CDS-PP

O partido da liberdade

Autor

Falta agora ao CDS apresentar rapidamente o programa eleitoral. Que tem de ser denso, criativo, desassombrado e ao mesmo tempo simples e articulado. Atraente e eficiente.

A memória dos Portugueses é curta e laxista, é verdade, mas nunca mais podemos esquecer o ano de 1975.

Como Diogo Freitas do Amaral lembrou, o CDS foi o partido “mais atacado, mais agredido, mais violentado e caluniado” de todos quantos se apresentaram ao primeiro sufrágio da era democrática, realizado no dia 25.04.1975, 1.º aniversário da revolução.

Apesar disso, quando no dia 2 de Abril de 1976 os deputados da Assembleia Constituinte deram os seus trabalhos por concluídos, a bancada do CDS foi a única que – corajosamente – votou contra a Constituição que entrou em vigor no dia 25 de Abril de 1976.

Não foi um amuo ou uma arruaça de meninos do parque do CDS. Muito mais simples: o CDS agia em conformidade com convicções, princípios e valores. Contra o domínio asfixiante do frentismo dominante de esquerda daqueles dias de chumbo, o CDS não facilitou, não se comoveu como os crocodilos, não foi na fila, não foi atrás no foguetório e nos vivas à Constituição. Disse não ao rumo socializante.

Os mais de 40 anos de sucessivas revisões constitucionais provam que o CDS tinha toda a razão em votar contra: apesar de todas as pressões e contingências vivemos hoje numa democracia livre, numa economia de marcado e pertencemos de pleno direito à União Europeia.

Isto por dizer que o CDS nunca se incomodou, nem se incomoda por ser sempre livre e dissonante. Igual a si próprio.

Hoje, quando ninguém quer saber, nem falar dos homens e das mulheres, da sua diferença essencial e da sua decisiva complementaridade, da protecção da vida, da crise demográfica e de natalidade, da liberdade educativa, de história pátria, dos Portugueses além-mar, dos valores nacionais e da tradição, da caça, da pesca e das touradas, o CDS fala, trata, promove e defende.

É isso um partido que não é transnacionalista. Que é Português e que é livre. O partido da realidade vivida, como dizia Henrique de Barros. Das causas verdadeiras. Das pessoas. Da verdadeira democracia.

Depois da novidade muitíssimo positiva da aprovação a tempo e horas dos critérios para a escolha dos candidatos a deputados nas legislativas do próximo 6 de Outubro, já foram aprovados os nomes dos cabeças de lista e demais deputados da quota da direcção nacional do CDS, com algumas óptimas novidades, ressaltando Filipe Anacoreta Correia (cabeça de lista por Viana do Castelo), Sebastião Bugalho (sexto lugar em Lisboa), Raquel Abecasis (número um em Leiria), Nuno Moreira (número um em Bragança) ou Paulo Pessoa de Carvalho (número um por Évora)

Falta apresentar rapidamente o programa eleitoral. Que tem de ser denso, criativo, desassombrado e ao mesmo tempo simples e articulado. Atraente e eficiente.

Para fazer jus (urgentemente) a um CDS ao serviço de Portugal e de todas as causas verdadeiras.

Advogado

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O peso das escolhas

Miguel Alvim

O único, exclusivo e fundamental ponto é este sinal imensamente negativo dado à sociedade: é que, afinal, parece que o cargo não executivo na Galp é mais importante do que ser vice-presidente do CDS.

Animais

Sinais dos tempos

Miguel Alvim

A protecção da totalidade da realidade natural e nela da pessoa, de todas as pessoas sem excepção, é a obrigação mais solene, mais grave e mais urgente do sistema político-partidário português.

CDS-PP

Mudar a bem

Miguel Alvim

Temos de pensar nas pessoas e nos seus problemas mais sérios, da liberdade de escolhas até à vitalização do sistema político e ao futuro económico e institucional da União Europeia.

Igreja Católica

A Europa e a Páscoa dos Cristãos no Mundo

Raquel Vaz-Pinto
351

Ao celebrar a Páscoa e a sua compaixão devíamos reflectir sobre os sacrifícios dos cristãos que vivem longe e fazer a pergunta difícil e dolorosa: conseguiríamos manter a Fé e de seguir o seu exemplo?

CDS-PP

Reconstrução /premium

Sebastião Bugalho
298

Hoje, em Portugal, há um Estado que falha a quem deveria servir e que cumpre com quem se serve dele. E é preciso reconstruir esse Estado. Devolver-lhe dignidade, restituir-lhe confiança.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)