Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Governo queria fazer o brilharete de baixar, pelo segundo ano consecutivo, o preço da eletricidade. E desta vez com uma descida que fizesse maior diferença no bolso dos consumidores do que os nove cêntimos por mês numa fatura média, segundo os cálculos do regulador para as tarifas de 2018. Mas os cortes, de origem política e regulatória, anunciados às rendas ditas excessivas da EDP — que não estão todos decididos e materializados — podem não ter força para contrariar o que está a acontecer nos mercados de matérias primas. E assegurar a tal descida da fatura em 2019, ano que também é de eleições.

O petróleo ultrapassou os 80 dólares por barril (o valor mais alto em quatro anos), as cotações do carbono atingiram preços recorde na década, o gás natural está m máximos para a época do ano. E ao mesmo tempo há centrais nucleares paradas para manutenção. Há quem lhe chame uma “tempestade perfeita”, expressão usada por um analista da Alfa Energy citado pela Bloomberg para explicar o que se está a passar nos mercados da energia. O cenário negro fica completo com a viragem nas opções energéticas de vários países que estão levar ao abandono, mais ou menos rápido, da energia nuclear.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.