Xi Jinping

A China, o Ocidente e o silêncio entre nós /premium

Autor
145

Recordando a pergunta de Churchill em 1938: Não temos nós uma ideologia própria na liberdade, numa Constituição liberal, no governo democrático e parlamentar, na Magna Carta e na Petição de Direitos?

Chega amanhã a Lisboa o Presidente (vitalício) da República Popular da China, Xi Jinping, que é também o líder do partido comunista chinês e da comissão que dirige as forças armadas daquele país. E é no mínimo surpreendente o silêncio que entre nós se faz sentir acerca do intenso debate que vem ocorrendo no Ocidente sobre a ameaça crescente da China comunista na ordem internacional.

Já aqui dei conta, em Maio passado, deste nosso intrigante silêncio sobre as preocupações ocidentais face à estratégia global chinesa. Lamento ter de voltar a assinalar hoje a permanência desse silêncio desagradável.

Não é possível resumir aqui o intenso debate que está a ocorrer no Ocidente sobre as ameaças da estratégia global chinesa. Mas algumas breves referências são possíveis. Ainda na passada sexta-feira, 30 de Novembro, Ivan Krastev escrevia em The New York Times que, após 3 meses em Washington, uma das principais conclusões que retirara dizia respeito à China:

“Republicanos e Democratas discordam hoje em quase tudo, mas uma área em que parece existir efectiva convergência bi-partidária é sobre a necessidade de mudar a política americana face à China. (…) O autoritarismo chinês é hoje um adversário das democracias liberais muito mais perigoso do que o comunismo soviético alguma vez foi”.

Nem de propósito, no dia anterior, em The Washington Post, Carl Gershman, presidente do National Endowment for Democracy criado em 1982 pelo Presidente Reagan, denunciava o autoritarismo expansionista chinês e apelava a um entendimento bi-partidário para lhe fazer frente. Nesse mesmo dia, The Wall Street Journal publicava um apelo de 32 académicos americanos para maiores restrições à concessão de vistos a jornalistas e académico chineses — como resposta ao controlo chinês sobre a entrada de académicos americanos.

Dois dias depois, 1 de Dezembro, a capa da revista britânica The Economist era mais uma vez sobre a China — desta feita sobre a concorrência desleal chinesa na área tecnológica. Na edição da semana anterior, 24 de Novembro, The Economist dedicava um denso artigo ao Gulag chinês de Xinjiang — um gigantesco campo de “transformação pela educação” onde se encontram detidos sem julgamento cerca de um milhão de chineses muçulmanos, maioritariamente da etnia Uighur.

Há duas semanas, a China era também tema de capa da revista britânica The Spectator. Dois artigos davam conta do aterrador sistema tecnológico de controlo pelo estado chinês dos mais ínfimos comportamentos dos cidadãos — o chamado sistema de “crédito social”.

Trata-se de um gigantesco “Big Brother” que já está em curso. “A Inteligência Artificial é indispensável para a manutenção da estabilidade social”, diz o governo comunista chinês. E a IA está a ser usada sem escrúpulos, e sem controlo por entidades independentes, para registar as compras, os telefonemas, as consultas na internet, e tudo o mais que (não) se possa imaginar acerca das escolhas dos cidadãos. Em conclusão, escreve Charles Parton em The Spectator:

“Qualquer pessoa que seja considerada anti-social (ou anti-partido comunista) será impedida de adquirir bilhetes de comboio ou avião, obter um empréstimo para comprar casa ou mesmo estudar na universidade. (…) O Tribunal Supremo anunciou que 6,7 milhões de pessoas foram proibidas de comprar bilhetes de avião e de comboio”.

Estes e muitos outros aspectos do autoritarismo expansionista chinês são tratados em profundidade num dossier especial da edição de Abril da revista trimestral norte-americana Journal of Democracy. Oito artigos, em cerca de 78 páginas, analisam os vários aspectos da política interna e externa chinesa. Todos convergem na mesma conclusão de que “a política externa chinesa abraçou uma nova estratégia com o objectivo de minar a ordem liberal ocidental, promover a hegemonia chinesa na Ásia e a expansão da influência chinesa à escala mundial”.

Portugal, diz a mais recente edição do semanário Expresso num tom oblíquo, é o maior destinatário europeu do investimento chinês, depois da Finlândia. O mesmo jornal vai depois “pescar” um desconhecido professor de Cambridge (“the other place”, costuma ser dito) que elogia o “pragmatismo” de Portugal [democrático, eu acrescento] e da China [comunista, também acrescento eu]. Perante esta complacência nativa face ao expansionismo chinês, é caso para recordar a pergunta de Winston Churchill em 1938 face à dupla ameaça nacional-socialista (mais conhecida por nazi) e comunista: “Não temos nós uma ideologia própria — se tivermos de usar esta horrível expressão, ‘ideologia’ — não temos nós uma ideologia própria na liberdade, numa Constituição liberal, no governo democrático e parlamentar, na Magna Carta e na Petição de Direitos?”

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada
162

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Livros

Um simpático “reaccionário minhoto” /premium

João Carlos Espada

O nosso “reaccionário minhoto” desafia todos os dogmas politicamente correctos. Mas nunca é agressivo; nunca está zangado; e transmite uma atitude critica, mas tolerante, de “live and let live”.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)