sinal de que Moscovo ouve Pequim.”

Tropas russas começam a sair do Cazaquistão

Já Velina Tchakarova, diretora do Instituto Austríaco de Política Europeia e de Segurança, sediado em Viena, acredita que o apoio de Xi é fundamental para Putin. “Isso ajuda Moscovo a espalhar a narrativa russa, como, por exemplo, pôr a culpa da crise alimentar nas sanções impostas pela União Europeia ou culpar a NATO pelo início da guerra. Isto cria um denominador comum: insatisfação com o Ocidente, comandado pelos EUA, e o caso positivo de laços mais estreitos com a China”, disse, citada pela CNN Internacional.

Russian President Vladimir Putin receives Chinese President Xi Jinping at the Kremlin APEC Bilateral Meeting - China & Russia

Moscovo, 2019. China, 2014 (Putin oferece um xaile a Peng Liyuan, mulher de Xi)

Getty Images

Putin e Xi deverão falar sobre a guerra, as armas e o medo

Dentro de portas, tudo pode acontecer. Para o resto do mundo, o que conta é o que os líderes dizem quando os microfones lhes estão apontados. A mensagem que será transmitida deverá depender muito da postura do Presidente chinês ao longo do encontro.

“Se Xi for brando com Putin, penso que cada um terá a sua versão da reunião e essa acabará por ir ao encontro dos seus interesses. Mas se a China for mais insistente, e mais vocal, aí acho que vai importar”, refere o analista Mikhail Troitskiy. Lá dentro, talvez falem de armas, mas a comitiva russa, acredita, irá querer discutir a importância de a China não ceder às sanções e continuar a apoiar o Kremlin.

“Será que a parceria não tem mesmo limites como declararam? Ou há limites impostos pelos EUA? Está a China com medo?”, tudo isto são perguntas que, conclui Mikhail Troitskiy, podem ser colocadas pelo lado russo.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos