Rádio Observador

Fogo de Pedrógão Grande

Assassinos por negligência

Autor
791

Pedro Passos Coelho dispõe de créditos mais do que suficientes para se equivocar sem ver beliscada a sua rara postura de estadista nesta nau de histriónicos.

A hipocrisia que está a levar o regime à falência e a dar cabo da vida de pessoas comuns, e o modo como alguns usurpam o poder através do monopólio da legitimidade da palavra, justifica fortíssimas indignações. É neste momento, não noutro, que devem ser manifestadas.

Não duvido que Pedro Passos Coelho, líder do PSD, foi imprudente ao referir-se a um caso ou a casos de suicídio na sequência do incêndio de Pedrógão Grande por falta de apoios atempados do Estado. Porém, bem pior está a ser a reação brutal das redes sociais, secundada por declarações oficiais do PS que a sua fiel mensageira, a TSF, acabou de passar num dos seus noticiários.

Reservo-me o direito a uma reação não menos brutal. Se o facto é relevante, a atitude de Pedro Passos Coelho, ainda mais relevante nos domínios cívico e político é o fenómeno que ele voltou a destapar, esse sim sustentáculo de governações irresponsáveis que propagam muitos fogos, fictícios ou simbólicos, de que Portugal há décadas padece.

As recentes palavras do líder do PSD estão e irão permitir tapar o sol com a peneira, mas apenas se deixarmos. Os tolos de uma certa esquerda estão convencidos de que, uma vez mais, podem instrumentalizar a patetice da “falta de sensibilidade social” da direita por cima de cadáveres reais, desta feita simbolizada num suposto aproveitamento sanguinolento de um dos seus líderes num momento difícil para o país.

Pedro Passos Coelho, ser humano como qualquer um de nós, simplesmente não merece o que está a ser feito e apenas por ser político do campo “moralmente sempre errado”.

O rol de adjetivações violentas de que o atual líder do PSD sempre foi alvo, sobretudo enquanto governante e por situações muitíssimo menos graves e mesmo injustificadas, tornou-se no espaço público uma espécie de direito divino das esquerdas. Se ele, Pedro Passos Coelho, dispõe de créditos mais do que suficientes para se equivocar sem ver beliscada a sua rara postura de estadista nesta nau de histriónicos, não me exijam, enquanto cidadão, que engula com complacência um sapo a abarrotar de urnas.

Por que razões não será legítimo rotular politicamente de homicidas por negligência ou, para usar uma retórica mais ajustada à esquerda, de assassinos por negligência os responsáveis máximos de um estado que, face a um conjunto de episódios graves com datas e locais inequívocos, socialmente não se livrará de indícios sustentáveis que o apontam como responsável por muitas mortes, sendo parte delas seguramente evitável?

Cansa viver num país em que a liberdade de expressão quando é verdadeiramente incómoda é uma miragem e, quando funciona, é sempre para um mesmo lado, o esquerdo. Uma das causas estruturais de sofrimento e pobreza. Deste ou de qualquer povo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

«A Amazônia é do Brasil, não é de vocês!»

Gabriel Mithá Ribeiro
180

Como se explica a invisibilidade da ameaça ambiental em paragens com governos amigos de esquerda, alguns deles recordistas em atropelos ambientais, como a China ou grandes partes de África?

Política

Bem-vindo Donald Trump, António Costa merece!

Gabriel Mithá Ribeiro
357

A direita em Portugal, e o PSD muito em particular, nunca foram capazes de afirmar um discurso sociológico autónomo. CDS-PP e PSD insistem em nem sequer o tentar, mesmo quando se aproximam eleições.

Racismo

A deficiência moral da esquerda branca e activista

Gabriel Mithá Ribeiro
3.277

A esquerda branca cujos rostos andam pela universidade e pela comunicação social transformou a pobreza material das minorias, por tradição circunstancial, em miséria moral que torna a pobreza endémica

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)