Rádio Observador

Caso José Sócrates

O orgulho e a vergonha /premium

Autor
112

A única forma de tornar a tal “vergonha” credível é não pretender que ela pode conviver com o “orgulho” da governação Sócrates. Até esse momento a posição oficial do PS só pode suscitar incredulidade.

Uma epidemia de sensibilidade percorre o PS. E não, não é a da habitual indignação altaneira fundada na firme superioridade moral. A sensibilidade em questão manifesta-se em paixões pouco habituais por aquelas plagas, como a vergonha, a vergonha por José Sócrates se ter introduzido no seu seio e ter manchado a ancestral honra do PS. É um pudor estranho, vindo de quem vem. Tanto mais que essa espécie de virgindade surpreende porque, como dizia o outro, vem de pessoas que já conhecemos muito bem antes de serem virgens. Aliás, houve uma altura não muito longínqua em que a libertinagem, por assim dizer, era a regra.

Claro que tudo isto é pura encenação que não engana ninguém. A manobra táctica para anular um peso inconveniente antes das eleições é patente. Mas a famosa habilidade de António Costa (que ecoa, de resto,  célebre “espertice” de José Sócrates) encontra aqui mais uma oportunidade de encantar os admiradores. A coisa é cosida com fio grosso, a artificialidade dos sentimentos é óbvia. Mas quanto mais óbvia a simulação, mais facilmente ela passa. Só há uma coisa necessária para simular assim a vergonha: falta de vergonha. Admito que num ou noutro caso, nas periferias do PS, a falta de vergonha não seja o ingrediente originário e seja necessário imaginar no fundamento desta rejeição tardia de Sócrates algo de mais profundo e eventualmente mais patológico. Mas no caso do PS a falta de vergonha basta. De resto, não funcionou ela muito bem com o próprio Sócrates? A falta de vergonha não seduziu por muito tempo o PS, desde que este, para nossa desgraça, abraçou por inteiro os “espertos”, e agora os “hábeis”?

Não vale a pena perder muito tempo a epilogar sobre tudo o que foi escrito sobre esta matéria e que representa, no conjunto, o que qualquer cidadão que não viva noutra galáxia pensa espontaneamente. Nada do que o PS disse a várias vozes, de Carlos César ao histriónico João Galamba, é sério ou para levar a sério. Aquela gente vive num universo em que a conveniência política, definida em termos que pertencem estritamente ao jogo que entre si praticam, traz consigo quase inevitavelmente o desprezo pelo entendimento comum e pelas condutas de boa-fé. Consequência directa dessa atitude são, por exemplo, os fogos do ano passado e a trapalhada que se anuncia para este ano. A esperteza e a habilidade têm coisas destas.

Mas se não vale a pena discorrer mais sobre o assunto, há algo sobre o qual faz provavelmente sentido reflectir. Imaginemos que José Sócrates é, de facto, como tudo parece indicar, o personagem que reúne em si todas as condições para inspirar o presente horror do PS. E imaginemos que, com a excepção de Manuel Pinho, os seus governos eram formados por gente sem sombra de comportamento repreensível nestas coisas. Imaginemos também – é uma suposição necessária – que nenhuma dessa gente por um só segundo suspeitou, ao longo desse demorado convívio, de nada de estranho em Sócrates e por isso, com a ajuda prestimosa de, entre outros, Pinto Monteiro e Noronha de Nascimento, sempre o defendeu de todas as suspeitas públicas com vigorosa virtude. Por mais problemática que seja esta última suposição, a verdade é que, a aceitá-la em conjunto com as outras duas, a actual posição do PS é formalmente defensável. A habilidade de Costa continua a ser isso, uma habilidade, mas formalmente justificada.

Pensemos, no entanto, noutro aspecto. No que me toca, e partilho essa experiência com muita gente, o que a partir de uma certa altura me assustou em Sócrates, vário tempo antes da sua fatídica reeleição, pouco ou nada tinha a ver com as suspeitas de corrupção, mas estritamente com as suas políticas catastróficas, que nos viriam a conduzir direitinho para o abismo. Mesmo no que respeita à corrupção e a outros crimes sortidos, o que me fazia impressão e medo era a extraordinária máquina de apoio e protecção com que Sócrates contava na justiça e noutros lugares, uma máquina tão poderosa e omnipresente que levou um dia Paulo Rangel a cunhar com acerto a expressão “asfixia democrática”. Mas em primeiro lugar eram as políticas em si que patentemente anunciavam a catástrofe iminente.

Agora, a questão: quem, entre a recente legião de sensíveis envergonhados, que, a começar pelo actual primeiro-ministro, transitaram dos governos Sócrates para o de António Costa, se levantou para dizer o óbvio? Que se saiba, ninguém. Virgens numa matéria, a da corrupção, serão, e até inocentes de qualquer suspeita, mesmo que isso nos obrigue a supor neles uma quase idiotia a roçar a oligofrenia, que parece ser contradita por uma aparente inteligência e verbo fácil. Mas virgens em matéria de acordo com as mais irracionais – e irracionais a olho nu e desprevenido – políticas praticadas por Sócrates certamente não são. Dir-se-á que confundir políticas discutíveis (é um eufemismo) com a grave matéria da corrupção releva da ignorância ou da má-fé. Mas não estou a fazer confusão nenhuma. Distingo muito bem uma coisa da outra. Limito-me a dizer que há políticas que são catastróficas para além de qualquer dúvida razoável. E que pactuar com elas e, com cara de pau, continuar a insistir na sua justeza (não foi o legado político de José Sócrates um legado que suscita “orgulho”, nas palavras de Carlos César?), anula por inteiro as proclamações de “vergonha”.

Se me permitisse um conselho às pessoas que no PS procuram refundar um partido saudável, ele seria: não procurem uma solução esquizofrénica que, por um passe de mágica, faça com que as duas faces da mesma moeda pertençam a moedas diferentes. Não funciona: é mais uma habilidade que, mais cedo ou mais tarde, se pagará caro. A única maneira de tornar a tal “vergonha” credível é não pretender que ela pode conviver com o “orgulho”. Até essa admissão, a posição oficial do PS só pode suscitar incredulidade. E, em momentos de maior sensibilidade (todos temos direito a eles), nojo e desprezo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Onde é que há gente no mundo? /premium

Paulo Tunhas

Abre-se um jornal ou vê-se uma televisão e só nos deparamos com doses cavalares de virtude a crédito que clama por integral satisfação e danação eterna dos que escapam à sua jurisdição.

PS

O conteúdo do socialismo /premium

Paulo Tunhas
123

Deixando António Costa de lado para não lhe atribuir pensamentos que poderão não ser os dele, conheço muitos votantes PS que nutrem especial carinho pela ideia de revolução.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)