Política

A Direita, a Galp e também o Brexit /premium

Autor

Adolfo Mesquita Nunes interrompeu a sua carreira política. É pena porque poderia vir a ser um bom candidato presidencial contra Marcelo.

A união da direita

No sábado, pelas 17 horas, é lançado o Movimento 5.7, uma iniciativa do deputado Miguel Morgado. É no Espaço Espelho de Água, em Belém. A Direita levou demasiado tempo para perceber que, perante a geringonça, apenas com a união dos partidos que a compõem é possível apresentar uma alternativa à governação socialista. Com o PCP e o BE determinantes na subsistência de um governo, a realidade política que se iniciou em 2015 é semelhante à de 1979. Tal como na altura, e perante a incapacidade do PS se descolar da extrema-esquerda, a única forma de Portugal ter um governo capaz de fazer as reformas necessárias é com uma aliança democrática de todos os partidos de Direita. Militantes do PSD, do CDS, da Aliança e da Iniciativa Liberal, juntamente com muitos independentes, estarão presentes no sábado. Todos são bem-vindos à família não socialista.

Adolfo Mesquita Nunes e a Galp

É perfeitamente legítimo que Adolfo Mesquita Nunes suspenda a sua carreira política em benefício da profissional. Mas há três comentários a fazer relativamente a este assunto que não podem ser varridos para debaixo do tapete: primeiro, que é pena que uma empresa como a Galp sinta necessidade de contratar um político para exercer um cargo não executivo na sua administração. Bem sei que estas são as regras, mas estas regras revelam bem como é que o país funciona. Segundo, que não deixa de ser negativo para o CDS que a demissão de Mesquita Nunes do cargo de vice-presidente do partido suceda em cima das europeias e a seis meses das legislativas. O terceiro comentário já é relativo à Direita mencionada no início desta crónica e que vai precisar de um candidato presidencial contra Marcelo, sob pena do seu projecto político ser minado por este. Pelo seu percurso, capacidades políticas e boa projecção que tem na imprensa, Adolfo Mesquita Nunes poderia vir a ser um bom candidato presidencial em 2021.

Brexit

Theresa May vai pedir a Bruxelas o adiamento do Brexit. Se este é aceite, em que termos e por quanto tempo depende do objectivo desse mesmo adiamento. Se é para ficar na mesma talvez nem valha a pena perder muito mais tempo com este episódio. Mas talvez se pudesse considerar uma de duas soluções: o estabelecimento de um prazo para a saída, com a condição do processo se considerar extinto (e sem Brexit) se até essa data a Câmara dos Comuns não aprovar o acordo de May com a UE, ou a submissão a referendo do acordo conseguido por Theresa May. Esse sim, seria um referendo sério, de uma proposta concreta. Não a armadilha em que os Britânicos caíram em 2016.

Advogado

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Paris

A Notre-Dame de Paris (e nossa) /premium

André Abrantes Amaral

A Notre-Dame de Paris foi construída num tempo de mudança, para fazer face a essas mudanças, mas também para fazer parte delas. Era um marco de um tempo em que a Igreja estava a par do tempo.

Crónica

Agostinho da Silva /premium

André Abrantes Amaral

O homem não nasceu para trabalhar, mas para criar. Ou como um miúdo de 15 anos conversou com alguém com mais de 80 sobre temas como o não termos nascido para trabalhar ou que a vida devia ser gratuita

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)