Rádio Observador

Saúde

Choque de Gestão na ADSE

Autor
  • Rui Nunes
327

É exigência ética que os recursos que os funcionários e agentes do Estado colocam à disposição do conselho diretivo sejam usados de forma eficiente para garantir a sustentabilidade deste subsistema.

A ADSE é um seguro público de saúde totalmente financiado pelas contribuições dos seus beneficiários, isto é pelos funcionários públicos e outros agentes do estado.

Importa desde logo clarificar o mito sobre o financiamento deste subsistema de saúde dado que se afirma frequentemente – por desconhecimento ou má-fé – que a ADSE é financiada pelo conjunto dos contribuintes portugueses, o que não é verdade. Os funcionários públicos descontam 3,5% do seu salário bruto para este seguro, que é considerado o melhor de Portugal. Porquê? Porque não apenas fornece um alargado leque de benefícios mas, também, porque ao contrário dos seguros comerciais, é um seguro solidário. Solidário porque se mantém ao longo de toda a vida da pessoa, sem qualquer limite de idade. Quando as pessoas mais necessitam de cuidados de saúde, desde logo na terceira idade, a ADSE está lá. Mais ainda, como os reformados recebem uma pensão de menor valor do que o seu salário no ativo, o desconto líquido decresce em vez de aumentar. Trata-se de uma regressividade socialmente justa e solidária. Talvez por isso seja residual o número de beneficiários que recorrem ao opting-out e que escolhem outro seguro de saúde.

Mas é necessário que a sua gestão seja modernizada e que exista um choque de gestão de acordo com os princípios da eficiência, do rigor e da racionalidade económica. Trata-se de uma nova gestão pública da saúde que já começou a ser implementada nos hospitais e centros de saúde, e que tem que ser igualmente implementada na ADSE. Note-se que mais de um milhão de portugueses usufruem deste serviço e é uma exigência ética que os recursos que os funcionários e agentes do Estado colocam à disposição do conselho diretivo sejam utilizados de forma eficiente para garantir a sustentabilidade deste subsistema. Seria inaceitável que, por má qualidade de gestão, viesse a ser exigido daqui a algum tempo um aumento das contribuições para 4 ou 5% do vencimento.

E o que fazer então? Por um lado implementar modernas ferramentas de gestão na ADSE que permitam uma gestão ágil e distanciada dos tradicionais constrangimentos da administração pública. Por outro, alargar a base de contribuição a camadas mais jovens da população de modo a garantir a sua sustentabilidade no futuro. Por fim que se estabeleçam parcerias equilibradas com o setor privado de modo a garantir que os beneficiários continuam ter acesso a prestadores de elevado nível como acontece atualmente. O que implica que os operadores privados entendam que se iniciou um novo ciclo de gestão na ADSE.

Em síntese deve prevalecer o bom senso. Com firmeza e determinação esta nova administração deve ter a capacidade de negociar, o que implica rigor na gestão, mas abertura para programar o futuro sem sobressaltos.

Professor Catedrático da Universidade do Porto

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)