Rádio Observador

PS

Democracia de um só partido /premium

Autor
376

O PS quer estar sempre no poder, sendo o partido do Estado, e se possível sempre no governo, umas vezes com o apoio das esquerdas radicais, outras com a ajuda do PSD. Eis o favor que Rio fez a Costa.

Os dez anos de governos de Cavaco Silva foram o maior trauma da história do PS. Esqueçam o Estado Novo e o Salazarismo. O verdadeiro trauma para os socialistas foi o Cavaquismo. A década Cavaquista constituiu uma ameaça à visão socialista da democracia portuguesa pós-25 de Abril.

Há várias interpretações sobre o significado da revolução dos cravos, de acordo com os objectivos dos partidos políticos. O PCP e as esquerdas radicais nunca olharam para o 25 de Abril como o início de um regime democrático, mas como uma revolução para substituir uma ditadura, o Estado Novo, por outra ditadura, comunista, provavelmente – tendo em conta o exemplo soviético – bem mais violenta. Para o PSD e o CDS, o fim do Salazarismo abriu a porta a um regime democrático ocidental, pluralista e liberal, apoiado na integração europeia. A versão do PS é semelhante mas não é exactamente a mesma. O pluralismo democrático deve ser limitado pela hegemonia do PS no sistema político. O PS ocuparia um lugar central e especial na democracia portuguesa. Seria o partido natural do poder. Seria, na III República, o que o Partido Republicano de Afonso Costa foi na I república. Na concepção socialista de democracia, a ideologia jacobina foi sempre mais forte do que a tradição social democrata, de resto fraca no PS, ao contrário do que se passa com os partidos de esquerda noutros países europeus.

Para os socialistas, o 25 de Abril foi feito para o PS estar no poder e não na oposição. Foi este programa de poder que Cavaco Silva ameaçou. Daí o profundo ódio que os socialistas sentem por Cavaco, como aliás não sentem por qualquer outro político da democracia portuguesa. Durante alguns anos Sá Carneiro foi a grande ameaça aos socialistas. Logo na década de 1970, Sá Carneiro percebeu o essencial: a democracia portuguesa só estaria completa quando houvesse uma alternativa ao PS, que fosse do centro à direita. Foi isso que a primeira AD conseguiu. Mas depois Sá Carneiro morreu.

Após a década Cavaquista, os socialistas aprenderam a lição. O exemplo Cavaquista não se poderia repetir. O PS nunca mais poderia estar uma década fora do poder. Por isso, a partir de 1995, tratou de ocupar o poder, num sentido mais vasto do que o governo, começando pelo Estado, incluindo os diferentes órgãos de soberania. Depois a comunicação social que interessa, as televisões. E por fim, os sectores centrais da economia privada. Mas para a estratégia socialista, o controlo do Estado é o ponto fundamental. Em Portugal, quem controla o Estado manda no país (este é o aspecto da herança Salazarista de que o PS gosta e nada fará para mudar). Esta estratégia de poder conheceu o seu momento mais alto durante os anos de Sócrates como PM, onde o único limite real ao poder socialista foi, mais uma vez, Cavaco Silva.

O sucesso desta estratégia é evidente. Desde 1995, o PS tem estado sempre no poder. Mesmo nos raros intervalos em que não esteve no governo, continuou no poder. Durante estas duas décadas e meia, Passos Coelho foi a principal ameaça ao poder socialista. Se Passos Coelho e Paulo Portas tivessem continuado no governo, em 2015, seria o regresso do fantasma Cavaquista e uma nova ameaça ao poder do PS. Mas quatro anos não foram suficientes para enfraquecer irremediavelmente o poder socialista. Depois do PSD e do CDS terem sido úteis para fazer o trabalho sujo, o PS retomou o seu projecto hegemónico, reduzindo o PCP e o Bloco à condição de ajudantes.

Apesar da geringonça, que foi apenas a estratégia necessária em 2015, para evitar um novo governo de Passos Coelho, o PS não quer, nem nunca quis, uma polarização entre a esquerda e a direita. Esse era o projecto de Sá Carneiro e de Cavaco: a alternativa entre a esquerda liderada pelo PS, e a direita liderada pelo PSD. Mas esse confronto ameaça a hegemonia do PS na democracia portuguesa.

O PS quer estar sempre no poder, sendo o partido do Estado, e se possível sempre no governo, umas vezes com o apoio das esquerdas radicais, outras vezes com a ajuda do PSD. Eis o favor que Rui Rio fez a António Costa. Transformou o PSD num possível aliado menor do PS, em vez de liderar uma verdadeira oposição aos socialistas. Ou seja, está a contribuir para reforçar a hegemonia socialista em Portugal: o verdadeiro projecto do PS, desde Mário Soares até António Costa. O PS nunca mudará e não o culpem por reforçar o seu poder. É ao PSD que compete liderar uma alternativa não-socialista suficientemente forte para conquistar uma maioria absoluta. Enquanto não for capaz, o PS estará no governo para sempre.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Pode haver acordo em Bruxelas /premium

João Marques de Almeida

O Brexit já acabou com dois líderes conservadores. Desconfio que também acabará com um líder trabalhista. A Europa não divide apenas os conservadores. Também divide, e muito, os trabalhistas.

Eleições

A grande vitória de Passos Coelho /premium

João Marques de Almeida
841

Costa e o PS não mudaram porque descobriram de repente as virtudes do controlo da despesa pública. Mudaram porque os portugueses os forçaram a mudar e perceberam-no quando perderam as eleições de 2015

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)