Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Durante quatro anos, Trump foi responsável por todos os conflitos internacionais que envolvessem os Estados Unidos. Mas com Trump exilado na Florida, começa a perceber-se que o antigo Presidente não era o único culpado pela degradação da situação internacional, sobretudo na relação entre os Estados Unidos e a China. Gostaria de sublinhar duas contradições que surgem frequentemente nas análises sobre a política mundial.

Muitos que celebraram a chegada de Biden à Casa Branca são também aqueles que não querem ouvir falar de um regresso a uma nova Guerra Fria. Mas Trump era na realidade o Presidente pós-Guerra Fria. Desvalorizava a dimensão ideológica na política mundial, valores democráticos e direitos humanos nada diziam a Trump, e defendia uma política externa unilateral, apoiada na mais pura realpolitik. Trump identificava-se mais com Putin do que com Merkel, e ignorou a violação dos direitos humanos em Hong Kong, apesar do conflito comercial com a China. Se fosse no seu interesse, faria um acordo de coexistência pacífica com Pequim, independentemente de qualquer consideração de ordem ideológica.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.