1. Um governo entre o PS e o Bloco de Esquerda é ainda o cenário mais provável para depois das eleições de 2019, mas menos do que até há um mês atrás. Um bloco central (ou um entendimento parlamentar entre o PS e o PSD) é um cenário possível, desde a eleição de Rui Rio para a liderança dos sociais democratas, mas a possibilidade aumentou desde há um mês. O que aconteceu há um mês foi a decisão do PS para acabar politicamente com Sócrates.

A maioria do país politico está neste momento unido no que poderíamos chamar o ‘momento Leopardo’ da política nacional. Na seu famoso livro, O Leopardo, Tomasi Di Lampedusa coloca a personagem principal, Dom Fabrizio, o Príncipe de Salina, a afirmar, no meio das revoluções que levaram à unificação de Itália, “é necessário que alguma coisa mude para que tudo fique na mesma.“ Neste momento, em Portugal, já se percebeu que a ‘condenação’ de Sócrates (e talvez de mais alguns dos seus antigos ministros) permitirá a ilusão de que muito mudou para que fique (quase) tudo na mesma.

António Costa percebeu que seria necessário terminar de vez com a herança de Sócrates cerca de um ano antes das eleições. Ao contrário do PS de Sócrates, o PS de Costa sabe gerir as finanças públicas, de tal maneira que o seu ministro das Finanças foi escolhido para presidir o Eurogrupo. O PS de Costa lidera o combate à corrupção, de tal modo que os seus principais dirigentes sentem “vergonha” pelos actos praticados por Sócrates. Para chegar de cara lavada às eleições de 2019, o PS tem que deixar cair Sócrates e o seu segundo governo, entre 2009 e 2011.

Também já se percebeu que a oposição não pretende atrapalhar a estratégia do PS e de Costa. A recusa da liderança de Rio para aproveitar politicamente o problema Sócrates sugere que há um acordo entre o líder do PSD e o PM. Aliás, Rio parece empenhado em fazer o contrário do que sempre disse. No passado, defendeu, e com empenho, o combate à corrupção, mas agora como líder do PSD facilita a estratégia socialista de se libertar do caso mais embaraçoso da sua história.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.