Rádio Observador

Eleições Europeias

Aliança, Iniciativa Liberal e Basta: análise dos resultados e perspectivas

Autor
994

Os novos partidos no espaço não socialista poderão ser (também) sintomas da crise e fraca capacidade de mobilização de PSD e CDS, mas não são os responsáveis pelos seus maus resultados eleitorais.

Nas eleições europeias do último Domingo estrearam-se três novos partidos que se procuram posicionar no espaço não socialista: Aliança (liderado por Pedro Santana Lopes), Iniciativa Liberal (liderado por Carlos Guimarães Pinto) e Chega (liderado por André Ventura e que se apresentou a eleições integrado na coligação Basta com PPM e PPV/CDC). Segue-se uma breve análise dos seus resultados e perspectivas para o futuro.

Entre os três, o Aliança foi o mais votado, com 1,9% a nível nacional, mas também a maior desilusão. Com um ex primeiro-ministro como líder, bastante mais exposição mediática do que os restantes pequenos partidos, uma campanha profissional e com bastantes recursos e um cabeça de lista às europeias (Paulo Sande) com boa imagem e boa preparação, o Aliança fica ainda assim longe de eleger e abaixo dos 2%. O resultado é tanto menos animador num contexto em que o PSD regista uma profunda crise e um dos piores resultados da sua história. A tentativa de dividir o PSD e afirmar um novo partido à direita falhou, pelo menos para já.

Em termos objectivos, a votação obtida pelo Aliança não fecha a porta à possibilidade de eleger deputados nas legislativas de Outubro. Ainda assim, considerando o ponto de partida nestas eleições europeias em que o partido investiu bastante e beneficiou do excelente desempenho de Paulo Sande, é difícil perspectivar que o Aliança possa ter uma dinâmica de crescimento e afirmação maiores até lá.

Sem caras mediáticas e com uma campanha energética muito centrada nas redes sociais (a única opção para quem tem para já pouco espaço nos media tradicionais), o Iniciativa Liberal obteve 0,9% na sua estreia. Um resultado muito aquém do necessário não só para fazer eleger o cabeça de lista Ricardo Arroja, mas também para ter possibilidade de eleger deputados em legislativas.

Com um perfil eleitoral essencialmente urbano, os resultados superiores a 1% nos distritos de Lisboa e no Porto abrem perspectivas um pouco mais favoráveis do que o total nacional, mas ficaram ainda assim claramente abaixo dos obtidos por Aliança e Basta. O facto de o partido e os seus protagonistas terem ainda muito baixos níveis de reconhecimento entre o eleitorado sugere que pode haver uma margem de progressão significativa, mas a IL precisará de aumentar significativamente o número de votos para entrar no Parlamento em Outubro.

A terceira nova força no espaço não socialista, o Basta, teve a trajectória mais atribulada (o próprio nome da coligação resulta de problemas com a regularização do novo partido Chega), mas conseguiu ainda assim um promissor resultado nacional de 1,5%. Centrado na figura de André Ventura — um líder com alguma exposição por via da CMTV e da sua trajectória anterior no PSD — o partido apresenta um potencial de crescimento significativo, em especial no distrito de Lisboa (ao contrário do que aconteceu com Aliança e IL, o Basta teve uma votação muito melhor em Lisboa do que no Porto).

Se por um lado a trajectória atribulada e a campanha pouco consistente (André Ventura chegou a faltar a um debate político para cumprir obrigações de comentário desportivo na CMTV) terão prejudicado o resultado, por outro sugerem que pode haver uma ampla margem de melhoria com uma campanha competente. Como Jaime Nogueira Pinto tem vindo a realçar, André Ventura e o seu movimento são, até agora, os melhores candidatos a ocupar um terreno político que em outros países se tem revelado fértil. Se Ventura terá a arte, persistência e consistência intelectual para o fazer é uma questão que continua em aberto, mas os resultados das europeias sugerem que o potencial eleitoral existe, em especial em Lisboa (onde tanto os 2,2% do Basta como os 2,8% do Livre e os 2,9% do Aliança abrem, em teoria, algumas perspectivas de eleição de pelo menos um deputado em legislativas).

Duas notas finais sobre outros casos de novos partidos no passado e sobre os efeitos dos novos partidos no PSD e no CDS.

Relativamente a novos partidos, Portugal tem sido um cenário em que é muito difícil a sua afirmação sustentada. O caso mais bem sucedido é o do Bloco de Esquerda mas que, importa recordar, resulta da fusão de partidos previamente existentes (o próprio Francisco Louçã falhou várias vezes a tentativa de se fazer eleger deputado pelo PSR). É verdade que o PAN começou com cerca de 1% há 10 anos e está hoje numa aparente trajectória de consolidação, mas não é menos verdade que o Livre de Rui Tavares se estreou nas eleições europeias de 2014 com uma votação global superior a 2% e falhou na eleição de deputados nas legislativas de 2015.

Quanto a efeitos dos novos partidos à direita, não é razoável admitir que todos os votos nos novos partidos teriam, na ausência destes, ido para PSD ou CDS. Uma parte dos pouco mais de 4% de eleitores portugueses que votou no Aliança, Iniciativa Liberal ou Basta teria certamente optado pela abstenção ou então por outro partido que não PSD ou CDS. Ainda assim, o máximo que se poderá afirmar é que PSD e CDS poderiam ter elegido mais um eurodeputado cada, mas sem deixarem de ter resultados historicamente muito maus. Os novos partidos no espaço não socialista poderão ser (também) sintomas da crise e fraca capacidade de mobilização de PSD e CDS, mas não são os responsáveis pelos seus maus resultados eleitorais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberalismo

Anthony de Jasay (1925-2019)

André Azevedo Alves

Com uma personalidade de trato nem sempre fácil e ideias heterodoxas e politicamente incorrectas, Jasay fez o seu percurso maioritariamente à margem do sistema académico vigente. 

Ensino Superior

A fraude da eliminação das propinas

André Azevedo Alves
893

Aos 18 anos os jovens poderiam votar, mas estariam ao mesmo tempo sujeitos à frequência compulsiva de um “ciclo geral universitário” para receberem a adequada doutrinação socialista.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)