Rádio Observador

Congresso do PS

A caminho do bloco central? /premium

Autor

Costa quer lavar a imagem do PS perante o eleitorado e Rio é o melhor aliado para o fazer. Já Rio precisa de poder para se manter na liderança do PSD após 2019 e, como PM, Costa pode ajudar.

1. Um governo entre o PS e o Bloco de Esquerda é ainda o cenário mais provável para depois das eleições de 2019, mas menos do que até há um mês atrás. Um bloco central (ou um entendimento parlamentar entre o PS e o PSD) é um cenário possível, desde a eleição de Rui Rio para a liderança dos sociais democratas, mas a possibilidade aumentou desde há um mês. O que aconteceu há um mês foi a decisão do PS para acabar politicamente com Sócrates.

A maioria do país politico está neste momento unido no que poderíamos chamar o ‘momento Leopardo’ da política nacional. Na seu famoso livro, O Leopardo, Tomasi Di Lampedusa coloca a personagem principal, Dom Fabrizio, o Príncipe de Salina, a afirmar, no meio das revoluções que levaram à unificação de Itália, “é necessário que alguma coisa mude para que tudo fique na mesma.“ Neste momento, em Portugal, já se percebeu que a ‘condenação’ de Sócrates (e talvez de mais alguns dos seus antigos ministros) permitirá a ilusão de que muito mudou para que fique (quase) tudo na mesma.

António Costa percebeu que seria necessário terminar de vez com a herança de Sócrates cerca de um ano antes das eleições. Ao contrário do PS de Sócrates, o PS de Costa sabe gerir as finanças públicas, de tal maneira que o seu ministro das Finanças foi escolhido para presidir o Eurogrupo. O PS de Costa lidera o combate à corrupção, de tal modo que os seus principais dirigentes sentem “vergonha” pelos actos praticados por Sócrates. Para chegar de cara lavada às eleições de 2019, o PS tem que deixar cair Sócrates e o seu segundo governo, entre 2009 e 2011.

Também já se percebeu que a oposição não pretende atrapalhar a estratégia do PS e de Costa. A recusa da liderança de Rio para aproveitar politicamente o problema Sócrates sugere que há um acordo entre o líder do PSD e o PM. Aliás, Rio parece empenhado em fazer o contrário do que sempre disse. No passado, defendeu, e com empenho, o combate à corrupção, mas agora como líder do PSD facilita a estratégia socialista de se libertar do caso mais embaraçoso da sua história.

O CDS, quase sempre agressivo no combate ao governo, também não quer capitalizar com o caso Sócrates, e o seu silêncio até chega a ser perturbador. O BE e o PCP também estão calados, mas com estes já nada espanta. A verdade é que fica a ideia de que se sabe como começaram as investigações a Sócrates e a Salgado mas ninguém sabe como poderão acabar. O receio exige prudência. Se o PS não deixa que a investigação a Sócrates o destrua, os outros partidos também não permitem que as investigações a Sócrates e a Salgado enfraqueçam a democracia portuguesa(ou os seus partidos para ser mais rigoroso).

O que está em causa não é pouco. Não sabemos como vai progredir a investigação a Sócrates e a Salgado. Também desconhecemos como será o combate de Sócrates pela “sua verdade”, mas a entrevista que deu à Visão mostra um homem convencido que está certo e preparado para a luta. Tendo em conta o desenvolvimento das investigações judiciais e a luta de Sócrates, a questão que se colocará em 2019 é a seguinte: será uma aliança com o BE ou mesmo uma nova geringonça suficiente para concluir a estratégia Leopardo ou será necessário um entendimento político mais alargado entre PS e PSD? A verdade é que Costa quer lavar a imagem do PS perante o eleitorado e Rio é o melhor aliado para o fazer. Por outro lado, Rio precisa de poder para se manter na liderança do PSD após 2019 e, como PM, Costa pode ajudar.

2. A evolução da situação política europeia também poderá favorecer um entendimento entre o PS e o PSD. As incertezas do Brexit (em Março) e as crises políticas em Itália e em Espanha vão fazer de 2019 um ano complicado e instável. Em 2019, a Itália estará em conflito com a União Europeia, por causa das regras do Euro, ou a preparar-se para novas eleições. E a Espanha continuará entre eleições, governos minoritários e o conflito entre Madrid e a Catalunha. Neste ambiente político, Portugal terá que mostrar que é o país mais estável no sul da zona Euro e isso poderá exigir mesmo um bloco central.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maioria de Esquerda

Geringonças e blocos centrais /premium

João Marques de Almeida
102

Depois da sua posição, se quiser ser coerente (não é evidente que queira), Rio terá que defender um referendo à eutanásia. Os temas de consciência individual não podem ser decididos só pelos deputados

Assembleia Da República

Atentados às crianças /premium

Maria João Marques

Não vejo bem como defender um quadro legal que permite que o agressor continue a contactar a vítima criança, muitas vezes usando-a para atormentar a mãe (o que também atormenta a criança).

PCP

PCP: partido liberal falhado?

José Miguel Pinto dos Santos
6.765

Será então que a proposta eleitoralista de taxar depósitos acima de 100 mil euros um desvio liberal de um partido warxista? De modo algum. Não só é iliberal como irá agravar a próxima crise económica.

Maioria de Esquerda

A síndrome Maria Heloísa /premium

André Abrantes Amaral

Não pensem que a maioria absoluta livra o PS do BE ou do PCP. Tanto um como outro são já parte integrante do PS que recebeu de braços abertos membros que, noutras eras, teriam aderido ao PCP ou ao BE.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)