Estados Unidos da América

Carta da América: Um debate ao centro /premium

Autor

Quem ganhou as eleições intercalares de terça-feira nos Estados Unidos? A resposta foi unânime: a democracia americana. Porque nenhum partido ganhou absolutamente.

Na 11ª hora, do 11º dia, do 11º mês, o mundo civilizado prestou homenagem aos combatentes caídos na I Guerra Mundial, finalmente encerrada há cem anos. Também aqui, em Williamsburg, uma velha cidade colonial americana na Virgínia, onde teve lugar a 35ª edição anual da International Churchill Conference, foi prestada solene homenagem.

Randolph Churchill, bisneto do velho estadista, abriu a cerimónia às 11 horas em ponto de domingo, lendo o texto que o bisavô escrevera em Londres, cem anos antes. Seguiram-se três poemas alusivos à I Guerra. E a cerimónia terminou com as centenas de participantes de pé, observando um minuto de silêncio.

A 35ª International Churchill Conference tivera início na noite de sexta-feira, escassos três três dias após as muito disputadas eleições americanas de terça-feira. Sobre os resultados dessas eleições, o Presidente Trump e os seus rivais (na América e no resto do mundo) igualmente reclamaram vitória. Mas não aqui, em Williamsburg, entre largas centenas de ordeiros admiradores de Churchill, oriundos sobretudo da América, do Canadá e do Reino Unido.

Não se ouviu um insulto, um azedume, uma acusação, um elevar da voz. Todos cantaram de pé os hinos dos três países. Todos brindaram de pé à Rainha (chefe de estado do Canadá e do Reino Unido), ao Presidente americano, e à memória de Churchill.

Mas certamente havia muitos Republicanos e Democratas entre os participantes, bem como ‘brexiters’ e ‘remainers’, conservadores e liberais, também alguns (embora certamente menos) trabalhistas. E todas estas diferentes disposições políticas estiveram patentes nos debates dos três dias da conferência. Mas não houve agressões entre elas.

Quem ganhou as eleições de terça-feira? A resposta foi unânime: a democracia americana. Porquê? Porque nenhum partido ganhou absolutamente. Os Republicanos aumentaram a maioria no Senado, mas os Democratas obtiveram uma muito significativa vitória na Câmara dos Representantes. Isso significa basicamente que ninguém obteve um poder absoluto. E que ambos os lados vão ter de conviver com o outro. Se tudo correr bem, isso significa que os disparates de cada lado serão moderados mutuamente pelo lado contrário.

Esta mútua moderação foi patente nos debates dos inúmeros painéis — sobretudo na eloquente intervenção de Anthony M. Kennedy, juiz do Supremo Tribunal nomeado por Ronald Reagan em 1988 e recentemente jubilado.

O nacionalismo foi condenado. Mas o patriotismo foi elogiado. O proteccionismo económico foi criticado. Mas foi defendido o direito de cada país a controlar a imigração. A abolição de fronteiras nacionais foi condenada. Mas o comércio livre foi elogiado. Foi criticada a discriminação contra as minorias, mas foram drasticamente condenadas as políticas tribais de idolatria das minorias, em detrimento de políticas de unidade nacional. E, embora o sentimento de orgulho nacional tenha sido recorrentemente elogiado, este foi enfaticamente distinguido da hostilidade contra outras nações. E foi sublinhado que o interesse nacional não pode nem deve ser entendido sem referência aos valores da liberdade, democracia e respeito pela dignidade de cada pessoa.

Um dos momentos altos da conferência foi a apresentação, já no domingo, da nova biografia de Churchill, em um só volume, por Andrew Roberts (Churchill: Walking with Destiny, Viking, 2018, 1105 páginas). No sábado, Allen Packwood, director do Churchill Archive em Cambridge, apresentara também o seu novo livro (How Churchill Waged War, Frontline Books, 2018, 271 páginas).

Uma destas apresentações deu lugar ao momento de mais alta tensão da conferência. Andrew Roberts declarou que a educação de Churchill assentara basicamente em auto-educação, fundada num contínuo e muito exigente programa pessoal de leituras dos clássicos. E concluiu: “nem poderia ter sido de outra maneira, uma vez que Churchill foi enviado pelos pais para Harrow” (um dos mais famosos colégios privados britânicos, rival de Eton).

Houve imediatos protestos na sala, misturados com sonoras gargalhadas. E, a seguir, ouviram-se palavras de ordem rivais: “Harrow! Harrow!”, contra “Eton! Eton!”. O presidente da sessão pediu ordem na sala. Com alguma dificuldade, a serenidade foi finalmente restabelecida.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Winston Churchill

A arrogância da ignorância /premium

João Carlos Espada
162

Como devemos interpretar que um dirigente do segundo maior partido britânico venha dizer em público que o líder do mundo livre durante a II Guerra, Winston Churchill, foi um “vilão”?

Livros

Um simpático “reaccionário minhoto” /premium

João Carlos Espada

O nosso “reaccionário minhoto” desafia todos os dogmas politicamente correctos. Mas nunca é agressivo; nunca está zangado; e transmite uma atitude critica, mas tolerante, de “live and let live”.

Moçambique

A extradição de Chang e o futuro da Frelimo

Manuel Matola

Apesar da complexidade do caso e da gravidade das acusações contra Manuel Chang, uma eventual extradição para Moçambique garantiria de que o processo-crime que corre em Maputo teria uma morte natural.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)