Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Com esta frase dita em inglês na sua derradeira intervenção, Carlos Moedas sublinhou uma atitude de cooperação com os eurodeputados que será a sua atitude permanente como Comissário europeu. Pode dizer-se sem grande receio de errar que a sua audição perante os deputados da comissão do PE da Indústria, Investigação e Energia presidida pelo antigo Presidente do PE Jerzy Buzek, e que integra os portugueses Carlos Zorrinho, João Ferreira e Marisa Matias, foi um sucesso.   Krišjānis Kariņš, deputado europeu, tweetou: “I would summarize the Moedas hearing by saying that he is the right person for the job. (https://twitter.com/krisjaniskarins”>)”. A pessoa certa para o lugar. Ponto final.

Moedas mereceu mesmo aquela que foi até agora a única ovação espontânea das audições (já houve seis), quando Moedas professou fé na União Europeia ; no final recebeu igualmente uma significativa salva de palmas. Mostrou-se bem preparado para os aspectos técnicos do pelouro mas foi a sua dimensão humana como antigo estudante Erasmus que o Presidente Buzek quis sublinhar ao encerrar a audição: “Isto quer dizer que o nosso trabalho está feito e é concreto”. Destaque para as suas 3 prioridades num sector de tanta importância para a Europa: criação de condições de enquadramento (framework) para a ligação investigação-indústria; implementação (palavra repetida 3 vezes consecutivas), isto é concretização dos programas e agendas (do Horizonte 2020); importância da cadeia que liga investigação/inovação puras ao produto final, hoje muito maior do que há décadas. As questões ligadas à governação da austeridade, de que vinha sendo acusado, foram resolvidas sem problemas de maior (e até disse que, por vezes, discordava da troika).

Tudo indica pois que Carlos Moedas será o nosso homem em Bruxelas, contrariando algumas previsões (incluindo a minha, neste jornal). Porquê? Em primeiro lugar, sem dúvida, a sua impecável preparação (“estudou bem os dossiers”, comentou um deputado a certa altura) e por falar perfeitamente 4 línguas; depois porque o pelouro, de enorme importância, não convoca o risco que teriam funções mais proeminentes ou políticas como o emprego, economia ou fundos estruturais. Além disso, e isto é relevante, há um grupo de 5 ou 6 comissários indigitados ameaçados de rejeição pela eurocâmara.

Importa perceber-se uma coisa: o Parlamento Europeu (PE), desde que tem o poder de influenciar a composição da Comissão Europeia – executivo da União, espécie de “governo” europeu -, nunca perdeu a oportunidade de o fazer. Não pode, é certo, rejeitar formalmente candidatos a comissários a título individual, mas pode “chumbá-lo(s)”, forçando o futuro Presidente a substituí-lo(s). Fê-lo em 2004 e 2009. Em 2004, Barroso – prestes a iniciar o primeiro mandato como Presidente – ainda tentou resistir, mas arrepiou caminho ao perceber que corria o risco de ver cair tudo “por água abaixo”, com o mais do que provável chumbo da sua Comissão como um todo. E lá teve de substituir Rocco Buttiglione, rejeitado pelos eurodeputados, por Franco Fratini.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ora este Parlamento tem, depois do Tratado de Lisboa, poderes e legitimidade reforçados: o Presidente da Comissão que elegeu em Julho, responsável pela equipa apresentada – em conjunto com os Estados, claro -, foi o designado pelo grupo político mais votado, o PPE; Jean-Claude Juncker é, nesse sentido, uma “criatura” do PE (salvo seja, claro), e deve por isso acrescidos respeito e lealdade à instituição.

Estou por isso certo que, também desta vez, um ou mais candidatos (não mais de 2) serão rejeitados pelo PE. Convém lembrar que o poder dos parlamentos nas democracias ocidentais se alicerçou sobre o sangue de reis, bastando recordar Carlos Stuart, Iº de Inglaterra: perdida a guerra contra o poder do Parlamento defendido por Cromwell, perdeu também a cabeça, decapitado, em 1649, seguindo-se uma efémera república e o irreversível declínio do absolutismo monárquico. De certa forma, a rejeição de comissários acaba por ser uma espécie de momento cromwelliano da União Europeia.

Quem corre esse risco? Talvez o caso mais sério seja Alenka Bratušek, ex-primeira-ministra da Eslovénia, proposta para vice-Presidente com o pelouro da energia. 5 eurodeputados escreveram a Junckers dizendo que a sua nomeação foi “anti-democrática”. Porquê? Simplesmente por ela, enquanto primeira-ministra, se ter auto-proposto para comissária, assunto que até já mereceu atenção da comissão para a prevenção da corrupção eslovena. Refere-se ainda a pouca experiência num sector muito estratégico e a oposição do actual governo esloveno. Dou-lhe 8 hipóteses em 10 de ser chumbada.

Segue-se o comissário irlandês indigitado, indicado para a agricultura e desenvolvimento rural. Enquanto ministro, Phil Hogan terá aprovado despesas pagas pela Irish Water que incluíam avultados pagamentos em consultoria externa; o líder do Sinn Fein, Gerry Adams, declarou publicamente que ele não devia ter sido designado comissário. No meu livro de apostas, 7 hipóteses em 10 de chumbo do senhor Hogan.

Miguel Arias Cañete, o espanhol proposto para acção climática e energia, é contestado por toda a oposição, que o acusa de responsabilidade nos problemas das renováveis. Pior, num debate televisivo para as eleições europeias na Antena 3 Cañete disse: “O debate entre um homem e uma mulher é complicado, pois se abusas da superioridade intelectual pareces um machista a assediar uma mulher indefesa”. Incompetente e machista (num Parlamento sensível às questões de género) são acusações que o colocam em posição privilegiada para ser chumbado; talvez 6 hipóteses em 10.

Outros casos: o inglês Jonathan Hill, com os serviços financeiros, antigo lobista do sector financeiro, será questionado pelos deputados à esquerda do espectro político sobre a sua “fé europeia” e passado político. Mas o apoio total do governo britânico torna a rejeição de Hill menos provável; 5 em 10, digamos. O húngaro Tibor Navracsics, proposto para a educação, cultura, juventude e cidadania, tem como problema… ser húngaro e designado por Viktor Orbán, cujo estilo de governação autocrático é contestado; 5 em 10. Finalmente ao maltês Karmenu Vella, com o ambiente e pescas, sobram questões sobre políticas ambientais do seu país, e acusações de evasão fiscal e corrupção aquando da sua pertença ao governo de Dom Mintoff; também 5 em 10. De todos eles, só o maltês já teve a sua audição.

Os restantes candidatos terão mais probabilidades de aprovação do que rejeição, mas nunca se sabe – depende das audições. Estas são duras e exigentes e os candidatos têm de manter a calma, responder com objectividade e demonstrar capacidade e conhecimento do pelouro que lhes será confiado. Durante três horas os candidatos são “grelhados” (expressão na moda a propósito das audições) e respondem a perguntas dos vários deputados da comissão respectiva sobre a sua competência geral, empenho europeu e conhecimento do tema.

P.S. As percentagens que atribuo aos diferentes comissários não são totalmente casuais; fiz uma análise das comissões que os vão ouvir e tentei perceber como votarão os diferentes grupos políticos em função das razões da oposição que lhes é feita. Não é um método científico, mas vale pelo esforço, espero eu (e sempre é ilustrativo). E depende das audições, claro.

 

Professor da Universidade Católica – Instituto de Estudos Políticos