Desporto

E se deixássemos todos de ver futebol?

Autor

O que está hoje mal e o que está hoje bem no futebol? O que está bem? O jogo. Quase todo o resto está mal: violência, hooliganismo, estupidez, cacofonia, ganância.

As imagens do treinador do FC Porto a reagir de forma ostensiva, agressiva e indesculpável contra um colega de profissão, fez-me lembrar o título de um filme de 1976, “Feios, Porcos e Maus”, do realizador italiano Ettore Scola.

O filme não tem nada a ver com futebol, é sobre uma família romana que vive numa favela da capital italiana. Sátira feroz e impiedosa, espantosa, amoral e rude, sátira desconcertante, hilariante e grotesca, resume, nalgumas dezenas de minutos divertidos e brutais, a miséria profunda da sub-humanidade da civilização Ocidental, que atingiu o cume do progresso técnico, social e económico, ao mesmo tempo que guardou toda a alucinante capacidade humana para a indignidade, a desumanidade e a porcaria.

Que tem isto a ver com o futebol? Nada, claro. Excepto o facto de a mesma porcaria imperar cada vez mais no futebol global, uma porcaria que torna o mais bonito dos jogos, pela estética, pela imprevisibilidade, pelo ritmo, uma cloaca irredimível. O problema é que se tornou um jogo ao serviço de um ethos colectivo degradado, espelho e reflexo do Mundo actual, que por sua vez influencia. Recordando a “Tribo do Futebol”, de Desmond Morris, estamos perante uma actividade quase tribal, com tribos (as do futebol) reunidas em torno de diferentes equipas – clubes -, em luta pela hegemonia, mas sobretudo em luta contra os seus rivais.

Somos então, cada um de nós, membros de tribo, seja ela o Benfica, o Porto ou o Sporting, com chefes, com sábios e heróis, com tem símbolos, bandeiras e hinos. Somos nós os seus guerreiros, lutamos pela nossa tribo mesmo contra a razão, mesmo contra os valores que nos guiam fora dela, os valores da sociedade a que pertencemos todos. Por ela, a nossa tribo, estamos dispostos a fazer qualquer coisa, feia, porca ou má, como verdadeiros fanáticos.

O que está hoje mal e o que está hoje bem no futebol?

O que está bem? O jogo.

Quase todo o resto está mal: violência, hooliganismo, estupidez, cacofonia, ganância.

Violência: deve haver poucos jogos mais duros, que causam mais lesões e em que os jogadores, conscientemente ou não, provocam mais dor, sofrimento e incapacidade aos colegas de profissão. No Brasil, estudo recente revelou que 55% de todas as lesões nos joelhos resultam da prática do futebol. E são inúmeras as vezes em que os jogadores, “sem querer”, pisam o calcanhar dos adversários, lhes acertam com a planta do pé (armado de pitons) na perna, esticam o cotovelo na direcção de um olho, de um nariz ou de um queixo.

Hooliganismo: as claques são gangues organizados, ou grupos desorganizados de desordeiros, não menos perigosos. Deslocam-se em manada, atacam em grupo, isolam e destroem as suas presas, humilhando-as ou agredindo-as. Podia ser belo, mete medo (e afasta as famílias).

Estupidez: traço mais marcante da organização actual do futebol, quer ao nível do dirigismo  quer da parte técnica, que inclui treinadores, preparadores físicos e fisioterapeutas. E do que se trata é da profunda, e contudo extraodinariamente ligeira, falta de qualidade intelectual de boa parte dos seus agentes. Ouvir certos dirigentes desportivos é escutar afirmações de completa indigência mental. Alguns treinadores alimentam o anedotário nacional, verdadeiros “bodes respiratórios” do sistema que se alimenta deles e os descarta à primeira oportunidade.

Cacofonia: enxameiam as televisões quase todos os dias, gritam ao mesmo tempo, afirmam tudo e o seu contrário com facilidade, defendem com unhas e dentes e contra a razão e o bom senso os interesses do clube que é a sua casa, a sua terra, o seu clã. Alguns seguem cartilhas com argumentos a utilizar, outros inventam, outros tentam ser tão sectários quanto possível, para continuar a ser recrutados para a causa que professam – do Sporting, Porto ou Benfica. E gritam, protestam, interrompem, insultam, pois só assim “o canal mantém as audiências” (disse-me há dias um desses comentadores)…

Ganância: no futebol circula dinheiro em excesso, por ele gerado e feito circular. É de mais para jovens de quase sempre modestas origens, de repente dispondo de muito dinheiro; não lhes peçam capacidade para gerir uma fortuna, manter o equilíbrio, agir correctamente e não perder a cabeça à primeira contrariedade. É impossível. E o dinheiro encoraja a ganância, a sede de enriquecimento de muitos, dos presidentes de clubes aos diversos membros do sistema, sem esquecer os agentes desportivos. O bolo disponível é cada vez maior e mais mal distribuído: o orçamento dos três grandes é incomparável com o resto das equipas, na Europa o orçamento dos grandes campeonatos é incomparável com o português.

Hoje em dia, em Portugal, todos se parecem, seja Porto, Benfica ou Sporting; seja Pinto da Costa, Bruno de Carvalho, Filipe Vieira; ninguém acredita neles a não ser os seus adeptos, que acreditam em tudo, seja no que for, nunca há penaltis justos contra a sua equipa e os seus jogadores são deuses.

A loucura não é só portuguesa; na Grécia, o Presidente do PAOK entrou em campo armado, Far-West no levante europeu. O campeonato grego foi suspenso. Ninguém morreu, mas a tragédia espreita.

E em Portugal?

As maiores vítimas do jogo de luz e sombras em que se transformou o futebol são os próprios jogadores (mentira, são os adeptos, mas esses não contam, parece). Muitos soçobram, deprimem, desistem. Tirados jovens do enquadramento familiar, deslumbrados com o estatuto de vedetas (quase) instantâneas, com a fama, mais tarde ou mais cedo vem a decepção, a queda de Ícaro no abismo da vaidade, seja por força de uma lesão, do final da carreira, do desligamento abrupto das luzes da ribalta. E voltam à obscuridade que os viu crescer, descrentes, desiludidos e deprimidos.

E o show continua, o show nunca para. Talvez acabasse, se todos juntos nos fartássemos dele e deixássemos de ir aos campos, de ver os jogos na televisão, até de ouvir os relatos. Talvez, nesse caso, o belo jogo, jogado com os pés, o mais imprevisível (e impreciso) dos manipuladores de bola (com a mão é mais fácil…), voltasse a ser o que em tempos foi:

Um belo desporto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Despedida /premium

Paulo de Almeida Sande
166

Foi um gosto ter escrito aqui durante 4 anos e meio, desde o 1º dia. Conheci a ambição, alegrei-me com o crescimento, rejubilei com o sucesso. Escrevi, em total liberdade, sobre os mais variados temas

Brexit

Modo de sobrevivência /premium

Paulo de Almeida Sande

Se houver visão, espírito grande e coragem, os líderes políticos britânicos tomarão a decisão certa e, com espírito democrático e a lucidez de perceber o que está em jogo, devolverão a palavra ao povo

Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)